Apostila UNIJUÍ - Sistema integrado de informações
174 pág.

Apostila UNIJUÍ - Sistema integrado de informações


DisciplinaAdministração de Sistemas de Informação6.034 materiais28.558 seguidores
Pré-visualização42 páginas
quadras, ruas, imóveis, infra-estrutura
Compare os dois. Qual deles é mais completo? Que subsistema
de um poderia completar o outro? Como poderíamos, analisando
os dois, elaborar um Sistema de Informações Municipais mais com-
pleto que esses dois isolados? Elabore a sua proposta num espaço
à parte.
Note o seguinte: não existe nesse mundo um sistema de informação completo. Algo
sempre estará faltando. As situações mudam, problemas e desafios novos aparecem, a
tecnologia se desenvolve rapidamente, a administração se moderniza, novas idéias surgem
a todo momento. E assim, os sistemas de informação também evoluem. Se o que hoje nos é
suficiente para atender às nossas necessidades, em um ano talvez ele já seja insuficiente, e
devemos consertá-lo com atualizações. Por isso é importante que você, estudante de Gestão
Pública, desenvolva a capacidade crítica de observar os detalhes, para poder diagnosticar
possíveis lacunas ou mesmo tendências nos sistemas.
Um outro aspecto, meu amigo ou amiga, é estar atento ao que se passa mundo afora.
Se em algum lugar um grupo de pessoas desenvolve alguma idéia interessante sobre sistema
de informação, devemos descobri-la. Ela pode nos ajudar a melhorar o nosso sistema, mes-
mo que não venhamos adquirir um novo sistema. Hoje as pessoas estão atentas às idéias
novas que surgem a todo instante para utilizá-las em suas organizações.
EaD Si kberto Renaldo Marks
104
SÍNTESE DESTA UNIDADE
Estivemos estudando aqui sobre os procedimentos necessários
para se elaborar um projeto de Sistema de Informação. Vimos
que ele deve partir de alguns pressupostos vitais. Por exemplo,
antes de projetarmos um Sistema de Informação, é necessário
saber quais os planos da organização para o futuro de curto,
médio e longo prazos. E sabe por quê? Bem, isso é simples, uma
organização deve dispor de sistema de informação para ajudá-
la a conduzir o processo decisório a fim de que seus planos se
tornem realidade.
Também vimos que outros pressupostos precisam ser considerados
para desenvolver um sistema de informação para a organização.
Os Fatores Críticos de Sucesso são importantes para se ter uma
idéia sobre quais informações no sistema que desenvolveremos se-
rão prioritárias. Eles devem informar, por exemplo, como os cida-
dãos desejam ser atendidos pelos serviços públicos. Essas informa-
ções deverão, portanto, ser mais completas, mais ricas e mais bem
trabalhadas.
Há outros aspectos que devemos estudar para termos um sistema
de informação sob medida para a organização. São eles: diagnós-
tico estratégico (ambiente interno e ambiente externo); estatutos,
regimentos e organograma da organização; fluxogramas dos pro-
cessos administrativos e de produção; diagramas de fluxos de in-
formações internas; diagnóstico informacional; estudos e pesqui-
sas elaborados sobre os cidadãos e relação dos documentos atual-
mente utilizados. Estes são os mais importantes, porém podería-
mos pesquisar e encontrar outros pressupostos. É necessário cui-
dar para que tenhamos à mão e que consideremos tudo o que
pode ter influência futura sobre a organização. Isso deveremos
 
