2a. Aula Gabaritando

2a. Aula Gabaritando


DisciplinaDireito Penal I79.493 materiais1.338.987 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Professora Luciana Rodrigues Madeira
Direito Penal
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
X. A Lei Penal no Tempo e no espaço
Tempo do crime: ART.4 do CP TEORIA DA ATIVIDADE Considera-se praticado o crime no momento da ação ou omissão, ainda que outro seja o momento do resultado. 
Lugar do crime: ART.6 do CP TEORIA DA UBIQUIDADE Considera-se praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação ou omissão, no todo ou em parte, bem como onde se produziu ou deveria produzir-se o resultado.  
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
XI. CONFLITO DE LEIS PENAIS NO TEMPO \u201cNOVATIO LEGIS E ABOLITIO CRIMINIS\u201d
1ª) uma lei nova incrimina fato anteriormente licíto. É a chamada de novatio legis incriminadora . Ela só tem eficácia nos fatos cometidos a partir de sua vigência. Ex: exerxer a prostituição não é crime. Mas, hoje, se entrasse uma lei em vigor que tipificasse como crime. O que as prostitutas fizaram até hoje, não seria crime, porém o que fizessem a partir de hoje, seria objeto de punição.
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
2ª) uma lei nova que seixa de considerar crime determinado fato. É a lei chamada de abolitio criminis. Ela tem ampla retroatividade, em função do art.2º do CP. Ex: entrou em vigor, hoje uma lei que deixa de considerar crime a sedução. Quem está preso por sedução, é imediatamente solto. Se ele praticar um novo crime, ele não é reincidente. Mas os efeitos civis permanecem. A vítima pode pegar a sentença penal condenatória e executar no cível.
XI. CONFLITO DE LEIS PENAIS NO TEMPO \u201cNOVATIO LEGIS E ABOLITIO CRIMINIS\u201d
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
3ª) é a lei nova que embora mantendo a incriminação, favorece o agente de qualquer forma. É a chamada novatio legis im mellius ou lex mitior. Ela também tem ampla retroatividade. Ex: uma lei que traz uma atenuante, que diminui o prazo prescricional.
 
4ª) a lei nova que mantendo a incriminação, agrava a situação do réu. É a novatio legis in pejus ou lex gravior. Esta lei, jamais pode teroagir. Ex: uma lei que aumente a pena.
XI. CONFLITO DE LEIS PENAIS NO TEMPO \u201cNOVATIO LEGIS E ABOLITIO CRIMINIS\u201d
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
XII. Leis Temporárias e lei excepcional
No art. 3º, a lei trata da lei excepcional ou temporária. A lei temporária é aquela lei que foi feita para durar durante um período exato. Ex: \u201cEsta lei vigorará por 90 dias\u201d. E a lei excepcional é aquela lei que foi feita para vigorar até que cessem as circunstâncias que a determinaram. Ex: \u201cEssa lei vigorará durante o período de guerra\u201d.
Em matéria de lei temporária ou excepcional a regra é da ultratividade(\u201cEFEITO FENIX\u201d). Isto é, não se aplica a retroatividade. 
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
LEI TEMPORÁRIA: 
Dies a quo(DIA DE COMEÇO) - Dies ad quem (DIA DE TERMINO)
 
LEI EXCEPCIONAL: 
Não tem fixação de dia de começo e dia de término mas é condicionada a um evento.
 
