Relatorio I do pacotão exp.1
6 pág.

Relatorio I do pacotão exp.1


DisciplinaQuímica Geral Experimental1.207 materiais16.397 seguidores
Pré-visualização1 página
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
PRIMEIRO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA \u2014 QUI204
Segundo semestre de 2010 \u2013 Turma U7B (1009) Farmácia / Noturno 
COMPONENTES / MATRÍCULA:
Robson Soares Ferreira 2010026076
Vivian Thaise da Silveira Anicio 2010026220
Taynná Bruna de Morais Ferreira 2010026165
PROFESSOR:
Aluir 
Introdução às técnicas de laboratório
Introdução:
Garantir qualidade, precisão e exatidão em experimentos realizados em laboratórios é extremamente importante. E, para isso, é necessário calcular os desvios que podem ocorrer nas medidas efetuadas; estas podem ser de temperatura, de peso, pressão ou volumétricas. Em toda medida realizada pode ocorrer incertezas, pois nem todo resultado obtido é compatível com o valor de referência.
Para calcular o desvio relativo de cada instrumento usado em laboratório, basta observar a menor medida que o material pode fornecer e dividí-la por 2. Assim que calculado, o instrumento que apresentar menor desvio é o mais adequado; desde que estes instrumentos possuam a mesma finalidade, ex.: medir volume com uma pipeta ou com uma proveta.
Quando se realiza mais de uma medida em um mesmo equipamento, para sabermos o valor do desvio é necessário usar a fórmula:
Onde:
s = desvio padrão
x' = valores observados
x = valor médio das medidas observadas
n = número de medidas repetidas da mesma grandeza física
Deste modo, é possível realizar experimentos escolhendo os equipamentos adequados, não descalibrados e estando cientes da margem de erro, como fizemos no desenvolvimento a seguir.
Objetivo:
Apresentar ao aluno os equipamentos e vidraria de uso corrente em trabalhos práticos, bem como a maneira correta de empregá-los. Mostrar ao aluno como se deve fazer a leitura de medidas determinadas no laboratório e como expressá-las cientificamente. 
Materiais:
Balança de precisão, bico de bunsen, balão volumétrico de 25mL e de 250mL, bureta de 50mL,proveta de 10mL, 50mL e de 100mL,béquer de 50mL e de 250mL,pipeta volumétrica de 10mL,pipeta graduada de 10mL, pinça metálica, termômetro de 0 a 100°C, tela de amianto, tripé, suporte universal com garra, tubos de ensaio, cacos de porcelana.
Reagentes:
Água destilada, líquido desconhecido \u201cX\u201d, etanol.
Procedimentos:
Ocorreu-se em três partes.
1ª) Medida da temperatura de ebulição da água:
Montou-se um sistema com suporte universal, garra, tripé, bico de bunsen e termômetro de forma que o último permanecesse preso a garra e seu bulbo em contato com líquido no béquer de 250mL. Colocou-se 100mL de água destilada no béquer e adicionou-se cacos de porcelana. Ascendeu-se o bico de bunsen controlando-o no sentido de obter a chama apropriada para o aquecimento e medida de temperatura.
2ª) Cálculo de desvio padrão de uma serie de medidas:
Encheu-se, com água, uma bureta de 50mL com desvio padrão de ± 0,5 mL em seguida zerou-a. Em seguida encheu-se de água ,em triplicata, tubos de ensaio lendo-se na bureta os respectivos volumes de: 17,3mL ; 17,3mL e 17;5mL . Calculou-se o desvio padrão das medidas.
3º) Determinação da densidade de um líquido:
Numerou-se dois béqueres de 50mL e em seguida pesou-os verificando-se as respectivas massas de 33,49g e 48,03 g .
Com auxilio de uma pipeta graduada, de 10mL e desvio padrão de ± 0,5 mL , mediu-se 10mL do líquido desconhecido \u201cX \u201ce adicionou-se ao béquer 1. Para determinar a massa dessa amostra pesou-se o béquer, com líquido, achando-se o valor de 40,55g. 
Repetiu-se o mesmo procedimento para béquer 2 porém o volume de 10mL do líquido \u201cX\u201d foi medido no próprio béquer achando-se então o peso de 54,86g .
Resultados e Discussão:
No primeiro procedimento notou-se que a temperatura de ebulição da água foi de 97,0 ±0,5°C. Durante o aquecimento verificou-se o desprendimento de pequenas bolhas do fundo do béquer juntamente com pequenos saltos dos cacos de porcelana, que tem a finalidade de ajudar na homogeneização de calor em toda extensão ocupada pelo líquido.
Quanto o segundo procedimento determinou-se o cálculo de desvio padrão para as amostras, em triplicata, de águas colhidas da bureta. Somaram-se respectivamente as medidas encontradas e dividiu-as por 3, assim:
 17,3mL+17,3mL+17,5mL=52,1mL / 3 
Efetuando-se essa operação encontra-se uma média de 17,36mL a qual se arredonda para 17,37mL.
Em relação ao terceiro procedimento percebeu-se o aumento de massa, nos béqueres 1 e 2 . Para averiguar o valor desse aumento subtraiu-se o peso final do béquer (PFb) pelo peso inicial do béquer 1(PIb), assim:
(PFb) 54,86g \u2013 (PIb) 48,03g = 6,83g 
O valor encontrado corresponde-se a massa em 10mL de líquido \u201cx\u201d, medida na pipeta graduada .
 Realizou-se o mesmo processo de cálculo para béquer 2, veja:
(PFb) 40,55g \u2013 (PIb) 33,49g = 7,06g
O valor encontrado corresponde a massa em 10mL de liquido \u201cx\u201d medido diretamente no béquer.
Observa-se uma discrepância nos valores de massa em 10mL encontrados.
Determinou-se a densidade do líquido calculando-se segundo a fórmula:
	 D = m/V
 