EaD
105
SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES
considerar para elaborar um sistema de informação, pois ele
deverá co rresponder ao que a organização é em sua
integralidade.
Também estudamos sobre a instituição de um sistema de informa-
ção. Nessa parte, o ponto mais significativo é que um sistema de
informação nunca está concluído. Ele sempre deve sofrer modifi-
cações, correções, atualizações e assim por diante.
Focalizamos também um aspecto que podemos considerar uma
introdução ao tema segurança em sistemas de informação. As em-
presas precisam tomar muito cuidado nesse aspecto e os órgãos
que fazem parte da gestão pública também, pois as ameaças con-
tra tais sistemas se originam de várias fontes, e podem causar des-
de transtornos até a perda total das informações, bem como graves
dores de cabeça aos clientes, fornecedores e outros agentes inte-
ressados.
Por último, analisamos dois esboços de sistema integrado de infor-
mação pública. Neles pode-se observar quais os principais siste-
mas e subsistemas que existem para que uma prefeitura, ou outro
órgão de natureza pública, funcione a contento conforme as ne-
cessidades da comunidade e as características do próprio órgão.
EaD
107
SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES
Unidade 5Unidade 5Unidade 5Unidade 5
INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL I
OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM DESTA UNIDADE:
\u2013 Conhecer alguns dos recursos de inteligência artificial disponíveis para as organizações
em geral.
\u2013 Preparar as condições para discutirmos o quanto esses recursos são imprescindíveis à ges-
tão de empresas num contexto competitivo, complexo e economicamente instável.
SEÇÕES DESTA UNIDADE
Seção 1 \u2013 Data Warehouse, Data Mart e Data Mining
Seção 2 \u2013 ERP
Seção 3 \u2013 Business Inteligence
Seção 4 \u2013 O conhecimento artificial na gestão pública
A inteligência organizacional desenvolveu-se prioritariamente
na iniciativa privada, no entanto ela é extremamente útil em todo
tipo de organização. Assim sendo, o enfoque desta unidade será do
ponto de vista da iniciativa privada. É louvável, no entanto, se um
gestor público utilizar esses recursos para a gestão pública. Os re-
sultados certamente serão positivos, como ocorre em outras organi-
zações.
EaD Si kberto Renaldo Marks
108
Seção 1
Data Warehouse, Data Mart e Data Mining
O data warehouse é um banco de dados que as organizações podem desenvolver ou
adquirir no mercado. Existem muitos programas em oferta de data warehouse.
Esse banco de dados de âmbito organizacional armazena dados correntes e séries his-
tóricas de elevado interesse gerencial, orientados por assunto. Seus dados foram extraídos
de outros bancos de dados da organização ou de fora dela. Esses outros bancos de dados
podem estar localizados em distribuidores regionais, em filiais, em outras empresas, em ins-
titutos de pesquisa e estatística, em universidades, em governos e seus diferentes níveis, etc.
São dados já trabalhados, transformados e catalogados, sempre prontos a seres empregados
no processo decisório. Sua utilidade é vital para a organização. Servem para as tomadas de
decisão críticas de relevância estratégica. Côrtes (2008, p. 425) define que:
Data Warehouse é um repositório de dados oriundos de bases diversas, tanto internas quanto
externas à organização, relacionadas a períodos diversos de tempo. Ele abrange um amplo
cenário (tanto temporal quanto geográfico), possibilitando a realização de análises e correla-
ções em processos de extração de conhecimento para utilização em áreas estratégicas, táticas ou
mesmo operacionais da organização.
Há sistemas específicos que promovem a migração de dados de cada base para o data
warehouse.
O data mart, por sua vez, segundo Côrtes (2008, p. 426),
é um repositório de dados sobre um assunto específico, oriundo de bases diversas, tendo como
finalidade a realização de análises e correlações em processos de extração de conhecimento
para utilização em áreas estratégicas, táticas ou operacionais de uma organização.
Assim, enquanto o data warehouse abrange todos os assuntos desejáveis ao proces-
so decisório de uma organização, o data mart diz respeito a um assunto específico. Tanto
um como outro têm por função acompanhar os assuntos escolhidos no dia-a-dia da orga-
EaD
109
SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES
nização e servir ao processo decisório. O data warehouse pode ser comparado a um arma-
zém de dados, ou depósito de dados, e um data mart a um bazar ou entreposto de dados.
Na verdade ele é apenas um subconjunto do data warehouse, de âmbito restrito na organi-
zação. Por exemplo, o acompanhamento dos fatos relacionados ao comportamento dos
clientes.
O data mining significa mineração de dados ou mineração de conjuntos de dados que
têm significado importante para os gestores da organização. É um tipo de programa que
funciona dentro do data