XII. Leis Temporárias e lei excepcional
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
XIII. TERRITORIALIDADE E
EXTRATERRITORIALIDADE
ARTIGO 5 DO CP + ARTIGO 7 DO CP
1. Princípio da territorialidade (art. 5.°, caput, CP);           
2. Princípio real, da defesa ou da proteção interesses (art. 7.°, I, CP);
3. Princípio da nacionalidade ou da personalidade (art. 7.°, II, b, CP).
4. Princípio da universalidade ou da justiça mundial (art.7.°, II, a, CP);
5. Princípio da representação, da bandeira ou do pavilhão (art. 7º, II, c, CP).
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
Obs.: Âmbito espacial sujeito ao poder soberano estatal. Pode ser: (efetivo ou real: superfície terrestre, águas territoriais e espaço aéreo correspondente)
6. por extensão ou flutuante: embarcações e aeronaves (ficção jurídica - art. 5.°, § l.°, do CP). 
7. extraterritorialidade incondicionada: aplica-se a lei brasileira sem qualquer condicionante (art. 7.°, I, a, b, c e d, e § 1.° do CP);
extraterritorialidade condicionada: aplica-se a lei
brasileira satisfeitos certos requisitos (art. 7.°, II, a,
B e c e § 3.°, do CP). 
XIII. TERRITORIALIDADE E
EXTRATERRITORIALIDADE
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
XIV. TEORIA DO DELITO INFRAÇAO PENAL: CRIME E CONTRAVENÇÃO 
Infração penal:espécies; critérios bipartido e tripartido
O sistema jurídico penal não se apresenta de forma uníssona. Quando, a expressão \u201cinfração penal\u201d é mencionada, existem alguns, que afirmam que a mesma expressão compreende três elementos, ou seja, os crimes, os delitos e as contravenções, realizando uma divisão tripartida da expressão em tela. Outros, acreditam que a infração penal é o gênero, do qual, o crime e a contravenção são espécies.
Assim, alguns países, como a França, adotaram o critério tripartido, enquanto o Brasil adotou o critério bipartido para a infração penal, ou seja No Brasil temos o CRIME E A CONTRAVENÇÃO.
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
Crime ou Delito: Infração mais grave. Conduta humana ilícita (elemento formal) que contrasta com os valores e interesses da conduta social (elemento material), decorrente de uma ação ou omissão, definida em lei, necessária e suficiente para que ocorrendo faça nascer o \u201cjus puniendi\u201d do Estado. Os infratores sujeitam-se as penas de detenção e reclusão. O crime não tem definição legal.
Contravenção: Infração menos grave por definição do legislador; são punidas apenas com multa ou prisão simples e estão arroladas na Lei de Contravenções Penais 
XIV. TEORIA DO DELITO INFRAÇAO PENAL: CRIME E CONTRAVENÇÃO 
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
CRIME: (CP e leis especiais)
1)art.1 da Lei de introdução ao CP (reclusão/ detenção /multa); 2) dolo/culpa; 3) admite tentativa; 4) denuncia/ queixa; 5) ação penal publica (incondicionada/ condicionada) / ação penal privada(exclusiva, personalíssima e subsidiaria )
CONTRAVENÇÃO( dec-lei 3688/41= LCP)
1)art.1 da Lei de introdução ao CP (prisão simples/ multa); 2)voluntariedade; 3)NÃO admite tentativa; 4)denuncia; 5)ação penal pública (incondicionada/ condicionada) 
XIV. TEORIA DO DELITO INFRAÇAO PENAL: CRIME E CONTRAVENÇÃO 
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
XV. OBJETO JURIDICO x OBJETO MATERIAL
Objeto Jurídico : é o bem ou interesse tutelado pelo legislador 
EX: no art.121( vida) e art. 155(patrimônio) 
objeto material: é aquele sobre o qual recai a proteção
EX: art.121(corpo humano com vida) e art.155(carteira, celular, moto, cordão...dependerá da resfurtiva, ou seja coisa subtraída) 
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
XVI. SUJEITOS DO CRIME
Sujeito Ativo do crime: é quem pratica o fato descrito na norma penal incriminadora; só o homem possui a capacidade para delinqüir.
Sujeito Passivo do crime: é aquele que recebe a ofensa do bem tutelado.
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
XVII.CLASSIFICAÇAO DAS INFRACOES PENAIS (CLASSIFICACAO DE CRIMES)
TIPOS DE CRIMES
Crimes Comuns, Crimes Próprios, Crimes de atuação pessoal, Crimes de dano, Crimes de perigo, Crimes materiais, Crimes Formais, Crimes de mera conduta, Crimes comissivos, Crimes omissivos, Crimes instantâneos, Crimes permanentes, Crimes instantâneos de efeitos permanentes,Crime continuado, Crimes condicionados, Crimes incondicionados, Crimes simples, Crimes complexos,Crimes progressivos, Delito putativo, Crime de flagrantes esperado, Crime consumado, Crime Tentado, Crime exaurido, Crimes dolosos, Crimes culposos, Crimes preterdolosos, Crimes habituais, Crimes profissionais, Crimes hediondos 
*
*
DIREITO PENAL l
 AULA 2
XIII. Conceito de crime: Formal; Material e analítico
O renomado autor Fernando Capez comenta em sua obra que o crime pode ser conceituado sob os aspectos material e formal ou analítico.
Doutrinador alemão Hans Welzel: \u201cA tipicidade, a antijuridicidade e a culpabilidade são três elementos que convertem uma ação em um delito. A culpabilidade (a responsabilidade pessoal por um fato antijurídico) pressupõe a antijuridicidade do fato, do mesmo modo que a antijuridicidade, por sua vez, tem de estar concretizada em tipos legais. A tipicidade, a antijuridicidade e a culpabilidade estão relacionadas logicamente de tal modo que cada elemento posterior do delito pressupõe o anterior\u201d. 
*
*
DIREITO