Respectivamente para as massas encontradas aplica-se:
D\u2081 = 6,83g / 10,0mL D\u2081 = 0,683gmL\u2c9¹
D\u2082 = 7,06g /10,0mL D\u2082= 0,706 gmL\u2c9¹
 Comparou-se os valores de densidade encontrados com os da tabela abaixo apresentada na apostila de aulas práticas, vide tabela:
	Substância 
	Temperatura de fusão (°C)
	Temperatura de ebulição (°C)
	Solubilidade em água
	Densidade 
( g mL\u2c9¹ )
	Acetona
	-95
	56
	Solúvel
	0,79
	Benzeno
	5,5
	80
	Insolúvel
	0,88
	Etanol
	-112
	78
	Solúvel
	0,79
	Água
	0
	100
	--------
	1,00
	Ciclohexano
	6,5
	80,7
	Insolúvel
	0,78
	Éter dietílico
	-116
	34,5
	Insolúvel
	0,71
Tabela 1.1 Propriedades físicas de algumas substâncias.
Desconfia-se, pelo teste de solubilidade positivo em água e pelos valores de densidades calculados, apresentados e comparados acima, que o líquido em questão seja o etanol, porem verifica-se a percentagem de erros nos cálculos de 11,3%. 
Erro em Percentagem: ( D. etanol \u2013 D. béquer / D. etanol ) x 100 = 0,79 \u2013 0,70 / 0,79
0,09/ 0,79 x 100 = 0,113 x 100 = 11,3%
Conclusão:
Concluiu-se que a água eboliu a 97,0°C devido à menor pressão de vapor sobre o sistema em relação ao nível do mar. 
A média de desvio padrão encontrada nas amostras de água foi alta o que se inferir um erro de leitura e operação da bureta. 
Concluiu-se que o béquer não é um instrumento de medida exata e precisa devido seu maior desvio padrão e que a pipeta graduada é um instrumento exato e preciso por possuir menor desvio padrão. A medida feita diretamente no béquer pode ter influenciado nos cálculos de densidade levando a percentagem alta de erro.
Infere-se que o líquido em questão é o etanol devido os valores das densidades encontradas margearem os valores de referência e a solubilidade em água. 
Referências Bibliográficas:
1. Giesbrecht,E.; \u201c Experiências de química , Técnicas e Conceitos Básicos \u2013 PEQ \u2013 Projetos de Ensino de Química\u201d; Ed. Moderna \u2013 Universidade de São Paulo, SP (1979).
2. Russell, J.B. ; \u201c Química Geral \u201d, 2ª Edição, Makron Books Editora Ltda., São Paulo (1994).
3. Trindade, D.F., Oliveira, F.P., Banuth, G.S. & Bispo,J.G.; \u201cQuímica Básica Experimental\u201d; Ed. Parma Ltda., São Paulo (1981). 
4. Apostila de Aulas Práticas de Química Geral; Universidade Federal de Minas Gerais, MG (2 semestre 2010).