Fritjjof Capra_Ponto de Mutação_Modelo Biomédico
26 pág.

Fritjjof Capra_Ponto de Mutação_Modelo Biomédico


DisciplinaFarmacia e Sociedade109 materiais385 seguidores
Pré-visualização14 páginas
Fritjjof Capra
O Ponto de Mutação. 1982. 
Cap. 5. O modelo biomédico \u2013 pag 103 a 143
No decorrer de toda a história da ciência ocidental, o desenvolvimento da biologia caminhou de mãos dadas com o da medicina. Por conseguinte, é natural que, uma vez estabelecida firmemente em biologia a concepção mecanicista da vida, ela dominasse também as atitudes dos médicos em relação à saúde e à doença. A influência do paradigma cartesiano sobre o pensamento médico resultou no chamado modelo biomédico *, que constitui o alicerce conceituai da moderna medicina científica. O corpo humano é considerado uma máquina que pode ser analisada em termos de suas peças; a doença é vista como um mau funcionamento dos mecanismos biológicos, que são estudados do ponto de vista da biologia celular e molecular; o papel dos médicos é intervir, física ou quimicamente, para consertar o defeito no funcionamento de um específico mecanismo enguiçado. Três séculos depois de Descartes, a medicina ainda se baseia, como escreveu George Engel, "nas noções do corpo como uma máquina, da doença como conseqüência de uma avaria na máquina, e da tarefa do médico como conserto dessa máquina" '.
* O modelo biomédico é, com freqüência, chamado simplesmente de modelo médico. Entretanto, usarei o termo "biomédico" para distingui-lo dos modelos conceituais de outros sistemas médicos, como o chinês. (N. do A.)
Ao concentrar-se em partes cada vez menores do corpo, a medicina moderna
perde freqüentemente de vista o paciente como ser humano, e, ao reduzir a saúde a um
funcionamento mecânico, não pode mais ocupar-se como o fenômeno da cura. Essa é
talvez a mais séria deficiência da abordagem biomédica. Embora todo médico praticante
saiba que a cura é um aspecto essencial de toda a medicina, o fenômeno é considerado
fora do âmbito científico; o termo "curar" é encarado com desconfiança, e os conceitos de
saúde e cura não são geralmente discutidos nas escolas de medicina.
O motivo da exclusão do fenômeno da cura da ciência biomédica é evidente. É
um fenômeno que não pode ser entendido em termos reducionistas. Isso se aplica à cura
de ferimentos e, sobretudo, à cura de doenças, o que geralmente envolve uma complexa
interação entre os aspectos físicos, psicológicos, sociais e ambientais da condição
humana. Reincorporar a noção de cura à teoria e à prática da medicina, significa que a
ciência médica terá que transcender sua estreita concepção de saúde e doença. Isso não
quer dizer que ela tenha de ser menos científica. Pelo contrário, ao ampliar sua base
conceituai, pode tornar-se mais coerente com as recentes conquistas da ciência moderna.
A saúde e o fenômeno da cura têm tido significados diferentes conforme a época.
O conceito de saúde, tal como o conceito de vida, não pode ser definido com precisão; os
dois estão, de fato, intimamente relacionados. O que se entende por saúde depende da
concepção que se possua do organismo vivo e de sua relação com o meio ambiente.
Como essa concepção muda de uma cultura para outra, e de uma era para outra, as
noções de saúde também mudam. O amplo conceito de saúde necessário à nossa
transformação cultural \u2014 um conceito que inclui dimensões individuais, sociais e ecológicas \u2014 exige uma visão sistêmica dos organismos vivos e, correspondentemente, uma visão sistêmica de saúde 2. Para começar, a definição de saúde dada pela Organização Mundial de Saúde no preâmbulo de seu estatuto poderá ser útil: "A saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não meramente a ausência de doenças ou enfermidades".
