Max Weber - Ética protestante e o espírito do capitalismo
87 pág.

Max Weber - Ética protestante e o espírito do capitalismo


DisciplinaIntrodução Às Ciências Sociais441 materiais1.689 seguidores
Pré-visualização36 páginas
Pietismo foram mais aquelas, por um lado, do 
funcionário fervoroso, do escrevente, do trabalhador e empregado doméstico, e por outro 
lado, do empregador predominantemente patriarcal com sua condescendência piedosa (à 
maneira de Zinzendorf). Na comparação, o Calvinismo aparece bem mais estritamente 
relacionado do rigoroso legalismo e com a ativa empresa dos empreendedores \u201c capitalistas 
burgueses. Finalmente, a forma de Pietismo puramente emocional é, como apontou Ritschl, 
um diletantismo religioso para as classes desocupadas. Contudo, apesar desta 
caracterização estar longe de ser exaustiva, ajuda a explica certas,diferenças,de caráter 
(inclusive de caráter econômico) das pe soa que item estado sob a influência de um ou de 
outro desses movimentos cético. 
 
 
Max Weber 
___________________________________________ 
 \u2013 64 \u2013 
C) O Metodismo 
 
A combinação de um tipo de religião emocional e ainda assim ascética com a crescente 
indiferença ou até o repúdio das bases dogmáticas do ascetismo calvinista é também a 
característica do movimento anglo americano, correspondente ao Pietismo continental, 
chamado Metodismo. O nome em si mostra o que impressionava os contemporâneos como 
característica de seus seguidores: a natureza sistemática e metódica da conduta com o 
propósito de obter a certitudo salutis. Isso foi, desde o início, o centro da aspiração 
religiosa também desse movimento, e assim continuou. A despeito de todas as diferenças, 
sua indiscutível relação com certos ramos do Pietismo alemão é mostrada acima de tudo 
pelo fato de o método ter sido usado primeiramente para provocar o ato emocional da 
conversão. 
E a ênfase no sentimento, despertada em John Wesley pelas influências luteranas e 
moravianas, levou o Metodismo, que desde o início viu sua missão entre as massas assumir 
um caráter fortemente emocional, especialmente na América. A obtenção do 
arrependimento, em certas circunstâncias, envolvia uma luta emocional de tal intensidade 
que levava aos mais profundos êxtases que, na América, ocorriam com freqüência em 
reuniões públicas. Isso formou as bases de uma crença na posse não merecida da graça 
divina, e ao mesmo tempo, de uma consciência imediata de justificação e perdão. 
Ora, esta religião emocional entrou em uma aliança peculiar, com dificuldades inerentes de 
certa monta, com as éticas ascéticas que haviam sido marcadas definitivamente com a 
racionalidade pelo puritanismo. Em primeiro lugar, contrariamente ao calvinismo que tinha 
na conta de ilusório tudo o que fosse emocional, a única base sólida da certitudo salutis era 
o princípio mantido do puro sentimento de absoluta certeza do perdão, derivado 
imediatamente do testemunho do espírito, cuja vinda podia ser definitivamente colocada 
dentro dum horário. 
Junto a isso estava a doutrina da santificação de Wesley que, apesar do decisivo 
afastamento da doutrina ortodoxa, é um desenvolvimento lógico dela. De acordo com isso, 
o indivíduo renascido desta maneira poderia, em virtude da graça divina estar já operando 
nele, obter a santificação.mesmo nesta vida \u2013 a consciência da perfeição no sentido de 
libertação do pecado, por uma ulterior transformação espiritual, geralmente separada é 
muitas vezes repentina. 
Qualquer que seja dificuldade em obter esta finalidade, geralmente não longe do fim da 
vida do indivíduo, esta deve inevitavelmente ser buscada, pois ela finalmente garante a 
certitudo salutis e substitui com uma serena confiança a sombria ansiedade calvinista. E ela 
distingue o verdadeiro convertido, aos próprios olhos e aos dos demais pelo fato de que o 
pecado, ao menos, não tem mais poder sobre ele. 
A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo 
___________________________________________ 
 \u2013 65 \u2013 
Apesar do grande significado da auto evidência do sentimento, a conduta correta, de acordo 
