20 de fev matéria PIODERMITE (net e aula)
4 pág.

20 de fev matéria PIODERMITE (net e aula)


DisciplinaClínica Médica de Mamíferos de Pequeno Porte14 materiais51 seguidores
Pré-visualização2 páginas
20 de fevereiro de 2013
2ª aula clínica II
Profª Margareth
DOENÇA BACTERIANA DA PELE (PIODERMITE)
Acomete muito mais os cães do que os gatos.
	Se ocorre alguma deficiência do filme protetor, o microorganismo irá proliferar.
Microorganismos:
	- Staphylococcus pseudointermedius principlamente, mas também pode ocorrer Proteus, Pseudomonas...
Etiologia:
- Alérgicas; ...
Localização e lesão (para classificar a doença):
- Pioderma externo -> quando a infecção encontra-se apenas na camada córnea. Vamos visualizar eritema, descamação, com ou sem aumento da oleosidade (na verdade é uma dermatite seborréica).
- Pioderma superficial -> quando está localizada entre as camadas da epiderme. A lesão clássica é a pústula (acúmulo de pus, entre as camadas da epiderme). Ela pode estar fora (pústula) ou dentro do folículo piloso (foliculite), em ambas vão dar origem a um colarete. Deve-se detectar o porque que está ocorrendo essa lesão.
- Pioderma profundo -> quando está localizada na derme, podendo chegar ao tecido celular subcutâneo. São lesões de pioderma profundo a furunculose (folículo piloso totalmente destruído, resultando em microabcesso). Isso poderá resultar numa pele edemaciada e alopecia. Aqui, o exsudato é sanguinoserolento, formando muitas crostas de coloração escura. Conforme a infecção vai se agravando, vai ter comprometimento da hipoderme, causando uma celulite ( é o quadro mais grave na pioderma profundo). Aonde está ocorrendo está celulite, existem vasos sanguíneos, aumentandos as chances de ocorrer uma translcação bacteriana e septicemia. 
	Quando o prurido é secundário a doença bacteriana, a melhor forma de solucionar o caso é fornecendo antibiótico.
Classificação:
 Externas
	- Dermatite úmida aguda (ocorrer em 24 hs, é dolorosa e ocorre devido ao prurido). O proprietário pode relatar de não observar prurido, pois depois que começa a doer, o animal pára de coçar. Geralmente ocorre mais em animais de pelgem densa (subpelo). Pode ter correlação com doença periodontal grave, otite, pois o animal pode coçar estes locais e depois coçar a pele.
	Primeiro passo é fazer tricotomia (como dói, deve-se fazer na tesoura); pode-se associar...
	- Intertrigo (não dói tanto, mas tem muito odor):
		Vai receber o sobrenome de acordo com a sua localização.
		+ Facial -> Bulldog
		+ Labial -> Dog Alemão
		+ Dobras -> Sharpey
		+ Vulvar -> fêmeas que foram castradas muito cedo.
		+ Caudal -> Akita
Superficial
- Impetigo \u2013 lesões de pápula e colarete na área de abdome e peito. Normalmente ocorre por má nutrição, falta de manejo sanitário, verminose.
- Foliculite superficial \u2013 
Profundo
Resulta de sarna demodécica (por exemplo), tratada com corticóide
	O objetivo do diagnóstico é identificar a etiologia da lesão pelo exame clínico, principalmente.
Na anamnese vamos colher informações que nos diga qual é a causa: Aonde que as lesões começaram?
Ainda na anamnese poderemos encontrar erros em tratamentos anteriores (as vezes o antibiótico escolhido fora correto, porém, por tem inferior. O ideal são em torno de 10-15 dias). Se necessário, devemos fazer citologia ( só pode ser feito de lesão fechada, pois na pele já existem microorganismos normalmente, podendo dar um resultado falso positivo), para avaliar qual a predominância celular e se existe microorganismo ou não nessa lesão.
	Cultura bacteriana e antibiograma???????
Tratamento
+ Tópico:
	Quando usar? Como usar? Lembrar de fazer tricotomia com a tesoura!!!
		- Cremes: mupirocina, ác. Fusídico, bacitracina, neomicina, rifampicina e associações com corticoides (para DUA e Intertrigo);
		- Gel : peróxido de benzoíla 5%.
		- Soluções : povidona-iodine / Chlorexidine
		- 
+ Sistêmico:
	Fazer na dose mais alta (pois pele é pouco vascularizado) e por tempo elevado (para pioderma profundo começa com 30 dias a 45, podendo chegar a 60 dias).
