Exame Geral do paciente
12 pág.

Exame Geral do paciente


DisciplinaPropedêutica Clínica179 materiais1.754 seguidores
Pré-visualização5 páginas
O sistema linfático é formado por vasos linfáticos e gânglios ou linfonodos. Os vasos linfáticos reunem-se em dois canais importantes:
    Canal linfático superior - desemboca na veia subclávia direita.
    Canal torácico - desemboca na veia subclávia esquerda.
    Linfonodos (cerca de 500) pertecem ao Sistema Retículo Endotelial (SRE). Possuem função de defesa contra disseminação de infecções e células neoplásicas. Produzem anticorpos.
    A alteração mais elementar da função do vaso linfático e a sua obstrução que pode originar o aparecimento de linfedema. Nos processo crônicos podem ocorrer linfangiectasia (dilatação dos v. linfáticos) com determinação de volumose linfedema que produz o quadro de elefantíase.
    A inflamação dos v. linfáticos (linfangite) na maioria das vezes é de origem infecciosa. Vergões avermelhados debaixo da pele, quentes e dolorosos que tem origem no ponto de infecção e se dirigem para o gânglio regional que apresenta-se  aumentado (linfadenite satélite = íngua). Pode ocorrer também a linfangite carcinomatosa.
    Os linfonodos estão reunidos em cadeias superfíciais e profundas(mediastinais e abdominais).
    Os gânglios podem aumentar por proliferação de seus elementos normais (linfócitos, monócitos ou por infiltração de células estranhas). As situações que levam a aumento  de gânglios são infecções, inflamações, proliferação neoplásica e doenças de depósito. 
	CAUSAS DE LINFADENOPATIAS
	Localizadas 
   Infecções Locais : piogênicas, virais, tuberculose
	Generalizadas 
Infecções: virais (mononucleose, rubéola, HIV)
Bacterianas ( brucelose, sífilis, tuberculose)
Fúngicas (histoplasma)
Protozoários (toxoplasma)
	Linfomas 
   Hodgkin, não Hodgkin
	Inflamações 
Sarcoidose, Artrite Reumatóide, Lúpus Eritematose Sistêmico)
	Carcinomas
	Proliferações Neoplásicas 
Leucemias, linfomas
Histiocitose
	 
	Outras 
Hipetireoidismo
Uso de hidantoínas
	
	Tônus Muscular
        É o estado de contração parcial de origem reflexa e central em que permanentemente se encontram os músculos estriados. É reconhecido pela tensão do músculo à pálpação e por apresentar discreta resistência aos movimentos passivos.
    Lesões do cerebelo e córtex cerebral podem determinar hipotonia. Nas miopatias, poliomielite e tabes (sífilis) ocorre hipotonia por interrupção do arco reflexo.
    Lesões piramidais, por falta de freio sobre o arco reflexo medular provocam hipertonia associada a hiper-reflexia tendinosa (hemiplegia espástica).
    Alterações do corpo estriado na Doeça de Parkinson originam hipertonia levando à rigidez muscular que prejudica a mímica (fácies Parkinsoniana)
    Lesões dos neurônios centrais causam paralisia acompanhada de hipertonia muscular.
    Lesões periféricas determinam o aparecimento de paralisia com hipotonia que pode levar à atrofia. 
	
	Estatura
A altura varia de acordo com a idade, estando condicionada à raça e ao tipo familiar. Altura inferior a 1,20 m caracteriza o nanismo e superior a 2,00 m o gigantismo. O crescimento normal ocorre até os 23/24 anos. 
O Peso esta condicionado à altura e idade do indivíduo e representa o seu estado de nutrição.
Regra prática - o peso normal de um adulto corresponde em quilos ao número de centímetros que ultrapass 1 m de altura (+- 10%).