ok cir de grandes 18.04.12
9 pág.

ok cir de grandes 18.04.12


DisciplinaPatologia Cirúrgica de Grandes Vertebrados18 materiais148 seguidores
Pré-visualização4 páginas
que estão com síndrome do abdômen agudo equino, eles estão desidratados porque eles perdem líquido para o lúmen intestinal. A distensão luminal e o edema intestinal na maioria das vezes ocorrem juntos. 
Tenho o lúmen intestinal distendido com ar, líquido, ingesta e gás, essa distensão vai obliterar seja parcialmente ou totalmente a drenagem venosa, com isso aumenta a pressão hidrostática capilar que vai fazer com que haja saída de líquido para o interstício. A pressão hidrostática intersticial também aumenta já que vem mais líquido do vaso para o interstício. Com isso distendido, a mucosa diz pra serosa (que tem alguma coisa errada, que o interstício está distendido), e ai a serosa joga líquido que está acumulado do interstício para dentro do lúmen intestinal. Quando o organismo faz esse processo, persiste o mesmo processo, e ai vai ficar cada vez mais distendido e cada vez com maior distensão luminal e a pressão hidrostática permanece alta, permanece saindo líquido do vaso para o interstício, edema intestinal, e o edema intestinal joga o líquido para dentro do lúmen e ai temos um animal desidratado com rompimento do equilíbrio que deveria existir. Cabe ao clínico fazer com que esse animal esteja estabilizado para ser submetido a um tratamento cirúrgico. Ou se ele julga que não precisa de tratamento cirúrgico, ele precisa agir adequadamente. 
Como a impactação de cólon é uma enfermidade comum de ocorrer nos equinos e que leva a síndrome de abdômen agudo. Até 72 horas no máximo podemos tentar tratar clinicamente. Após 72 horas, este cavalo, clínico ou cirúrgico, tem grandes chances de vir a óbito. As vezes uma leve melhora não significa uma melhora real. Para vc dizer que o estado clínico do paciente está melhor, essa melhora tem que ser estável, vários parâmetros precisam ser observados, avaliados para ver se realmente está tendo melhora ou não. O clínico tem papel importante e o cirurgião também porque ele precisa saber se esse animal que ele vai por na mesa vai ter sucesso ou não vai ter sucesso, se tem condições ou não para cirurgia.
Isquemia
A isquemia vai ocorrer por um processo obstrutivo estrangulante, ou melhor dizendo, um infarto que pode ser estrangulante ou não estrangulante. 
O infarto não estrangulante seria o tromboembolismo causado por infestação de Strongylus vulgares que ocorre na artéria mesentérica. Isto ocorria há algumas décadas atrás, depois que houve um programa de controle parasitário, basicamente não ocorre mais esta enfermidade, porque a síndrome do abdômen agudo equino é uma síndrome que é causada por diversas enfermidades do TGI. O tromboembolismo por Strongylus vulgares é uma delas, ela representa apenas a 2,8% dos casos de enfermidades do TGI, então é muito pequena.
As enfermidades que provocam infarto estrangulante são: vólvulos, intussuscepções, hérnias encarceradas, torções.
(vólvulo é quando vc tem um giro no eixo do mesentério. A torção é quando vc tem a torção no eixo da alça, só que existe uma linha na gastroenterologia equina que descreve vólvulo e torção da mesma forma, até porque temos parte de mesentério também envolvida, temos uma parte do mesocólon que tem bastante torção e deslocamento porque vc tem uma pequena parte presa pelo mesocólon e o cólon enorme e isso faz com que tenha um ponto fixo e o ponto que está solto roda pra um lado ou pro outro, e também é considerado mesentério, por isso que os pesquisadores não se preocupam mais em definir vólvulo e torção, eles acham que isso não vai interferir em nada, mas na literatura agente ainda encontra conceito de vólvulo e conceito de torção).
Porque que vamos estudar isquemia intestinal? O que provoca isquemia? O que provoca a isquemia é uma diminuição ou do aporte circulatório arterial, ou venoso ou ambos (arterial e venoso). 
Uma pergunta importante: será que toda lesão isquêmica é reversível? Não. O que vai fazer com que a lesão isquêmica seja reversível ou não? Se ela não for reversível o que ela vai provocar: vai provocar lesão celular que resulta da isquemia e ela pode ou não ser reversível, e isso depende do grau da isquemia. Se estamos falando, vai ter influência como: que parte do intestino que está sofrendo isquemia? O intestino delgado possui uma atividade metabólica muito mais alta do que o intestino grosso. Se vc tem processo isquêmico no intestino delgado, o tempo que vai levar até vcs terem morte celular é muito mais rápido do que intestino grosso. 
Pra vcs terem uma ideia, o intestino grosso tem uma capacidade de 25% mais longa em relação a duração de tempo do que o intestino delgado. É muito interessante como se estabelece um processo isquêmico? Vai diminuir a perfusão sanguínea, essa diminuição da perfusão sanguínea vai fazer com que haja uma menor quantidade de fluxo de sanguíneo no tecido. Então chega pouco sangue, vou ter pouco fluxo de sangue no tecido, trazendo nutrientes e retirando metabólitos. Mas o tecido intestinal dos equídeos tem, ou melhor, todos os tecidos do corpo tem essa capacidade, onde diante de uma situação com pouco nutriente ele é capaz de aumentar a captação de oxigênio até um determinado ponto.
Diante da diminuição de fluxo sg tecidual, o que as células fazem: elas aumentam a capacidade de captar o oxigênio, chega pouco sg mas elas tem capacidade maior de capturar esse O2. Só que quando esse ponto crítico onde esse aumento dessa eficiência da captação de O2 é superada, nós temos o processo isquêmico instalado. 
O processo isquêmico se estabelece porque tenho uma diminuição da pressão de perfusão, uma diminuição do fluxo sanguíneo que chega aos tecidos, só que as células se comportam primeiramente aumentando a capacidade de captar O2, quando elas alcançam o limite disso não ser mais eficiente, o processo isquêmico está instalado. Mas existe ainda algumas características que diferenciam a fisiologia do intestino delgado com intestino grosso. Existe uma maior concentração de O2 na base do que no ápice da vilosidade, por isso que quando vc tem um intestino delgado num processo isquêmico com pouco tempo de duração, nós podemos observar que as bases das vilosidades intestinais que já tem menor teor de O2, elas são lesionadas primeiro do que a base. Isso é muito importante porque existem doenças que atingem essa parte.
As criptas são responsáveis por absorção. Porque o animal mesmo depois de vc conseguir resolver essa disfunção, ele demora para ganhar peso? A capacidade absortiva dele está diminuída.
Tem mais oxigênio na base da vilosidade do intestino delgado do que no ápice, e isso faz com que vc tenha uma destruição mais rápida num processo isquêmico do intestino delgado do ápice (ou criptas) das vilosidades.
 
