livroatencaoacrianca
200 pág.

livroatencaoacrianca

Pré-visualização50 páginas
O USPSTF considera que a evidência é insuficiente para recomendar 
ou não a pesquisa rotineira de chumbo sérico em crianças assintomáticas entre 1 a 5 anos com 
risco aumentado15 [D]. Já o CDC e a OMS recomendam rastreamento em crianças de 0 a 5 anos 
de alto risco para intoxicação por este metal em locais de maior prevalência de intoxicação por 
chumbo 14[D]. 
Os fatores de risco relacionados à intoxicação por chumbo na literatura são: exposição a 
áreas de grande tráfego, moradia em casa com pintura antiga, exposição ao lixo industrial e 
doméstico, dormir próximo ao solo, contato com água contaminada, baixo nível educacional dos 
pais e pobreza. Outros fatores importantes, ligados à maior absorção, são deficiências orgânicas 
de ferro, cálcio e zinco14. 
Em breve teremos dados sobre os fatores de risco de exposição para chumbo na área de 
atuação do SSC 14, o que poderá subsidiar a decisão sobre o rastreamento em crianças da nossa 
área. 
ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA DE 0 A 12 ANOS 
 
APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE AÇÕES DE SAÚDE DO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA 
 
46 
5.5 Rastreamento de doenças sexualmente transmissíveis (DST) 
A infecção por clamídia é a doença bacteriana sexualmente transmissível mais comum 
nos EUA e Europa. Em mulheres, a infecção por clamídia pode resultar em uretrite, cervicite, 
doença inflamatória pélvica (DIP), infertilidade, gestação ectópica e dor pélvica crônica. Durante a 
gestação, está relacionada a complicações como aborto, ruptura prematura de membranas, 
trabalho de parto prematuro, baixo peso ao nascer e mortalidade infantil 16. A segunda doença 
sexualmente transmissível (DST) mais prevalente nos EUA é a gonorréia, com mesma distribuição 
etária e complicações ginecológicas similares. Nos homens, a infecção por clamídia é discreta, ao 
contrário da gonorréia, que pode apresentar uretrite sintomática e epididimite 17. 
Mulheres de até 25 anos, sexualmente ativas, não-usuárias de método contraceptivo de 
barreira ou com sintomas de cervicite (friabilidade cervical, secreção mucopurulenta ou 
sangramento intermenstrual) devem ser avaliadas para infecção por clamídia 18. O USPSTF 
recomenda pesquisa anual para este grupo de risco, com testes de amplificação do ácido 
nucléico, que têm alta especificidade e sensibilidade. Podem ser feitos com urina e swabs 
vaginais. ATENÇÃO: este exame ainda não é realizado pelo laboratório do GHC; o exame 
disponível em nosso serviço é imunofluorescência indireta, feito por laboratório terceirizado, cuja 
acurácia é limitada para infecções não complicadas, pois é difícil distinguir se os anticorpos são de 
infecção prévia ou atual 17. 
Sugere-se, portanto, reservar a imunofluorescência indireta para clamídia apenas para 
pessoas de alto risco (i.e. mulheres com contato sexual sem preservativo com parceiro com DST) 
ou diagnóstico de indivíduos sintomáticos. 
Fatores associados à infecção por gonococo, inclusive em indivíduos assintomáticos, são: 
parceiros com DSTs, idade inferior a 30 anos, idade da primeira relação sexual inferior a 17 anos, 
sangramento endocervical induzido por swab, e dor abdominal baixa ou pélvica 18, 19, 20 [B]. 
Portanto, o profissional deve estar atento a estes fatores para decidir quanto ao rastreamento de 
gonococo, através de Gram e cultural de secreção cervical ou uretral 18. Lembramos que o mesmo 
meio de transporte utilizado para pesquisa de estreptococo beta-hemolítico pode ser usado para o 
gonococo, sendo viável até 12 horas, em temperatura ambiente. Preencher a requisição (SADT) 
solicitando \u201cpesquisa para gonococo\u201d, informando de onde foi coletada a secreção (cervical, 
uretral). 
Na prática, o gonococo está associado à clamídia, pois os fatores de risco são os 
mesmos. Na vigência de uretrite ou cervicite, a abordagem é sindrômica, para ambas as 
bactérias21 [D]. 
Também há boas evidências para solicitar anti-HIV para indivíduos de alto risco (homens 
homossexuais ou bissexuais, prostitutas, usuários de drogas injetáveis, pessoas com doença 
sexualmente transmissível, contatos sexuais com portadores do HIV e pessoas de países com alta 
prevalência de infecção por HIV)18 [A]. 
 
