RESUMO AV2
48 pág.

RESUMO AV2


DisciplinaMarketing de Varejo473 materiais3.958 seguidores
Pré-visualização14 páginas
O VAREJO DESTACA-SE POR SUA IMPORTÂNCIA NA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO, SENDO GRANDE RESPONSÁVEL PELO ACESSO DOS CONSUMIDORES A PRODUTOS E MARCAS, MANTENDO E SUPRINDO A DINÂMICA ECONÔMICA. É IMPORTANTE AINDA POR DAR CONDIÇÕES AOS FABRICANTES E PRODUTORES QUE FOQUEM EM SEU NEGÓCIO PRINCIPAL E COM ISSO REDUZAM CUSTOS E AMPLIEM SUAS MARGENS.
O CONSUMIDOR SE BENEFICIA, POIS O VAREJO PROPORCIONA A ELE BENEFÍCIOS E/OU UTILIDADES COMO CRÉDITO, COMODIDADE, LOGÍSTICA ADEQUADA ENTRE OUTROS.
VAREJO NO MUNDO
SEU SURGIMENTO OCORREU EM PARALELO COM A NECESSIDADE DAS FAMÍLIAS PRODUTORAS ESCOAREM SEUS PRODUTOS PARA CONSUMIDORES, COM O INTUITO DE SE PROVER RECURSOS SUFICIENTES PARA A SUBSISTÊNCIA, ALÉM DO CONSUMO PRÓPRIO. OS EXCEDENTES DA PRODUÇÃO, SEGUNDO LAS CASAS (2010), SERIAM UTILIZADOS PARA QUE ESTES BENS FOSSEM TROCADOS POR OUTROS, TAMBÉM NECESSÁRIOS À SOBREVIVÊNCIA. DEU-SE ENTÃO, O SURGIMENTO DAS RELAÇÕES TRANSACIONAIS, O COMÉRCIO E O ENTENDIMENTO DO QUE CHAMAMOS HOJE DE MERCADOS, QUE SÃO GRUPOS DE CONSUMIDORES COM NECESSIDADES, DESEJOS E POTENCIAIS DE COMPRA SIMILARES E QUE TROCAM SEUS RECURSOS, SEJAM ELES FINANCEIROS OU NÃO POR PRODUTOS E SERVIÇOS DE SEU INTERESSE.
CONCOMITANTEMENTE, HOUVE O SURGIMENTO DA MOEDA E DOS INTERMEDIÁRIOS, QUE SÃO AGREGADORES E RESPONSÁVEIS PELO ACESSO AOS BENS DE CONSUMO POR PARTE DOS CONSUMIDORES.
HENRY RICHTER, CITADO POR LAS CASAS, CITA COM REFERÊNCIAS HISTÓRICAS, QUE O VAREJO TEM ORIGENS LONGÍNQUAS: \u201cATENAS, ALEXANDRIA E ROMA FORAM GRANDES ÁREAS COMERCIAIS, E OS GREGOS ANTIGOS ERAM CONHECIDOS COMO GRANDES COMERCIANTES\u201d.
EXISTEM REGISTROS QUE DURANTE O IMPÉRIO ROMANO, INÚMEROS PONTOS DE COMERCIALIZAÇÃO FORAM CONSTRUÍDOS, INCLUSIVE ESTRUTURAS COMERCIAIS CONGREGANDO GRANDE NÚMERO DE LOJAS, LEMBRANDO OS CONTEMPORÂNEOS \u201cSHOPPING CENTERS\u201d.
NA METADE DO SÉCULO XIV, OS INGLESES FORAM REFERÊNCIA NA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS, COM ESTRUTURAS DENOMINADAS \u201cGUILDS\u201d, CUJA TRADUÇÃO LIVRE SERIA GRÊMIOS, OU SEJA, COMERCIANTES ATUANDO EM CONJUNTO PARA EXERCER SUA ATIVIDADE DE MANEIRA SATISFATÓRIA.
A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NÃO SÓ APERFEIÇOOU A ATIVIDADE VAREJISTA, COMO PROMOVEU GRANDE IMPULSO À COMERCIALIZAÇÃO, HAJA VISTA O AUMENTO DA CAPACIDADE PRODUTIVA EM FUNÇÃO DA MÁQUINA A VAPOR, O SURGIMENTO DE NOVOS MEIOS DE ESCOAMENTO DE PRODUTOS, COMO TRANSPORTE FERROVIÁRIO E O INCREMENTO DO TRANSPORTE MARÍTIMO, E TAMBÉM A MELHORIA DA QUALIDADE NA COMUNICAÇÃO, COM O ADVENTO DO TELÉGRAFO E POSTERIORMENTE DO TELEFONE.
A INGLATERRA E OS ESTADOS UNIDOS FORAM IMPORTANTES CENTROS DE APERFEIÇOAMENTO DO QUE HOJE CONHECEMOS COMO VAREJO, COM A CRIAÇÃO DE LOJAS COM INÚMEROS ITENS DE CONSUMO, CHAMADAS DE \u201cGENERAL STORES\u201d, PRECURSORAS DAS LOJAS DE DEPARTAMENTOS.
