A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Lixo, reciclagem e sustentabilidade

Pré-visualização | Página 1 de 3

Lixo 
O conceito de lixo está ligado a um produto 
que foi descartado e que não tem valor 
nenhum. A ideia é que o lixo seja descartado 
e de preferência não tenhamos mais 
contatos com ele. Portanto, as causas do lixo 
são puramente uma ação humana de 
descarte de um produto. Se você observar 
bem, na natureza o ser humano é o único 
animal que produz lixo. 
O lixo que pode ser reaproveitado de 
alguma forma, passa a se chamar resíduo 
sólido. O que não pode ser aproveitado se 
chama então de rejeito. 
O setor de lixo no Brasil é regulamentado 
pela Política Nacional de Resíduos Sólidos, 
que define esses conceitos. Para elaborar 
essa lei foi feito um trabalho sobre o lixo de 
mais de 21 anos até ser aprovada. A Lei 
12.305/2010 instituiu a Política Nacional de 
Resíduos Sólidos e foi um marco no setor. 
Como as consequências do lixo são graves 
para as sociedades, todos os países devem 
ter sua regulamentação do setor. A 
DIRECTIVA 2008/98/CE do parlamento 
europeu define regras para todos os 28 
países da União Europeia. 
Tipos de lixo 
Os tipos de lixo incluem todo material 
descartado que possui um destino 
apropriado. 
Visto o aumento dos problemas ambientais 
como o acúmulo de lixo, a contaminação do 
solo, das águas, do ar, existe diferenciações 
no tipo de material a ser descartado. 
Isso para que eles recebam um tratamento 
correto, por exemplo, os lixos: doméstico, 
público, orgânico, hospitalar, industrial, 
eletrônico, radioativo, espacial, dentre 
outros. 
Quando pensamos nos tipos de materiais 
descartados, a coleta seletiva é a melhor 
alternativa. Para tanto, os contentores são 
divididos por cores, os quais indicam o tipo 
de lixo a ser depositado: 
Azul: aos papéis e papelões; 
Verde: aos vidros; 
Vermelho: para os plásticos; 
Amarelo: para os metais; 
Marrom: para os resíduos orgânicos; 
Preto: para madeiras; 
Cinza: para materiais não reciclados; 
Branco: destinado aos lixos hospitalares; 
Laranja: para resíduos perigosos; 
Roxo: para resíduos radioativos. 
Esse processo de separação tem sido uma 
das mais importantes alternativas para 
diminuir a poluição e ainda permitir a 
reciclagem de diversos tipos de materiais: 
plástico, vidro, papel, dentre outros. 
Lembre-se que a reciclagem é uma forma 
sustentável de reaproveitamento de 
materiais usados que são transformados em 
novos. Assim, ela tem possibilitado a 
diminuição do acúmulo de lixo de diversas 
naturezas. 
Lixo Doméstico 
Esse tipo de lixo, também chamado de 
residencial ou domiciliar, é todo tipo de 
material gerado pelos moradores das 
residências. Podemos incluir os materiais 
orgânicos (restos de alimentos, madeira, 
dejetos humanos), as embalagens, os vidros, 
os papéis, dentre outros. 
Importante ressaltar que muitas vezes, os 
remédios descartados com prazo de 
validade vencido são considerados “lixo 
hospitalar”. Isso porque eles podem 
contaminar os lençóis freáticos 
representando um risco grande para o meio 
ambiente. 
Lixo Comercial 
Composto essencialmente de embalagens 
de plásticos, papelões, papéis e restos de 
alimentos, esse tipo de lixo é produzido pelo 
terceiro setor (comércio e serviços). São 
eles: lojas, bancos, escritórios, restaurantes, 
dentre outros. 
Da mesma forma, o chamado “lixo público” 
é composto de papéis, plásticos, folhas, 
galhos, móveis, terra, entulhos, dentre 
outros. 
Lixo Orgânico 
O lixo orgânico é proveniente de matéria 
viva, ou seja, possui origem biológica, por 
exemplo, restos de alimentos, folhas, caule, 
sementes, papéis usados, dejetos humanos, 
dentre outros. Eles são depositados em 
locais apropriados denominados aterros 
sanitários. 
Embora muitas pessoas não saibam, o lixo 
orgânico pode ser reciclado. A partir desse 
processo, podem ser transformados em 
rações para animais e ainda, com o 
aproveitamento dos gases emitidos 
(metano) ele serve para a produção de um 
combustível menos poluente, o biogás. 
A biomassa inclui resíduos de origem 
