Análise Tecno-Económica de Serviços Móveis e Sem Fios
174 pág.

Análise Tecno-Económica de Serviços Móveis e Sem Fios


DisciplinaRedes sem Fio754 materiais25.924 seguidores
Pré-visualização35 páginas
sujeitas a estreita interdependência, não são de modo algum automáticas: 
 
- A um acréscimo na oferta das infra-estruturas e serviços de 
telecomunicações pode não corresponder necessariamente um aumento de 
actividade económica. 
- A um acréscimo de procura pode não corresponder de imediato o 
correspondente aumento na oferta de serviços e de infra-estruturas. 
 
Esta falta de automaticidade causa-efeito pode ser particularmente grave nas regiões 
periféricas e rurais. 
Pelo lado dos utilizadores, diversos tipos de barreiras económicas e sociais podem 
impedir a adesão à oferta de serviços que lhes é feita: 
- Custos de subscrição muito elevados. 
- Preço dos serviços demasiado altos. 
Sem dúvida, que a principal lacuna poderá residir na incapacidade de tirar partido da 
utilização dos serviços por falta de formação (profissional) ou de inserção em 
comunidades de interesse vários e afinidades diversificadas, que por si só justifiquem ou 
impliquem o acesso aos meios em questão, possibilitando desse modo o 
desenvolvimento inerente a estas populações. Com efeito, o acesso a esta informação e 
conjectura é normalmente mais escassa nas zonas rurais e periféricas do que nas zonas 
urbanas e metropolitanas. 
 
AAnnáálliissee TTeeccnnoo--EEccoonnóómmiiccaa ddee SSeerrvviiççooss MMóóvveeiiss ee SSeemm FFiiooss 
71 
A estes factos, surgem diversas razões despoletadas pelos operadores e provedores de 
serviços, tais como a obrigação de realizar elevados investimentos na maioria dos casos 
com níveis de incerteza acima do limiar do risco de retorno do investimento (ROI), o 
que à partida inviabiliza esses projectos embrionários, indeferindo a tomada de decisão 
em instalar novas infra-estruturas e de oferecer novos serviços, contrariamente ao que se 
passa nas zonas metropolitanas e zonas demográficas extensas. Este paradigma, é 
retratado na seguinte figura. 
 
 
Análise económico 
financeira de 
diferentes 
cenários de redes 
tendo em conta 
 uma pré-
especificação 
de condições 
de mercado 
O Lado da Procura 
Utilizadores 
O Lado da Oferta 
Operadores, 
Provedores de Serviços, 
Fabricantes de Tecnologia 
Autoridades regulamentadoras
Políticas públicas 
Caracterização 
 sócio-económica
 e geográfica 
Identificação das 
necessidades 
em termos de serviços 
Estimação do potencial de arranque 
dos serviços identificados (procura) 
Vontade/Capacidade
de pagar 
TarifasSelecção das 
possíveis 
 arquitecturas de rede
 de forma a satisfazer
 as necessidades 
dos utilizadores 
Equilíbrio de Mercado 
 
Figura 35. Relações entre a oferta e a procura no mercado das telecomunicações. [2] 
 
Face a este cenário de causa-efeito e à ausência de mecanismos adequados, poderá 
supor-se as seguintes situações conjecturais daí resultantes: 
 
a) Deixar os mecanismos de mercado funcionar por si só. Assim e muito 
provavelmente nada acontecerá, pelo que as regiões com este tipo de 
condições sócio-económicas confrontar-se-ão com a possibilidade de 
AAnnáálliissee TTeeccnnoo--EEccoonnóómmiiccaa ddee SSeerrvviiççooss MMóóvveeiiss ee SSeemm FFiiooss 
72 
desenvolvimento cada vez mais reduzida, comparativamente com as 
outras regiões (sobretudo, as metropolitanas). 
b) Intervir, de modo a colocar em campo mecanismos de estimulação 
económico-social (financiamento e elevação das capacidades sociais) 
visando ultrapassar este ciclo vicioso. 
 