Referências 
1. GÉRVAS CAMACHO, J. et al. Problemas prácticos y éticos de la prevención secundaria: a propósito de 
dos ejemplos en pediatría. Revista Española de Salud Pública, Madrid, v. 81, n. 4, p. 345-352, 2007. 
SOLICITAÇÃO DE EXAMES COMPLEMENTARES 
 
APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE AÇÕES DE SAÚDE DO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA 
 
47 
2. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Recommendations to prevent and control iron 
deficiency in the United States. Morbidity and Mortality Weekly Report (MMWR), Atlanta, v. 47, n. RR 3, 
apr.1998. Disponível em: <http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/00051880.htm>. Acesso em: 
01/12/08. 
3. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual operacional do Programa 
Nacional de Suplementação de Ferro. Brasília, DF: Ed. Ministério da Saúde, 2005. 
4. STOLTZFUS, R.J.; DREYFUSS, M.L. Guidelines for the Use of Iron Supplements to Prevent and 
Treat Iron Deficiency Anemia. International Nutritional Anemia Consultative Group (INACG). Geneva: 
World Health Organization; 1998. 
5. U.S. PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE. Screening for Iron Deficiency Anemia--Including Iron 
Supplementation for Children and Pregnant Women. Disponível em: 
http://www.ahrq.gov/clinic/uspstf06/ironsc/ironscr.pdf. Acesso em: 01/12/08. 
6. KOHLI-KUMAR, M. Screening for anemia in children: AAP recommendations\u2014a critique. Pediatrics, 
Evanston, v. 108, n. 3, sep. 2001. Disponível em: 
<http://pediatrics.aappublications.org/cgi/reprint/108/3/e56>. Acesso em: 01/12/08. 
7. BLANK, D. Condutas clínicas na promoção da saúde da criança e do adolescente. IN: DUNCAN, B. et al. 
Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3. ed. Porto Alegre: 
Artmed, 2004. 
8. RUIZ-CABELLO, F. J. S. Prevención primaria y detección precoz de la ferropenia. PrevInfad, Espanha, 
oct. 2002. Disponível em: <http://www.aepap.org/previnfad/pdfs/previnfad_ferropenia.pdf>. Acesso em: 
01/12/08. 
9. U.S. PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE. Screening for lipid disorders in children: 
recommendation statement. Disponível em: <http://www.ahrq.gov/clinic/uspstf07/chlipid/chlipidrs.pdf>. 
Acesso em: 01/12/08. 
10. CORTÉS RICO, O. Cribado de la hipercolesterolemia. Previnfad, Espanha, abr 2008. Disponível em: 
http://www.aepap.org/previnfad/colesterol.htm. Acesso em 12/12/08. 
11. HANEY, E. M. et al. Screening and treatment for lipid disorders in children and adolescents: 
systematic evidence review for the U.S. Preventive Services Task Force. Pediatrics, Evanston, v. 120, n. 
1, p. 189-214, jul. 2007. 
12. DANIELS, S. R.; GREER, F. R. Lipid screening and cardiovascular health in childhood. Pediatrics, 
Evanston, v. 122, n. 1, p. 198-208, 2008. 
13. DE FERRANTI, S. e LUDWIG, D.S. Storm over Statins \u2014 The Controversy Surrounding 
Pharmacologic Treatment of Children. N Engl J Med. Massachusetts v. 359, n.13 p. 1309-1312. 2008 
14. FERRON, M. M. et al. Prevalência de intoxicação por chumbo em crianças da Vila Dique. Porto 
Alegre, 2005. No prelo. 
15. U.S. PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE. Screening for elevated blood lead levels in children 
and pregnant women: recommendation statement. 2007. Disponível em: 
<http://www.ahrq.gov/clinic/uspstf/uspslead.htm#Summary.>. Acesso em: 01/12/08 
16. U.S. PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE. Screening for Chlamydial Infection: U.S. Preventive 
Services Task Force recommendation statement. Annals of Internal Medicine, Philadelphia, v. 147, n. 
2, p. 128-134, july 2007. 
17. Centers for Disease Control and Prevention. Screening Tests To Detect Chlamydia trachomatis and 
Neisseria gonorrhoeae Infections - 2002. MMWR Recomm Rep. October 18, 2002 / 51(RR15);1-27. 
Disponível em: < http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/rr5115a1.htm>. Acesso em: 01/12/08 
18. STEIN, A. et al. Promoção da saúde e