livroatencaoacrianca
200 pág.

livroatencaoacrianca

Pré-visualização50 páginas
Systematic Reviews, Oxford, n. 1, 2002. 
12. DEWEY, K. G. et al. Effects of exclusive breastfeeding for 4 versus 6 months on maternal nutritional status 
and infant motor development: results of two randomized trials in Honduras. Journal of Nutrition, 
Philadelphia, v. 131, p. 262-267, 2001. 
13. EUROPEAN SOCIETY FOR PEDIATRIC GASTROENTEROLOGY, HEPATOLOGY, AND NUTRITION 
AND NORTH AMERICAN SOCIETY FOR PEDIATRIC GASTROENTEROLOGY, HEPATOLOGY AND 
NUTRITION. Complementary feeding: a commentary by the ESPGHAN Committee on Nutrition. Journal 
of Pediatric Gastroenterology and Nutrition , New York, v. 46, n. 1, p. 99-110, jan. 2008. 
14. SENA, M. C. F.; SILVA, E. F.; PEREIRA, M. G. Trends of breastfeeding in Brazil in the last quarter of the 
20th century. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 10, n. 4, 2007 . Disponível em: 
Toda criança que apresentar ganho de peso excessivo a partir dos 2 anos de idade, aliado 
aos fatores descritos anteriormente, apresenta maior risco para obesidade na vida adulta e DANTs 
6,55,56,58
. Quanto mais tarde for a intervenção, maior o risco. Nas unidades em que há o nutricionista, 
a criança e sua família deverão ser acompanhadas por esse profissional. 
 
Juju
Realce
Juju
Realce
ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA DE 0 A 12 ANOS 
 
APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE AÇÕES DE SAÚDE DO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA 
 
96 
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2007000400008&lng=en&nrm=iso>. 
Acesso em: 18 jul. 2008. 
15. BRASIL. Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição. Serviço de Saúde Comunitária. Pesquisa 
anual de aleitamento materno. Porto Alegre, n. 87, 2008. 
16. U.S. PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE. Behavioral interventions to promote breastfeeding: 
recommendations and rationale. Rockville: Agency for Healthcare Research and Quality, 2003. 
17. THE NATIONAL COLLABORATING CENTRE FOR PRIMARY CARE. Postnatal care: routine postnatal 
pare of women and their babies. Leicester: University of Leicester, 2006. 
18. NATIONAL INSTITUTE FOR HEALTH AND CLINICAL EXCELLENCE. Disponível em: 
<http://www.nice.org.uk/>. Acesso em: 18/07/2008. 
19. HASSELMANN, M. H.; WERNECK, G. L.; SILVA, C. V. C. Symptoms of postpartum depression and early 
interruption of exclusive breastfeeding in the first two months of life. Cadernos de Saúde Pública, Rio de 
Janeiro, v. 24, n. 2, p. S341-S352, 2008. Suplemento. 
20. VIEIRA, G. O. et al. Mastite lactacional e a iniciativa Hospital Amigo da Criança, Feira de Santana, Bahia, 
Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, 2006 . Disponível em: 
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2006000600008&lng=&nrm=iso>. 
Acesso em: 16/08/2008. 
21. RIO DE JANEIRO. Secretaria de Estado de Saúde. Iniciativa Unidade Básica Amiga da Amamentação. 
Manual de capacitação de multiplicadores. Rio de Janeiro, 2006. 
22. Duncan, Bruce; Schmidt; Guiliane, Elsa et all. Medicina Ambulatorial Condutas de atenção primária 
Baseadas em Evidências. 3º edição. 4º Reimpressão de 2004. Artmed. 
23. GARTNER, L. M. et al. Breastfeeding and the use of human milk. Pediatrics, Evanston, v. 115, n. 2, feb. 
2005. Disponível em: <http://www.pediatrics.org/cgi/content/full/115/2/496>. Acesso em: 28/07/2008. 
24. SCOTTISH INTERCOLLEGIATE GUIDELINES NETWORK. Bronchiolitis in children: a national clinical 
guideline. Edinburgh, 2006. Disponível em: 
<http://www.guideline.gov/summary/summary.aspx?doc_id=10224>. Acesso em: 14/08/ 2008. 
25. FACULTY OF FAMILY PLANNING & REPRODUCTIVE HEALTH CARE. FFPRHC guidance (july 2004): 
contraceptive choices for breastfeeding women. Journal of Family Planning and Reproductive, Health 
Care, Chichester,v. 30, n. 3, p. 181-189, jul. 2004. 
26. PINTO, L. F. Apego y lactancia natural. Revista Chilena de Pediatría, Santiago, v. 78, n. 1, p. S96-S102, 
out. 2007. Suplemento. 
27. DRANE, D. Breastfeeding and formula feeding: a preliminary economic analysis. Breastfeeding Review, 
Canada, v. 5, n. 1, p. 7-15, 1997. 
28. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Indicators for assessing infant and young child feeding 
practices: conclusions of a consensus meeting held 6-8 november 2007 in Washington D. C., USA. 
Geneva, 2007. Disponível em: 
<http://www.who.int/child_adolescent_health/documents/pdfs/iycf_indicators_for_peer_review.pdf>. 
Acesso em: 17/07/2008. 
29. GIUGLIANI E. R. J.; VICTORA C. G. Normas alimentares para crianças brasileiras menores de dois 
anos: embasamento científico. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde, 1997. 
30. BRASIL. Ministério da Saúde. Guia prático de prepare de alimentos para crianças menores de 12 
meses que não podem ser amamentadas. Brasília, DF: Ed. Ministério da Saúde, 2005. 
31. KANUFRE, V. et al. O aleitamento materno no tratamento de crianças com fenilcetonúria. Jornal de 
Pediatria, Rio de Janeiro, v. 83, n. 5, p. 447-452, set./out. 2007. 
32. VAN RIJN, M. et al. A different approach to breast-feeding of the infant with phenylketonuria. European 
Journal of Pediatrics, Heildelberg, v. 162, n. 5, p. 323-326, may 2003. 
33. ACCIOLY, E; SAUNDERS, C; LACERDA, E.M. Nutrição em Obstetrícia e Pediatria. Rio de Janeiro: 
Cultura Médica, 2002. 
34. WEFFORT V. R. S. Alimentação Láctea no primeiro ano de vida. Belo Horizonte: Sociedade Mineira 
de Pediatria, 2006. Disponível em : <http:// www.smp.org.br>. Acesso em 23 jul. 2008 
35. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A AGRICULTURA E A ALIMENTAÇÃO; ORGANIZAÇÃO 
MUNDIAL DA SAÚDE .Codex Alimentarius.1962. Disponível em 
http://www.codexalimentarius.net/web/index_en.jsp. Acesso em 20 jul. 2008. 
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 
 
APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE AÇÕES DE SAÚDE DO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA 
 
97 
36. AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS. Policy Statement. Organizational principles to guide and 
define the child health care system and/or improve the health of all children. 2005. Disponível em : 
<http://www.aap.org> . Acesso em 15 ago. 2008. 
37. VITOLO, M. R.; BORTOLINI, G. A. Biodisponibilidade do ferro como fator de proteção contra anemia entre 
crianças de 12 a 16 meses. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 83, n. 1, p. 33-38, jan./fev. 2007. 
Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-
75572007000100007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 22 jul. 2008. 
38. MALE, C. et al. Prevalence of iron deficiency in 12-mo-old infants from 11 European areas and influence 
of dietary factors on iron status (Euro-Growth Study). Acta Paediatrica, Stockholm, v. 90, n. 5, p. 492-
498, 2001. 
39. EUCLYDES, M. P. Nutrição do lactente: base científica para uma alimentação adequada. 2. ed. Viçosa: 
UFV,2000. 
40. VITOLO, M. R. et al. Impactos da implementação dos dez passos da alimentação saudável para crianças: 
ensaio de campo randomizado. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 5, set./out. 2005. 
Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
311X2005000500018&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 21 jul. 2008. 
41. VITOLO, M. R. Nutrição: da gestação ao envelhecimento. Rio de Janeiro: Rubio, 2008. 
42. BIRCH, L. L. Development of food acceptance patterns in the first years of life. Proceedings of the 
Nutrition Society, London, v. 57, n. 4, p. 617-624, nov. 1998. Disponível em: 
<http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10096125>. Acesso em: 20 out. 2008. 
43. BIRCH, L. L.; FISHER, J. O. Development of eating behaviors among children and adolescents. 
Pediatrics, Evanston, v. 101, n. 3, p. 539-549, mar. 1998. Disponível em: 
<http://pediatrics.aappublications.org/cgi/content/abstract/101/3/S1/539>. Acesso em: 20 out. 2008. 
44. SMITH, M. M.; LIFSHITZ, F. Excess fruit juice consumption as a contributing factor in nonorganic failure to 
thrive. Pediatrics, Evanston, v. 93, n. 3, p. 438-443, mar. 1994. Disponível em: 
<http://pediatrics.aappublications.org/cgi/content/abstract/93/3/438>. Acesso em: 20 out. 2008. 
45. URRESTARAZU DEVINCENZI, M.; BASILE COLUGNATI, F. A.; SIGULEM,