com a lei, também era naturalmente seguida. Sempre que Wesley atacava a ênfase de seu 
tempo nas obras, ele apenas reavivava a antiga doutrina puritana segundo a qual as obras 
não são a causa, mas apenas o meio de se conhecer o estado de graça de alguém, e mesmo 
assim apenas quando aquelas fossem feitas exclusivamente pela glória de Deus. A reta 
conduta por si só não bastaria, como ele descobriu por si mesmo. Adicionalmente, era 
necessário o sentimento da graça. Ele mesmo por vezes descreveu as obras como condição 
da graça, e na Declaração de 9 de Agosto de 1771 enfatizou que aquele que não realizasse 
boas obras não seria um verdadeiro crente. De fato, os metodistas sempre sustentaram que 
eles não diferiam da Igreja Estabelecida quanto à doutrina, mas apenas quanto à prática 
religiosa. Esta ênfase nos frutos da crença era justificada principalmente pela primeira carta 
de São João 3,9; a conduta era tida como um claro sinal de redenção. 
Mas apesar de tudo, houve dificuldades. \u201c Para os metodistas que eram adeptos da doutrina 
da predestinação, pensar na certitudo salutis como surgida do sentimento de graça e 
perfeição imediatas, \u201c em vez da consciência da graça nascida da conduta ascética na 
provação contínua da fé, uma vez então que a certeza da perseverantia dependeria só do 
simples fato do arrependimento e significava uma das duas coisas: para as naturezas fracas 
havia uma interpretação fatalistas da liberdade cristã e, com isto, o colapso da conduta 
metódica; ou, se este caminho fosse rejeitado, a autoconfiança do homem íntegro atingia 
alturas indizíveis, uma intensificação emocional do tipo puritano. Diante dos ataques dos 
opositores, foi feita a tentativa de conjugar tais conseqüências. Por um lado, aumentando a 
ênfase na autoridade normativa da Bíblia e na imprescindibilidade da prova; por outro, 
reforçando de fato a facção anticalvinista de Wesleey no interior do movimento, com sua 
doutrina de que a graça poderia ser perdida. As fortes influências a que Wesley foi exposto 
pelos moravianos reforçaram está tendência e aumentaram as incertezas das bases 
religiosas da ética Metodista. 
Por fim, apenas o conceito de regeneração \u2013 a certeza emocional da salvação como 
resultado imediato da fé, foi mantido como fundamento indispensável da graça; e com ele, 
a santificação resultante (ao menos virtualmente) da liberdade do poder do pecado, como 
conseqüente prova da graça. O significado dos meios externos da graça, especialmente os 
sacramentos, foi correspondentemente diminuído. Em todo caso, o despertar geral que 
seguiu o Metodismo por toda parte, por exemplo na Nova Inglaterra, significou uma vitória 
da doutrina da graça e da eleição. 
Assim, do nosso ponto de vista, a ética metodista parece repousar sobre uma base de 
incerteza, semelhante ao Pietismo. Contudo, a aspiração a uma vida mais elevada, a uma 
segunda bem aventurança, serviu lhe como um tipo de expediente para a doutrina da 
predestinação. De mais a mais, sendo de origem inglesa, sua prática ética estava 
intimamente relacionada à do Puritanismo inglês, do qual aspirava ser uma renovação. 
O ato emocional da conversão era induzido metodicamente. E, depois de obtido, não o 
seguia o piedoso contentamento da comunhão com Deus, como no Pietismo emocional de 
Zinzendorf, mas, uma vez despertada a emoção, era esta direcionada para uma luta racional 
Max Weber 
___________________________________________ 
 \u2013 66 \u2013 
pela perfeição. Por isso, o caráter emocional de sua fé não levou a uma religião 
espiritualizada de sentimentos, como o Pietismo alemão. Já foi mostrado por 
Schneckenburger que este fato está ligado com o desenvolvimento menos intenso do 
sentido de pecado (em parte por conta da experiência emocional da conversão), e este ficou 
sendo um ponto aceito na discussão sobre o Metodismo. O caráter fundamentalmente 
calvinista de seu sentimento religioso permaneceu decisivo. A excitação emocional assumia 
a forma de entusiasmo que era, só ocasionalmente e então poderosamente