A TÉCNICA DE VENDAS PERMITIU AO CONSUMIDOR O AUTOSSERVIÇO, SEM A INTERVENÇÃO DE QUALQUER FUNCIONÁRIO. NASCE AÍ A ESTRATÉGIA DAS MARCAS COMERCIAIS, ONDE OS PRODUTOS PASSARAM A SER DISTINGUIDOS ENTRE SI PELAS MARCAS DE SEUS FABRICANTES.
O SURGIMENTO DOS GRANDES VAREJISTA DEU-SE A PARTIR DO SÉCULO XIX, COM AS GRANDES LOJAS DE DEPARTAMENTOS, COMO MACY´S, WOOLWORTH BROOKS BROTHERS, DENTRE OUTRAS. 
SEGUNDO KOTLER (2006), \u201cO VAREJO INCLUI TODAS AS ATIVIDADES RELATIVAS À VENDA DE PRODUTOS OU SERVIÇOS DIRETAMENTE AO CONSUMIDOR FINAL, PARA USO PESSOAL E NÃO COMERCIAL. UM VAREJISTA OU UMA LOJA DE VAREJO É QUALQUER EMPREENDIMENTO COMERCIAL CUJO FATURAMENTO PROVENHA PRINCIPALMENTE DA VENDA DE PEQUENOS LOTES NO VAREJO\u201d.
QUALQUER EMPRESA QUE VENDA DIRETAMENTE PARA OS CONSUMIDORES FINAIS \u2013 SEJA ELA FABRICANTE, ATACADISTA OU VAREJISTA \u2013 ESTÁ FAZENDO VAREJO. NÃO IMPORTA COMO OU ONDE OS PRODUTOS ESTÃO SENDO VENDIDOS: PORTA A PORTA, CORREIOS, TELEFONE, MÁQUINA DE VENDA, INTERNET.
SENDO ASSIM, O VAREJO É IMPULSIONADOR SOCIAL E ECONÔMICO, POIS DESEMPENHA FUNÇÕES PRIMORDIAIS NA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS.
O VAREJO PROPRIAMENTE DITO, NO BRASIL, RECEBEU UM GRANDE INCREMENTO NA ÉPOCA COLONIAL. ORIUNDO DO EXTRATIVISMO, SOBRETUDO DO PAU BRASIL, DO OURO E PRATA, SEGUIDOS PELA PECUÁRIA E CAFEICULTURA. 
OS TROPEIROS TIVERAM IMPORTANTÍSSIMO PAPEL NO DESBRAVAMENTO DE NOVOS CAMINHOS QUE LEVARAM À EXPANSÃO DO COMÉRCIO E, POSTERIORMENTE DA INDUSTRIALIZAÇÃO, TENDO COMO EXEMPLO O COMÉRCIO ITINERANTE, CARACTERIZADO PELA FIGURA HISTÓRICA DO CAIXEIRO VIAJANTE. 
A VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA PARA O BRASIL E A ABERTURA DOS PORTOS CAUSOU UMA INTENSA MOVIMENTAÇÃO DE NAVIOS E MERCADORIAS EM CIDADES PORTUÁRIAS COMO RIO DE JANEIRO, SALVADOR, SÃO LUÍS, RECIFE E BELÉM. SÓ PARA O RIO DE JANEIRO VEIO UM CONTINGENTE DE 15 MIL PESSOAS, ALTERANDO SIGNIFICATIVAMENTE O COMÉRCIO LOCAL. ESSA NOVA REALIDADE AUMENTA A PROCURA POR MORADIAS, SERVIÇOS E BENS DIVERSOS.
AS CASAS PERNAMBUCANAS FORAM UMA DAS PRECURSORAS DO VAREJO BRASILEIRO TENDO SIDO FUNDADA EM 1906, COMO UMA LOJA DE TECIDOS. HOUVE UM GRANDE AVANÇO NO VAREJO BRASILEIRO A PARTIR DA DÉCADA DE 1950, COM O SURGIMENTO DAS PRIMEIRAS LOJAS COM CONCEITO DE AUTOSSERVIÇO E DOS SUPERMERCADOS NO BRASIL. 
A MESBLA FOI CRIADA EM 1924, NO RIO DE JANEIRO, E DURANTE DÉCADAS FOI UMA POTÊNCIA COMERCIAL. EM SUAS LOJAS, COMPRAVAM-SE SAPATO, PERFUME, TELEVISORES, JOIAS, LANCHAS E AUTOMÓVEIS. APESAR DESTA MARCA DO VAREJO TER UM LUGAR ESPECIAL NO CORAÇÃO DE VÁRIAS GERAÇÕES, A MESBLA ENCERROU SUAS ATIVIDADES EM 1999.