Embora a definição da oms seja algo irrealista \u2014 pois descreve a saúde como
um estado estático de perfeito bem-estar, em vez de um processo em constante mudança
e evolução \u2014, ela revela, não obstante, a natureza holística da saúde, que terá de ser
apreendida se quisermos entender o fenômeno da cura. Ao longo dos tempos, a cura foi
praticada por curandeiros populares, guiados pela sabedoria tradicional, que concebia a
doença como um distúrbio da pessoa como um todo, envolvendo não só seu corpo como
também sua mente, a imagem que tem de si mesma, sua dependência do meio ambiente
físico e social, assim como sua relação com o cosmo e as divindades. Esses curandeiros,
que ainda tratam a maioria dos pacientes no mundo inteiro, adotam muitas abordagens
diferentes, as quais são holísticas em diferentes graus, e usam uma ampla variedade de
técnicas terapêuticas. O que eles têm em comum é que nunca se restringem a fenômenos
puramente físicos, como ocorre no modelo biomédico. Através de rituais e cerimônias,
tentam influenciar a mente do paciente, aliviando a apreensão, que é sempre um
componente significativo da doença, ajudando-o a estimular os poderes curativos naturais
que todos os organismos vivos possuem. Essas cerimônias de cura envolvem usualmente
uma intensa relação entre o curandeiro e o paciente, e são freqüentemente interpretadas
em termos de forças sobrenaturais canalizadas através do primeiro.
Em termos científicos modernos, poderíamos dizer que o processo de cura
representa a resposta coordenada do organismo integrado às influências ambientais
causadoras de tensão. Essa concepção de cura envolve um certo número de conceitos
que transcendem a divisão cartesiana e que não podem ser formulados de acordo com a
estrutura da ciência médica atual. Por isso os pesquisadores biomédicos tendem a
desprezar as práticas dos curandeiros populares, relutando em admitir sua eficácia. Tal
"cientificismo médico" faz com que se esqueça que a arte de curar é um aspecto
essencial de toda a medicina, e que mesmo a nossa medicina científica teve que se
apoiar quase exclusivamente nela até algumas décadas atrás, pois tinha pouco mais a
oferecer em termos de métodos específicos de tratamento3.
A medicina ocidental emergiu de um vasto reservatório de curas tradicionais e
populares, e propagou-se subseqüentemente ao resto do mundo; acabou por
transformar-se em vários graus, mas conservou sua abordagem biomédica básica. Com a
extensão global do sistema bíomédico, vários autores abandonaram os termos "ocidental",
"científica" ou "moderna" e referem-se agora, simplesmente, à "medicina cosmopolita"4.
Mas o sistema médico "cosmopolita" é apenas um entre muitos. A maioria das sociedades
apresenta um pluralismo de sistema e crenças médicos sem nítidas linhas divisórias entre
um sistema e outro. Além da medicina cosmopolita e da medicina popular, ou
curandeirismo, muitas culturas desenvolveram sua própria medicina, algumas de elevada
tradição. À semelhança da medicina cosmopolita, esses sistemas \u2014 indiano, chinês,
persa e outros \u2014 baseiam-se numa tradição escrita, usando conhecimentos empíricos,e
são praticados por uma elite profissional. Sua abordagem é holística, se não efetivamente
na prática, pelo menos na teoria. Além desses sistemas, todas as sociedades
desenvolveram um sistema de medicina popular \u2014 crenças e práticas usadas no seio de
uma família, ou de uma comunidade, que são transmitidas oralmente e não requerem
curandeiros profissionais.
A prática da medicina popular tem sido tradicionalmente uma prerrogativa das
mulheres, uma vez que a arte de curar, na família, está usualmente associada às tarefas
e ao espírito da maternidade. Os curandeiros, por sua vez, são mulheres ou homens, em
proporções que variam de cultura para cultura. Não têm uma profissão organizada; sua
autoridade deriva de seus poderes de cura \u2014 freqüentemente interpretados como o
acesso deles ao mundo do espírito \u2014 e não de um diploma. Com o surgimento da medicina organizada, de longa tradição, entretanto, os padrões patriarcais se impuseram e a medicina passou a ser dominada pelo homem, isso é verdadeiro tanto para a medicina
chinesa ou grega clássica quanto para a medicina européia medieval, ou a moderna
medicina cosmopolita.
Na história da medicina ocidental, a conquista do poder por uma elite profissional
masculina envolveu uma longa luta que acompanhou o surgimento da abordagem
racional e científica da saúde e da cura. O resultado dessa luta foi o