resumasso
4 pág.

resumasso


DisciplinaIntrodução Às Ciências Sociais441 materiais1.689 seguidores
Pré-visualização2 páginas
(cristã), pois contém em seus ensinamentos a sabedoria de guiar-se pela necessidade, agindo conforme as circunstâncias. Ou seja, a moralidade tradicional está aí incluída, mas envolta por um jogo de aparências juntamente com \u201cos meios de não ser bom\u201d, cabendo ao príncipe decidir qual dos caminhos seguir após analisar a realidade concreta, e é isto que constitui a essência da política. A moralidade tradicional não acompanha a virtù maquiaveliana e sozinha, não basta para conter os impulsos do homem, pois o indivíduo que a adotar logo será engolido por aqueles de orientação diferente. \u201cO que conta é o triunfo das dificuldades\u201d, de modo que se for com a finalidade de garantir a manutenção do Estado, todos os meios utilizados pelo príncipe serão honrosos.
A política tem ética e lógica próprias (p. 24): explique a frase (ver também pg. 39).
Dizer que a política tem ética e lógica próprias é uma tentativa de propor um novo olhar para o modo como se faz política, principalmente no que diz respeito à distinção entre vícios e virtudes. Agir como animal, se necessário, pode ser benéfico para salvar o estado, enquanto que o apego à visão piedosa do moralismo convencional pode tornar o governante fraco e vulnerável. A lógica política reclassifica os vícios e virtudes como não-possuidores de um significado por si próprios. Ganham sentido à medida que sua aplicação é condizente com as necessidades da nação.
Por que razão quem chega ao poder por meio de magnatas tem maior dificuldade de conservá-lo do que quem o faz com base no povo?
O governante que chega ao poder por meio de magnatas compartilha com esse grupo o desejo de dominar e oprimir o povo (na visão maquiaveliana), estabelecendo de imediato uma oposição duradoura e inevitável entre ambos os lados, já que possuem interesses iguais e concorrentes. Aquele que chega ao poder com base no povo encontra a necessidade de equilibrar sua vontade de dominar com a vontade do povo de não ser dominado, e nessa contraposição existe a possibilidade de equilibrar interesses. É sobre esse equilíbrio que o objetivo da política se desenvolve e ganha significado.