NA DÉCADA DE 1930 O CINEMA LEVA AO BRASIL E AO MUNDO O CULTO AO \u201cAMERICAN WAY OF LIFE\u201d, ALTERANDO OS PADRÕES VIGENTES E SUBSTITUINDO AS REFERÊNCIAS FRANCESAS E OS PRODUTOS IMPORTADOS DA EUROPA PELOS DE ORIGEM NORTE-AMERICANA, ALGUNS DESSES JÁ SENDO FABRICADOS NO BRASIL POR FILIAIS DE EMPRESAS DOS ESTADOS UNIDOS.
AO FINAL DA SEGUNDA GUERRA, O VAREJO DE ALIMENTOS BRASILEIRO AINDA ERA COMPOSTO BASICAMENTE POR ARMAZÉNS, EMPÓRIOS E MERCEARIAS. OS COMERCIANTES USAVAM AS CADERNETAS, TRADICIONAL MODO DE CRÉDITO DESENVOLVIDO PELO COMÉRCIO, ALÉM DOS AÇOUGUES E VENDEDORES AMBULANTES DE VERDURAS, BATATAS, PEIXES ETC. 
NA VIRADA DA DÉCADA DE 1940 SURGE EM SÃO PAULO A SEARS, LOJA DE DEPARTAMENTOS COM LANCHONETE E ESTACIONAMENTO, PIONEIRA NA UTILIZAÇÃO DO SELF-SELECTION, MODALIDADE DE AUTOSSERVIÇO EM QUE O CLIENTE ESCOLHE A MERCADORIA, SENDO A VENDA FINALIZADA POR VENDEDORES ESPECIALIZADOS EM CADA DEPARTAMENTO.
EM MEADOS DA DÉCADA DE 1940 SURGEM AS LOJAS ESPECIALIZADAS EM ROUPAS QUE COMEÇAM A SE UTILIZAR DE VITRINES PARA EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS, PROPAGANDAS EM RÁDIOS E JORNAIS, LANÇAMENTO DE PROMOÇÕES APROVEITANDO DATAS COMO NATAL, CARNAVAL E FESTAS JUNINAS, O DIA DAS MÃES, LANÇANDO EM 1948. 
SÃO DESSA ÉPOCA LOJAS COMO EXPOSIÇÃO, O CAMISEIRO, ESPLANADA, CASA TAVARES E SEGADAES, NO RIO DE JANEIRO, E MAPPIN, GARBO, CASA JOSÉ SILVA, EVEREST, COLOMBO E DUCAL EM SÃO PAULO. ESSE PERÍODO MARCA O NASCIMENTO DO CREDIÁRIO, QUE PASSA A SER AMPLAMENTE UTILIZADO POR TAIS LOJAS.
O PRIMEIRO SHOPPING CENTER DO BRASIL, O IGUATEMI, FOI INSTALADO NA CIDADE DE SÃO PAULO NO ANO DE 1966. DESDE O PRIMEIRO SHOPPING, ESSE SETOR TEM APRESENTADO GRANDES ÍNDICES DE CRESCIMENTO, DOBRANDO DE TAMANHO A CADA PERÍODO DE CINCO ANOS. COM O PASSAR DOS ANOS, CARACTERÍSTICAS COMO COMODIDADE, SEGURANÇA E FACILIDADE DE ESTACIONAMENTO COMEÇARAM A GANHAR A PREFERÊNCIA DO CONSUMIDOR E OS SHOPPINGS CENTERS CONQUISTARAM SEU ESPAÇO. 
SEGUNDO MATÉRIA PUBLICADA NO ESTADÃO, O NÚMERO DE SHOPPING CENTERS EM OPERAÇÃO NO BRASIL CHEGOU A 766 EM DEZEMBRO DE 2010, COM BASE EM REVISÃO DE CÁLCULOS REALIZADA PELA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOJISTAS DE SHOPPING (ALSHOP) EM PARCERIA COM O IBOPE INTELIGÊNCIA. OS EMPREENDIMENTOS DO PAÍS SÃO COMPOSTOS POR 89.643 LOJAS, 1.926 SALAS DE CINEMA E 7.679 OPERAÇÕES NA ÁREA DE ALIMENTAÇÃO. O FLUXO NOS SHOPPING CENTERS É DE CERCA DE 450 MILHÕES DE PESSOAS POR MÊS.
VAREJO NO BRASIL
A REGIÃO SUDESTE RESPONDEU POR 401 EMPREENDIMENTOS (52,35% DO TOTAL), E O ESTADO DE SÃO PAULO, POR 234 SHOPPINGS CENTERS. 
NO BRASIL, 50,13% DOS EMPREENDIMENTOS ESTÃO NAS CAPITAIS E 49,87% NO INTERIOR.
O LEVANTAMENTO APONTOU TAMBÉM QUE HAVIA 124 SHOPPINGS CENTERS EM OBRAS EM DEZEMBRO, QUE DEVEM ENTRAR EM OPERAÇÃO ATÉ O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013, COM O TOTAL DE 19.952 LOJAS. OS INVESTIMENTOS NOS PROJETOS