Tutorial de Redes Wireless
153 pág.

Tutorial de Redes Wireless


DisciplinaRedes sem Fio759 materiais26.008 seguidores
Pré-visualização36 páginas
número de dispositivos WLAN, mas se tornam um desordenado conjunto de fiação quando usados em redes WLAN maiores. 
Figura 71 \u2013 Injetor de porta única
5.5.2 \u2013 Injetores multi porta
Esses injetores são mais econômicos e convenientes para instalações maiores em que vários dispositivos WLAN precisam ser energizados através de CAT5 originando um simples conjunto de fiação. Eles operam da mesma maneira que os de porta única e se assemelham a switches ethernet. São mais apropriados para redes wireless de tamanho médio com até 50 pontos de acesso.
Diversos fabricantes oferecem injetores multi portas incluindo modelos de 4, 6 e 12 portas.
 
Figura 72 \u2013 Injetor multi porta
5.5.3 \u2013 Switches Ethernet Ativos
Para implementação de APs em larga escala é necessário um switch ethernet ativo.  Esses dispositivos incorporam a injeção de voltagem DC dentro do próprio switch, permitindo a conexão de um grande número de dispositivos POE sem necessidade de hardware adicional.
Diversos fabricantes oferecem esses switches com diferentes configurações (número de portas). Em muitos switches ativos, os clientes POE podem ser detectados na rede. Se o switch não detecta o dispositivo POE, ele desliga a voltagem DC para aquela porta. Olhando externamente para um switch ativo, não há uma nenhuma diferença para um switch comum. A única diferença é o acréscimo da funcionalidade interna de fornecer voltagem DC em cada porta.
 
Figura 73 \u2013 Um Switch Ethernet Ativo
5.5.4 \u2013 Tolerância a falhas
O propósito principal de proteção a falhas é proteger o cabo, o equipamento e a fonte de energia em situações de falha ou curto-circuito. Em situações normais uma falha nunca deve ocorrer em um cabo CAT5, porém há diversas formas de uma falha ser introduzida em um cabo CAT5, incluindo os seguintes exemplos:
» O dispositivo é compatível com POE e tem uma conexão defeituosa que causa curto-circuito nas entradas POE. Até o momento muitos dispositivos que não são compatíveis com POE não tem conexão nos pinos POE.
» Crimpagem do cabo CAT5 incorreto. Situações nos quais o isolamento em um ou mais condutores entra em contato com os demais.
Durante qualquer condição de falha, o circuito de proteção corta a voltagem DC injetada no cabo. A operação desses circuitos varia de modelo para modelo. Alguns modelos constantemente monitoram o cabo e restauram a energia quando a condição de falha é removida. Alguns modelos devem ser inicializados manualmente através do botão de reset.
Redes Wireless \u2013 Parte XV
5.6 \u2013 Acessórios WLAN
Quando chega a hora de conectar todos os dispositivos de sua WLAN, será necessário comprar os cabos e assessórios que irão maximizar a performance, reduzir a perda de sinal e permitir fazer as conexões de forma correta. Discutiremos a seguir os acessórios que normalmente fazem parte de uma WLAN bem sucedida e como eles se encaixam em um projeto. Alguns itens são obrigatórios, outros opcionais. É bem provável que seja necessário instalar e usar todos esses itens mais de uma vez em uma WLAN.
» Amplificadores RF
» Atenuadores RF
» Centelhadores
» Conectores RF
» Cabos RF
» Splitters RF
» Filtros RF
5.6.1 \u2013 Amplificadores RF
Como o próprio nome indica, amplificadores são usados para amplificar (aumentar a amplitude) de um sinal RF, para compensar as perdas sofridas pelo mesmo, quer pela longa distância entre as antenas, quer pelo comprimento do cabo RF até chegar a antena. Normalmente esses amplificadores são energizados através de um sinal DC gerado por um injetor DC, que geralmente fica próximo ao ponto de acesso, e esse injetor por sua vez é energizado com uma tensão AC de uma tomada comum. O cabo RF é o responsável por transportar tanto esse sinal DC até o ponto de acesso, quanto o sinal RF. 
Figura 75 \u2013 Um amplificador RF típico
 
