Bloqueadores neuro-musculares - resuminho despolarizantes e não despolarizantes - PRÁTICA

Bloqueadores neuro-musculares - resuminho despolarizantes e não despolarizantes - PRÁTICA


DisciplinaFarmacologia Médica522 materiais6.409 seguidores
Pré-visualização1 página
Clique para editar o estilo do título mestre
Clique para editar o estilo do subtítulo mestre
*
*
*
Bloqueadores neuro-musculares: Aula Prática
Professor: Carlos Mello
Ac. Elemar da Silva Resch
Universidade Federal de Santa Maria Curso de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia 
*
*
*
Com a chegada de um impulso na terminação nervosa motora ocorre influxo de cálcio e liberação de acetilcolina \u2192 A acetilcolina se difunde através da fenda sináptica até o receptor nicotínico localizado na placa terminal motora \u2192 A combinação de duas moléculas de acetilcolina com duas subunidades alfa do receptor desencadeiam sua abertura \u2192 O movimento de Na e K causam uma despolarização na placa motora \u2192 A acetilcolina liberada é rapidamente removida da placa terminal por difusão e destruição pela acetilcolinesterase
*
*
*
*
*
*
O bloqueio da função da placa terminal ocorre por dois mecanismos básicos:
Agentes não despolarizantes
O bloqueio farmacológico do agonista fisiológico, a acetilcolina, é característico dos agentes neuro-musculares antagonistas. Essas drogas impedem o acesso do transmissor a seu receptor e a ocorrência de despolarização.
 Efeito revertido por inibidores da AchE, por exemplo, neostigmina;
*
*
*
Ex: Atracurio, mivacurio, pancurônio, tubocurarina, vecurônio, pipecurônio, rocurônio.
*
*
*
Agentes despolarizantes
O bloqueio da transmissão ocorre através de um excesso de agonista despolarizante.
Age através de duas fases. Na fase 1 ocorre despolarização das fibras musculares, apresentando como respostas fasciculações, e na fase 2 ocorre um bloqueio despolarizante. A fase 1 é potencializada por inibidores da acetilcolinesterase, e a fase 2 é revertida.
Ex.: Succinilcolina