animal e vegetal, os quais são utilizados na 
produção de energia. 
Lixo Hospitalar 
Descartado por hospitais, clínicas de saúde, 
laboratórios, farmácias, consultórios 
odontológicos e veterinários, o lixo 
hospitalar inclui materiais como seringas, 
gases, fraldas, luvas, agulhas, embalagens, 
dentre outros. 
Eles são altamente nocivos aos seres 
humano por estarem contaminados com 
vírus, fungos e bactérias, e, por isso, são 
incinerados. 
Lixo Industrial 
Gerado pelo setor secundário, ou seja, as 
indústrias, esse tipo de lixo é caracterizado 
por resíduos como gases, produtos 
químicos, óleos, cinzas, metais, vidros, 
plásticos, tecidos, papéis, borracha, 
madeira, dependendo da atividade de cada 
Indústria. 
Normalmente, os materiais descartados da 
construção civil são encaixados nessa 
categoria. Chamado de “lixo especial” (lixo 
tóxico), eles incluem resíduos da construção 
civil, pilhas e agrotóxicos. 
Segundo o “Departamento de Resíduos 
Sólidos do Ministério do Meio Ambiente”, 
o Brasil recicla somente 13% dos resíduos 
industriais. 
Lixo Eletrônico 
O lixo eletrônico (e-lixo) é composto pelo 
descarte dos aparelhos elétricos e 
eletrônicos como rádios, computadores, 
televisores, celulares, fios, baterias, 
carregadores, dentre outros. Altamente 
poluente, esse tipo de lixo pode conter 
cobre, alumínio e metais pesados como o 
mercúrio e o chumbo. 
Pesquisas apontam que com o aumento da 
globalização e do consumo, as pessoas 
tendem a trocar constantemente de 
aparelhos eletrônicos, por exemplo, 
celulares e computadores. Isso gera 50 
milhões de toneladas de lixo eletrônico 
produzidas por ano no mundo, sendo que 10 
milhões são reciclados na China. 
Cerca de 80% de todo o lixo eletrônico 
produzido pelos países desenvolvidos é 
transportado para os países pobres. Nos 
Estados Unidos, cerca de 300 milhões de 
aparelhos eletrônicos são descartados 
anualmente: seis em cada dez deles ainda 
em condições de funcionamento. 
Lixo Radioativo 
Também chamado de lixo nuclear, esse tipo 
de lixo é altamente tóxico por conter urânio 
(e outros metais pesados). Ele é produzido 
por atividades que envolvam elementos 
radioativos como indústrias nucleares, 
serviços de saúde, dentre outros. 
A poluição nuclear, gerada por esse tipo de 
resíduos, pode causar muitos problemas 
para o ambiente e nos seres humanos. 
Destacam-se o desenvolvimento de 
doenças, como o câncer, mutações 
genéticas e, nos piores casos, a morte. 
Lixo Espacial 
O lixo espacial é gerado pelos materiais 
lançados no espaço como robôs, foguetes, 
satélites artificiais. A poluição espacial tem 
sido um dos grandes problemas da 
modernidade e que apresenta riscos pois 
eles podem cair na atmosfera. 
Segundo a Agência Espacial Europeia 
existem aproximadamente 170 milhões de 
pedaços de peças, ferramentas, restos de 
tinta e equipamentos espaciais orbitando o 
planeta Terra. 
Coleta de lixo 
Existem basicamente duas formas de coleta 
de lixo. Na primeira, mais comum em países 
menos desenvolvidos, o lixo é coletado de 
forma misturada. Assim, todos os tipos de 
lixo são misturados em um veículo coletor 
de lixo. Todo o lixo é então encaminhado 
para um aterro sanitário ou pior ainda, um 
lixão à céu aberto. 
Na coleta mista que destina para um aterro 
sanitário, nenhum material é reaproveitado 
em todo o ciclo. Quando a coleta mista 
destina para um lixão, surgem os catadores 
de material reciclável ou reutilizável. Estes 
buscam no lixo, algum material de valor 
para que possam vender. 
A outra forma de coleta é aquele em que o 
lixo é separado na fonte geradora. O gerador 
de resíduos sólidos tem um papel 
importantíssimo em toda indústria de 
resíduos sólidos. 
Por que é importante separar o lixo? 
Para que possa ser reaproveitado, o lixo 
precisa ser separado. Assim, os materiais 
podem ser reconhecidos e reutilizados por 
exemplo na indústria. Existem inúmeros 
tipos de lixo, ou melhor dizendo, tipos de 
resíduos sólidos. Para cada tipo existe um 
processo de reaproveitamento diferente. Da 
mesma

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.