Figura 76 \u2013 Amplificador RF montado entre o ponto de acesso e sua antena
Existem dois tipos de amplificadores, os unidirecionais e os bi-direcionais.
Os unidirecionais amplificam o sinal na transmissão, antes dele chegar até a antena, dessa forma compensando as perdas causadas pelo comprimento do cabo RF.
Os bi-direcionais, amplificam o sinal na recepção, antes dele chegar ao dispositivo WLAN, compensando dessa forma as perdas causadas pela distância entre as antenas e aumentando a sensibilidade do sinal recebido pelo cliente.
Os amplificadores podem ser ainda indoors e outdoors.
Os indoors são projetados para ficar em um local fechado, próximo ao ponto de acesso, já os outdoors são projetados para ficarem expostos ao tempo e são de material muito resistente. Eles são montados no mastro da antena e precisam de um injetor DC.
Figura 77 \u2013 Esquema de ligação de um amplificador indoor
 
Figura 78 \u2013 Esquema de ligação de um amplificador outdoor. Observe a presença de um injetor DC.
5.6.1.1 \u2013 Opções Comuns
Dentro de cada tipo, os amplificadores se dividem ainda em ganho fixo e ganho variável. Os de ganho fixo oferecem uma quantidade fixa de ganho para o sinal RF, enquanto que os de ganho variável permitem ter seu ganho ajustado manualmente conforme as necessidades. Para escolher qual amplificador comprar para a sua WLAN, existem algumas variáveis que o ajudarão a decidir.
Antes de mais nada, é preciso saber as especificações do amplificador. Uma vez conhecidas as especificações de: impedância (ohms), ganho (dB), freqüência de operação (GHz), VSWR, entrada (mw ou dBm) e saída (mw ou dBm), estaremos prontos para escolher o amplificador.
» A freqüência de operação é o primeiro critério a escolher. Se a WLAN opera na faixa de 2.4 GHz, um amplificador de 5 GHz não funcionará.
» É preciso calcular quanto de potência de entrada e saída e de ganho será necessário.
» O amplificador deveria ter uma impedância igual a todos os demais componentes de hardware WLAN entre o transmissor e a antena, para evitar as perdas oriundas do não casamento de impedâncias.
» Os conectores que irão conectar o amplificador ao restante da rede devem ser do mesmo tipo que os conectores dos cabos e da antena. Normalmente amplificadores usam conectores SMA e tipo N.
5.6.1.2 \u2013 Configuração e Gerenciamento
Amplificadores RF normalmente são instalados em série entre o ponto de acesso e a antena. A configuração de um amplificador só é necessária, caso ele seja de ganho variável. Neste caso o amplificador deve ser configurado com a quantidade de ganho necessária de acordo com os cálculos matemáticos de RF. O manual do fabricante irá explicar como fazer essa configuração.
Apesar da possibilidade de ajustar manualmente o ganho de um amplificador RF ser uma vantagem devido a flexibilidade, amplificadores de ganho variável não são recomendados porque os parâmetros poderiam ser alterados devido a problemas no amplificador por exemplo, dessa forma danificando a antena ou violando as regras do FCC no que diz respeito a potência de saída para as bandas ISM ou UNII. Amplificadores de ganho fixo são mais recomendados e os cálculos de RF deveriam ser feitos para garantir que o sinal está dentro dos limites permitidos pelo FCC. Somente após os cálculos estarem completos, e a quantidade de amplificação ser conhecida, é que o amplificador poderia ser comprado.
Os amplificadores deveriam vir com um certificado e relatório de calibração. Deveriam inclusive ser calibrados uma vez por ano para garantir sua performance e operação.
5.6.1.3 \u2013 O problema da relação sinal ruído (S/N)
A amplificação introduzida em um sinal RF é a grande razão de ser de um amplificador RF, porém essa amplificação não é de graça. Existe um grande ônus na utilização de amplificadores que é o aumento de ruído do sinal original. Vimos anteriormente que todo sinal RF tem uma quantidade de ruído seja ela qual for. O amplificador portanto amplificará o sinal e também o ruído que faz parte do mesmo, além de introduzir ele próprio mais uma parcela de ruído no sinal RF original.
5.6.1.4 \u2013 Amplificadores POE
Existem amplificadores que são compatíveis com POE. Eles possuem uma interface POE embutida o que permite ao amplificador ser energizado através de um