Avaliação neuropsicológica do processo de tomada de decisões em crianças e adolescentes  uma revisão integrativa da literatura
10 pág.

Avaliação neuropsicológica do processo de tomada de decisões em crianças e adolescentes uma revisão integrativa da literatura


DisciplinaPsiquiatria II171 materiais1.934 seguidores
Pré-visualização10 páginas
e 47 meses, e 21 crianças com idade 
entre 55 e 59 meses participaram do estudo, Experimento 2: a) 63 
crianças com idade entre 36 e 47 meses (49,2% do sexo masculino; 
média etária = 3,6 anos); e b) 73 crianças com idade entre 48 e 59 
meses (42,46% do sexo masculino; média etária = 4,5 anos)
Experimento 1: Enquanto as crianças de 3 anos e meio mostraram 
uma tendência de preferir as cartas do bloco desvantajoso, as 
crianças de 4 anos e meio mostraram preferência pelo baralho 
vantajoso 
Experimento 2: Na condição da tarefa em que foi perguntado a 
cada criança qual baralho era melhor e por que e qual baralho 
era pior e por que, o desempenho das crianças de 4 anos e meio 
foi superior ao desempenho das mesmas na versão controle da 
tarefa. A versão da tarefa em que os participantes foram instruídos 
a colocar a figura do tigre e a do urso ao lado de cada um dos 
baralhos a fim de simbolizar qual era o melhor e o pior deles não 
beneficiou as crianças de 4 anos e meio
Hooper et al. 
(2008)
2 153 participantes com idade entre 9 e 17 anos (52% do sexo 
feminino; média etária = 12,85 e +/-2,73 anos)
Os adolescentes com escores altos em neuroticismo preferiram os 
baralhos desvantajosos ao longo da tarefa, enquanto aqueles com 
baixos escores escolheram mais cartas dos baralhos vantajosos 
nos últimos blocos da tarefa; a relação entre neuroticismo e 
desempenho no IGT só foi significativa para os adolescentes do 
sexo masculino
Bubier e 
Drabick (2008)
3 63 crianças oriundas de famílias empobrecidas (média etária = 
7,79 e +/-1,08 anos); sendo 38% da primeira série (58% do sexo 
masculino), 35% da segunda série (50% do sexo masculino), 25% 
da terceira série (50% do sexo masculino) e seus cuidadores
Os meninos e as meninas não diferiram em relação à tomada de 
decisão. O desempenho na CGT esteve relacionado à presença de 
sintomas de TDAH e de TDO em meninos, mas não em meninas
Xiao et al. 
(2008)
1A 181 participantes da décima série provenientes de 4 escolas 
diferentes: a) escola de ensino normal e de alto nível 
socioeconômico; b) escola de ensino normal e de baixo/médio nível 
socioeconômico; c) escola de ensino técnico-profissionalizante 
e de nível socioeconômico médio; d) escola de ensino técnico-
profissionalizante e de baixo nível socioeconômico
Os adolescentes que haviam fumado nos últimos 7 dias mostraram 
desempenho inferior na tarefa de tomada de decisão quando 
comparados aos adolescentes que afirmaram já ter fumado, mas 
não nos últimos 30 ou 7 dias, como foi indicado por uma curva 
anormal de aprendizagem e um escore na IGT significativamente 
inferior. Não foram encontradas diferenças no desempenho no 
SOPT entre os adolescentes que haviam fumado nos últimos 7 e 
aqueles que nunca haviam fumado
112 Mata FG, et al. / Rev Psiq Clín. 2011;38(3):106-15
Estudo
Versão da 
tarefa de 
tomada de 
decisões
Amostra Resultados
Johnson et al. 
(2008)
1 A 208 participantes da décima série com idade entre 14 e 18 
anos (média etária = 16,18 e +/-0,63; 50% do sexo masculino) 
provenientes de 4 escolas diferentes, sendo que 104 deles 
estudavam em uma escola de ensino normal e de alto nível 
socioeconômico ou em uma escola de ensino normal e de baixo/
médio nível socioeconômico; e 104 estudavam em uma escola de 
ensino técnico-profissionalizante e de médio nível socioeconômico 
ou em uma escola de ensino técnico-profissionalizante e de baixo 
nível socioeconômico
Os adolescentes que haviam fumado nos últimos 7 dias mostraram 
desempenho inferior na tarefa de tomada de decisão quando 
comparados aos adolescentes que afirmaram já ter fumado, mas 
não nos últimos 30 ou 7 dias, como foi indicado por uma curva 
anormal de aprendizagem e um escore na IGT significativamente 
inferior
Oldershah et al. 