Estamos diante de um processo isquêmico, mas e ai, o que acontece: a isquemia vai levar a lesão celular e morte celular.
Não consegue mais captar O2, então temos uma perda da fosforilação oxidativa, então essa célula não tem mais capacidade de produção de energia (que é o ATP), então diminui muito a quantidade de ATP (adenosina trifosfato), ou vcs não tem nada de ATP, então não tem combustível. Tem a bomba de sódio-potássio ATPase, então se não tiver ATP, essa bomba não funciona.
Imaginem os portões nas células, não entra qualquer coisa e sai qualquer coisa de uma célula, existem mecanismos bioquímicos que são responsáveis por regular a entrada e quantidade de uma substancia da célula. Por isso existe a bomba de sódio e potássio porque tenho maior quantidade de sódio extracelular do que intracelular. Quando falta ATP para o bom funcionamento da bomba e potássio, o que ocorre: os portões ficam aberto, e se o portão fica aberto eu tenho um influxo de sódio (Na+) e de cálcio (Ca+2) para o meio intracelular. É isso que faz com que as células morram. 
Entrou o sódio no meio intracelular, entra a água com ele, se eu tenho uma quantidade aumentada de sódio dentro da célula, vai ocorrer um intumescimento, um aumento de volume por água desta célula, então células intumescidas vão morrer. Mas não é só isso que ocorre. O cálcio quando entra no meio intracelular