EconomiaEngenhariaCustos_apostila
88 pág.

EconomiaEngenhariaCustos_apostila


DisciplinaEconomia da Engenharia174 materiais514 seguidores
Pré-visualização27 páginas
-23 
 11 528 48 -52 
 12 432 36 -96 
 
Produto Total : Número de calças jeans ao ano 
Produto Médio por trabalhador: Número de calças jeans produzidas por um trabalhador ao 
ano. 
 
 A lei dos rendimentos decrescentes: 
 \u201cSe a quantidade de apenas um recurso for aumentada de quantidades iguais, por unidade de 
tempo, enquanto a de outros recursos permanece constante, a quantidade total do produto 
aumentará, mas além de certo ponto o acréscimo resultante no produto tornar-se-á cada vez 
menor\u201d. 
 
 Combinações eficientes dos recursos / o estágio II 
 
 Estágio I: PM crescente, Q crescente 
 ==> aumenta a eficiência de utilização do recurso variável e do recurso fixo. 
 
 Estágio II: PM decrescente, Q crescente 
 ==> Diminui a eficiência de utilização do recurso variável e aumenta a do recurso fixo. 
 
 Estágio III: PM decrescente, Q decrescente 
 ==> Diminui a eficiência de utilização de ambos os recursos. 
 
 Conclusão: estágio II relevante 
 
 Introduzindo os custos dos recursos: 
 
 1) Recurso constante de graça e o variável com preço: 
 Combinação ideal (menor custo) região entre os estágios I e II 
 2) Recurso variável de graça e o constante com preço: 
 Combinação ideal entre os estágios II e III 
 3) Ambos recursos econômicos (tem preço): 
 Combinação ideal dentro do estágio II. 
 
 18 
 Suponhamos que se possam empregar três técnicas ou métodos diferentes, para obter uma 
quantidade de produto, empregando dois fatores de produção, capital e trabalho 
 
 . A técnica A emprega 2 unidades de capital e 16 de trabalho. 
 
 . A técnica B emprega 4 unidades de capital e 8 de trabalho. 
 
 . A técnica C emprega 3 unidades de capital e 17 de trabalho. 
 
 Verificamos que do ponto de vista tecnológico, as técnicas A e B são eficientes e a empresa 
ficará indecisa na escolha de uma ou outra. A técnica C emprega mais quantidades de ambos 
os fatores que a técnica A, e não será escolhida em nenhum caso. Pode-se dizer que ela é 
ineficiente. Porém, o critério de eficiência técnica não nos permite escolher entre A e B. Para 
poder fazer a opção, necessitamos da informação relativa aos preços de todos os fatores. 
 
 Um método de produção é tecnicamente eficiente se a produção obtida é a máxima 
possível com as quantidades de fatores especificadas. 
 
 Eficiência técnica 
 Preços iniciais: . Preço do capital = R$500,00 ao dia 
 . Preço do trabalho = R$100,00 ao dia 
 
 Eficiência econômica: 
 Efeitos de um aumento de salário: . Preço do capital = R$500,00 ao dia 
 . Preço do trabalho = R$200,00 ao dia 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 19 
5 - NOÇÃO DE CUSTOS 
 
 
5.1- CONCEITUAÇÃO GERAL 
 
Custo por definição, é a remuneração dos recursos (ou Fatores de Produção). Para remunerar um 
recurso (fator) é necessário considerar o seu preço e a sua produtividade. 
 Sejam: X,Y,Z ........... Recursos 
 x,y,z .......... Quantidades dos recursos 
 Px, Py, Pz ..... Preços unitários dos recursos 
 
 CT = xPx + yPy + zPz + ..... 
 