GATOS
O microorganismo é inoculado num ambiente estéril formando um abcesso, normalmente ocasionado por mordeduras (bactérias da cavidade oral, ou seja, anaerórios \u2013 Bacteroides, Fusobacterium, Peptostreptococcus, Pasteurella). Se em 5 dias não houve nenhuma melhora, deve-se fazer cultura.
Tratamento
Drenagem, colocação de dreno artificial, antisséptico no local, antibióticos (Penicilina G, Penicilina V, Amoxicilina, Ampicilina, Clindamicina, Metronidazole, Cefalosporina de 2ª e 3ª geração). O tempo de tratamento irá variar de 7 a 10 dias. Normalmente o proprietário traz o animal por queixa do animal estar anoréxico, febril, porém, muitas das vezes ele nem percebe o abcesso.
	Deve-se diagnosticar e tratar a etiologia. Não usar nunca a corticoterapia!!!!!!
PIODERMITE
Março 28, 2010.
Todos nós que militamos na área de dermatologia de cães e gatos ficamos por vezes estarrecidos e enfadados ao ver tantos casos de uma mesma doença: as piodermites.
Piodermite nada mais é do que a infecção bacteriana da pele (pio = pus, dermite = inflamação da pele). Podemos também chamá-las de foliculites bacterianas, pois, via de regra, estas infecções envolvem os folículos pilosos, que são os locais da pele de onde nascem os pelos.
Existem inúmeras causas para que elas aconteçam, isto porque a bactéria, principal causadora da doença em cães e gatos, é o Staphylococcus spp, que também faz parte da própria microbiota cutânea, isto é, vive na pele normal dos animais saudáveis sem causar nenhum problema. Então, sempre há um fator desencadeante que faz com que se quebre o equilíbrio entre a população bacteriana e o hospedeiro, levando a uma proliferação bacteriana excessiva e sem controle, o que ocasiona as lesões e os sintomas característicos. Este é o principal motivo que torna as piodermites tão frequentes: o fato de serem manifestações de várias outras doenças que citaremos a seguir.
Como são as lesões?
Embora o nome da doença indique que deve haver a presença de pus, isto não ocorre na maioria das vezes. As lesões se manifestam de múltiplas formas: pápulas (pequenas elevações) avermelhadas recobertas por crostas (vulgarmente seriam \u201ccasquinhas\u201d), pequenas bolhas com pus (pústulas), perda de pelame de forma circular recoberta por escamas, úlceras (perda de tecido profunda), erosões (perdas superficiais de tecido).
Como pode ser dado o diagnóstico?
O clínico pode fazer isto através do aspecto das lesões e da citologia do material (análise microscópica). Por vezes se torna também necessária a cultura microbiológica do material obtido das lesões.
O mais importante, contudo, não é diagnosticar a piodermite, mas, sim, identificar suas causas. Para isto o veterinário deve fazer uma investigação detalhada quanto a possíveis alergias, seborreia, sarna negra, desequilíbrios hormonais, presença de pulgas ou de outros parasitas, carências nutricionais, micoses, doenças autoimunes, etc. Por fim, há casos em que não se descobre a causa, e estes são chamados de idiopáticos.
O tratamento consiste no uso de antibióticos, xampus antissépticos ou antisseborréicos e, principalmente, na identificação e correção das causas de base. 
Qual a conduta a ser adotada diante de um caso de piodermite canina? 
A piodermite situa-se dentre as dermatopatias mais frequentemente observadas na clínica de pequenos animais, principalmente na espécie canina, e o seu manejo vai muito além da escolha do antibiótico correto e do período de duração da terapia. 
O primeiro passo consiste em confirmar, efetivamente, o suposto diagnóstico de piodermite, pois as lesões cutâneas inerentes a este quadro mórbido assumem inúmeros aspectos, podendo mimetizar outras dermatites, tais como a dermatofitose, a dermatite seborréica e as dermatites auto-imunes. Tal confirmação pode ser feita mediante exame citológico do conteúdo presente no interior de vesículas íntegras ou, ainda, do material colhido a partir do raspado das lesões. Faz-se um esfregaço em lâmina, que é submetido à coloração por corantes citológicos (Rosenfeld, Gram, Giemsa ou Novo Azul de Metileno). Ao exame microscópico, observam-se cocos ou bastonetes, intra e extra-celulares, bem como neutrófilos degenerados.