(2009)
1 A 133 participantes com idade entre 8 e 12 anos: a) 54 participantes 
que cometeram autoagressão (média etária = 15,8, +/-1,5; 90,7% 
do sexo feminino) divididos em dois subgrupos: em 30 deles, o 
último episódio de autoagressão ocorreu num período menor ou 
igual a 1 mês, e em 24 deles, o último episódio de autoagressão 
ocorreu há mais de um mês; b) 22 participantes diagnosticadas 
com depressão (média etária = 15,7, +/-1,3 anos; 90,9% do sexo 
feminino); c) 57 participantes saudáveis (média etária = 15,8, +/-1,5 
anos; 80,7% do sexo feminino)
Na tarefa de tomada de decisão, o desempenho dos adolescentes 
que praticaram autoagressão (incluindo aqueles com episódios 
presentes e aqueles em que o último episódio ocorreu há mais 
de um mês antes da realização da pesquisa) não diferiu de 
forma significativa dos adolescentes saudáveis e do grupo com 
participantes depressivos. Quando o grupo com adolescentes que 
praticaram autoagressão foi subdividido, os adolescentes com 
episódios atuais demonstraram desempenho inferior na tarefa de 
tomada de decisão
Masunami et 
al. (2009)
1 A a) 14 crianças (92,8% do sexo masculino; média etária = 11,5 
+/- 2,2 anos) diagnosticados com TDAH; b) 11 crianças controles 
(54,5% do sexo masculino; média etária = 11,7 e +/- 1,7 ano)
As crianças com TDAH não demonstram diferenças nas medidas 
de condutância na pele nem ao receberem prêmios ou punições 
quanto comparadas às crianças controles
Gao et al. 
(2009)
9 Experimento 1: a) 30 crianças de 3 anos de idade (54% do sexo 
masculino); b) 30 crianças de 4 anos (54% do sexo feminino)
Experimento 2: a) 60 crianças de 3 anos (50% do sexo masculino); 
b) 61 crianças de 4 anos de idade (52% do sexo feminino); c) 60 
crianças de 5 anos de idade (52% do sexo feminino)
O desempenho das crianças de 4 anos foi melhor que o das 
crianças de 3 anos. O desempenho das crianças de 5 anos não foi 
superior ao das de 4 anos. Modestas diferenças nas contingências 
de ganho/perda entre o baralho vantajoso e o desvantajoso não 
influenciaram qualitativamente o padrão de desempenho das 
crianças
Xiao et al. 
(2009)
1 A 181 participantes de 4 escolas diferentes: a) escola de ensino 
normal e de alto nível socioeconômico; b) escola de ensino normal 
e de baixo/médio nível socioeconômico; c) escola de ensino 
técnico-profissionalizante e de nível socioeconômico médio; 
d) escola de ensino técnico-profissionalizante e de baixo nível 
socioeconômico
Os adolescentes que consumiam quantidade excessiva de 
álcool tiveram desempenho inferior na IGT, em comparação aos 
adolescentes que nunca haviam bebido ou que haviam bebido 
ocasionalmente. A tarefa de tomada de decisão foi capaz de 
predizer a quantidade de bebida e os problemas relacionados 
ao álcool, independentemente de comportamentos anteriores 
relacionados à bebida, da capacidade de memória de trabalho e da 
impulsividade
Gao et al. 
(2009)
1 A 298 crianças (149 pares de gêmeos, 54% do sexo feminino); os 
dados socioeconômicos foram obtidos dos responsáveis quando 
as crianças tinham entre 9 e 10 anos (média etária = 11,9 +/-
0,69 anos), enquanto as tarefas neurocognitivas e as medidas 
relacionadas às tendências psicopatas foram coletadas 2,3 anos 
depois (média etária = 11,9 +/- 0,69 anos)
Os resultados mostraram que a tomada de decisão arriscada é 
associada com tendências relacionadas à psicopatia somente nas 
crianças oriundas de famílias de alto padrão socioeconômico. Os 
meninos apresentaram maior tendência a apresentarem sintomas 
relacionados à psicopatia que as meninas
Heilman et al. 
(2009)
3 a) 15 meninas de 3 anos de idade (média = 39,6 +/-0,8); b) 17 
meninos de 3 anos com idade entre 36 e 47 meses (média = 41,11 
+/-0,65); c) 15 meninas de 4 anos de idade (média = 52,66 +/-0,65); 
d) 15 meninos de 4 anos com idade entre 49 e 57 meses (média = 
53,06 +/-0,65)
Na tarefa de tomada de decisão, o desempenho das crianças 
de 4 anos foi melhor que o das crianças de 3 anos. A diferença 
no desempenho de crianças de faixas etárias diferentes foi 
independente de mudanças no desenvolvimento do raciocínio 
indutivo, linguagem e memória de trabalho. A influência do sexo 
na tomada de decisão é aparente somente nas crianças de 3 
anos. Há correlação