 CT = Custo Total 
 
Há uma distinção fundamental entre as grandezas econômicas Preço e Custo. O Custo 
resulta não somente do preço de um recurso, mas também da sua produtividade. Muitas vezes se 
usa dizer que o custo de um operário é R$x,xx/hora, quando na realidade o valor referido é o 
preço, ou seja, o seu salário. Para determinar o Custo de utilização de seu trabalho é preciso 
considerar a variável tecnológica representada por sua produtividade, chegando-se então ao custo 
de R$y,yy/unidade produzida. 
O custo da utilização de um recurso deve-se referir a unidade do produto resultante, e compõe-se 
de duas variáveis, sendo uma econômica-preço, e outra tecnológica-sua produtividade. 
Resulta portanto que o Custo Total depende do nível de atividade que se está considerando e, em 
conseqüência, do tempo. 
 
 CT = f(Q), onde CT = Custo Total e Q = Nível do produto. 
 
Conhecer os custos de suas atividades é condição básica para \u201ctocar\u201d qualquer empresa, seja ela 
comercial, industrial etc., independentemente de seu porte \u2013 pequeno, médio ou grande \u2013 
principalmente nos dias atuais, em um ambiente que se altera constantemente. 
Atualmente, em um mercado altamente competitivo, o conhecimento e a arte de bem administrar 
são fatores determinantes do sucesso de uma empresa. Portanto, não se pode relegar a um plano 
secundário os cálculos de custos, pois eles serão ferramentas auxiliares da boa administração. 
Cada empresa possui peculiaridades que lhe são singulares. Assim, o custo, para ser útil, deve 
refletir a empresa e servir de base para atender às necessidades para as quais foi calculado. 
 
Uma empresa apura seus custos para: 
a) atendimento de exigências legais quanto à apuração de resultados de suas atividades e 
avaliação de estoques; e 
b) conhecimento dos seus custos para a tomada correta de decisões e o exercício de controles. 
 
Para atender às exigências legais, a empresa precisa adequar seus métodos de apuração de custos 
aos princípios contábeis em conformidade com normas e legislações vigentes. 
Para a tomada de decisões, podem ser empregados métodos de apuração derivados daquele 
anterior, capaz de fornecer as informações que atendam às necessidades gerenciais da empresa. 
 
As principais demonstrações financeiras são o Balanço, a DRE (Demonstração de Resultado do 
Exercício) e o Fluxo de Caixa, sendo obrigatório a publicação do Balanço e da DRE. 
 
 20 
As demonstrações financeiras são, em geral, elaboradas porque: 
1- O governo, cobrará os devidos impostos com base nos resultados apurados; 
2- A administração da empresa precisa acompanhar a evolução dos negócios; 
3- Os proprietários (acionistas) querem avaliar a performance dos administradores; 
4- Os credores querem avaliar a capacidade da empresa e expectativas de geração de resultados 
futuros; 
5- Prováveis investidores querem saber a valor da empresa e expectativas de geração de 
resultados futuros. 
 
 
5.2- O SIGNIFICADO DE CUSTOS E DESPESAS 
 
Um indústria incorre diariamente em uma série de gastos para realizar suas atividades 
administrativas, de vendas e fabris, tais como compras de matérias-primas para seus produtos, 
compras de materiais de escritório, pagamentos de taxas e impostos, manutenções, folha de 
pagamentos etc. 
No entanto, nem sempre esses gastos são considerados Custos. 
Para entender essa situação, observamos a estrutura de uma DRE (Demonstração de Resultados 
do Exercício): 
 Receitas de Vendas ............................................................$xxx.xxx,xx 
 ( - ) Custo dos Produtos Vendidos .....................................$xxx.xxx,xx 
 ( = ) Lucro Bruto ................................................................$xxx.xxx,xx 
 ( - ) Despesas Administrativas e de Vendas .......................$xxx.xxx,xx 
 ( = ) Lucro Operacional ......................................................$xxx.xxx,xx 
 
Observa-se que Custos e Despesas são demonstrados separadamente. Há a dedução do Custo dos 
Produtos Vendidos das Receitas de Vendas e a dedução das Despesas do Lucro Bruto. 
Assim, entre os gastos de uma empresa, vamos encontrar os Custos e as Despesas. 
Os Custos correspondem