162_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006
1 pág.

162_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006


DisciplinaClimatologia2.220 materiais40.274 seguidores
Pré-visualização1 página
148
METEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA
Mário Adelmo Varejão-Silva
Versão digital 2 \u2013 Recife, 2006
6.4 - Umidade relativa (U).
A umidade relativa (U) do ar úmido, submetido a uma determinada temperatura (t), é o
quociente entre a pressão parcial do vapor (e) e a pressão de saturação (es) àquela temperatu-
ra, ou seja: 
U = e / eS. (IV.6.14)
Normalmente U é expresso em porcentagem:
U = 100 e / eS. (IV.6.15)
Essa expressão revela que a umidade relativa atinge 100 % quando o ar está saturado (e = eS).
Fisicamente U representa a fração da umidade máxima possível que já se encontra preenchi-
da. 
Note-se que, como es depende de t, mantendo-se constante a pressão parcial do vapor
(e), a umidade relativa varia com a temperatura. De fato, U aumenta quando t diminui pois a
diferença eS - e diminui, já que o valor da pressão de saturação (eS) tende a se aproximar do
valor constante da pressão parcial do vapor (e). A recíproca é igualmente verdadeira: quando t
aumenta, a umidade relativa diminui à pressão parcial constante. 
7. Instrumentos para medir a umidade do ar.
O leitor deve ter percebido que todas as expressões obtidas na seção anterior depen-
dem da pressão parcial do vapor d'água presente no ar (e). A determinação desse parâmetro
pode ser feita com o auxílio de instrumentos denominados psicrômetros (do grego "psychrós",
que significa frio). Há, ainda, instrumentos apropriados para medir diretamente a umidade rela-
tiva do ar.
7.1 - Psicrômetros.
Os diferentes modelos convencionais de psicrômetro são, basicamente, constituídos por
dois termômetros comuns (de mercúrio-em-vidro), sendo um com o bulbo descoberto e o outro
com o bulbo revestido por um tecido fino (musselina, gaze etc.), que é molhado (preferencial-
mente com água destilada) imediatamente antes do uso do instrumento. Esses termômetros
são chamados, respectivamente de termômetro de bulbo seco e termômetro de bulbo úmido.
Em alguns psicrômetros os termômetros são montados em um suporte, preso a uma corrente,
que permite girá-lo, como a uma funda, assegurando um fluxo regular de ar junto aos bulbos
(Fig. IV.2).
Nos modelos mecânicos mais aperfeiçoados, uma ventoinha aspira o ar por sobre os
bulbos a uma velocidade constante, que não deve ser inferior a 5 m s -1 Dentre os psicrômetros
ventilados mais usados estão os do tipo Assman, que é portátil (Fig. IV.2) e August. No caso do
modelo August, recomenda-se cuidado ao umedecer o bulbo (Fig. IV 3); ao aplicar corda no