 
7.2 Abordagem e Metodologia 
Após esta identificação conjectural - justificativa para a execução do presente 
estudo -, surge assim a elaboração das bases propostas nesta abordagem, seguindo a 
metodologia de oferta de acesso rádio público de banda larga em zonas geográficas, 
sobretudo de cobertura wireless em zonas rurais [2]. A saber, 
- Identificação dos locais com necessidades de intervenção (reforço de infra-
estruturas ou dinamização dos mercados); 
- Caracterização dos locais identificados (sua geografia, demografia, 
principais actividades sócio-económicas, infra-estruturas existentes, 
carências ao nível de serviços, etc.); 
- Possíveis cenários de oferta de infra-estruturas de acesso e de interligação; 
- Soluções de rede candidatas; 
- Enquadramento regulamentar das tecnologias candidatas; 
- Possíveis cenários de oferta de serviços de telecomunicações; 
- Negociação com operadores e fornecedores de serviços; 
- Análise tecno-económica para avaliação das soluções de rede; 
- Indicadores e avaliação dos resultados do projecto; 
- Comentários e recomendações. 
AAnnáálliissee TTeeccnnoo--EEccoonnóómmiiccaa ddee SSeerrvviiççooss MMóóvveeiiss ee SSeemm FFiiooss 
73 
 
 
7.3 Identificação dos Locais 
Para cada uma das regiões sob consideração é seleccionado um conjunto de situações 
em que os operadores de telecomunicações locais não contemplam disponibilizar 
recursos de acesso à Internet em banda larga no momento actual, nem num futuro 
previsivelmente próximo, por considerarem tais operações desprovidas de rentabilidade 
comercial ou de falta de visão estratégica no assumir do risco calculado. Daqui, 
identificam-se sobretudo as seguintes fragilidades: 
i. Insuficiências infraestruturais; 
ii. Falta de dinâmica de mercado; 
iii. Simultânea insuficiência de infra-estruturas e de falta de dinâmica de 
mercado. 
 
 
7.4 Caracterização das Zonas de Referência e Locais Identificados 
Os aspectos geográficos, demográficos, a actividade económica, a capacidade de 
utilização de instrumentos das Tecnologias de Informação e Comunicação, as infra-
estruturas já instaladas e as necessidades actuais das populações em termos de serviços 
influem decisivamente nas soluções de rede de telecomunicações candidatas a instalar 
nas zonas e locais identificados. 
Assume assim especial importância, caracterizar os locais em todas estas vertentes, de 
modo a assegurar a melhor tecnologia de acesso aos serviços de telecomunicações 
pretendidos. [2] 
 
 
7.4.1 Caracterização geográfica e demográfica 
 
AAnnáálliissee TTeeccnnoo--EEccoonnóómmiiccaa ddee SSeerrvviiççooss MMóóvveeiiss ee SSeemm FFiiooss 
74 
A distribuição geográfica das populações e a procura por serviços de telecomunicações 
segue um padrão extremamente complexo. As densidades populacionais reflectem o 
contraste entre as povoações rurais e urbanas. Existe ainda a dependência das condições 
económicas e culturais de cada país e região, da concentração \u2013 ou não - demográfica 
numa dada zona específica. A geografia das zonas identificadas é pois um aspecto 
crucial na instalação de redes de telecomunicações. 
Exemplo disso é a região do Alentejo, onde devido à morfologia plana do terreno, 
poderá efectuar-se o transporte wireless em banda larga do sinal de internet da rede de 
Tv por cabo entre uma zona central habitacional \u2013 o centro de uma cidade \u2013 e uma 
aldeia periférica, possibilitando a instalação deste serviço nessa zona onde não existe 
rede de Tv por cabo. O enorme investimento em cablagem para instalação duma rede 
deste tipo impede que esta solução seja financeiramente viável, e assim a opção por uma 
rede sem fios para o transporte da mesma e posterior acesso residencial Wi-Fi, ou torna-
se muito mais atractiva ao investidor. 
 
 
7.4.2 Identificação das principais actividades sócio-económicas 
De forma a caracterizar o ambiente sócio-económico do local candidato, deve ter-
se em consideração os seguintes tópicos de análise: 
- Educação; 
- Poder de compra; 
- Saúde; 
- Mercado de trabalho; 
- Actividade económica; 
- Comércio; 
- Sector primário \u2013 Agricultura; 
- Sector secundário \u2013 Indústria; 
AAnnáálliissee TTeeccnnoo--EEccoonnóómmiiccaa ddee SSeerrvviiççooss MMóóvveeiiss ee SSeemm FFiiooss 
75 
- Sector terciário \u2013 Serviços; 
- Turismo. 
 
 
7.4.3 Identificação das infra-estruturas existentes 
As infra-estruturas existentes nas zonas e locais identificados devem ser 
aproveitadas, nos casos onde tal se justifique,