Resumo Mankiw
25 pág.

Resumo Mankiw


DisciplinaFundamentos da Economia17.864 materiais231.627 seguidores
Pré-visualização12 páginas
de aumentar a produção futura é investir na produção de bens de capital, portanto, incentivar a poupança e o investimento é uma forma de aumentar o crescimento. Devemos observar ainda a existência de retornos decrescentes, ou seja, o benefício adicional de um insumo a mais diminui na medida em que a quantidade do insumo aumenta. Por isso, percebemos os efeitos de alcance, ou seja, a propriedade segundo a qual os países pobres crescem mais rapidamente do que os ricos.
	requisito para o avanço tecnológico
	
O crescimento populacional é tem seu efeito mais direto sobre o tamanho da força de trabalho. Essas alterações são produzidas por três fatores: 1) a expansão do aproveitamento dos recursos naturais, defendido por Malthus, que verificou que o crescimento da capacidade de invenção compensou o aumento populacional. 2) diluição do estoque de capital que se verifica quando o crescimento populacional é rápido, pois cada trabalhador fica equipado com uma quantidade menor de capital. Isso impõe um peso sobre o sistema escolar. Vemos que as mulheres que recebem melhor educação tendem a querer ter menos filhos. 3) promoção do progresso tecnológico, que defende que se há mais pessoas há mais cientistas. Kremer observou que com o crescimento das populações as economias cresceram mais rapidamente do que em populações menores, pois há mais pessoas para descobrir coisas. Portanto, uma numerosa população é um 26. POUPANÇA, INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO
A poupança nacional é composta pela soma da poupança privada com a poupança pública. Se o governo tem um superávit orçamentário, isso será benéfico para a poupança nacional como um todo. A poupança é o que fica quando tiramos o consumo e os gastos do governo do PIB. A poupança privada é o que fica quando tiramos os impostos e o consumo do PIB, enquanto a poupança pública é quando tiramos os gastos do governo da arrecadação tributário. Investimento é a compra de novo capital. Os fundos empréstimos são regidos pela lei de oferta e demanda, determinando a taxa de juros real.
O governo pode lançar mãos de políticas para incentivar a poupança e o investimento, como por exemplo:
1) o incentivo à poupança pode ser feito através de impostos sobre o consumo, abertura de contas de poupança especiais com o objetivo de baixar a taxa de juros e aumentar o investimento.
2) o incentivo ao investimento pode ser feito através de crédito tributário para a compra de bens de capital, resultando em maiores taxas de juros e maiores poupanças.
Quando o governo apresenta déficits orçamentários, ele financia seu déficit tomando empréstimos em títulos. Esse acúmulo é a dívida pública. Se o governo adquire empréstimos ele reduz o investimento com uma diminuição da poupança nacional, provocando um descolamento da curva de oferta de fundos no mercado de empréstimos chamado de crowding out, que resulta num aumento da taxa de juros.
O sistema financeiro é o grupo de instituições que ajuda a promover o encontro da poupança de alguém com o investimento de outrem. Quando um país poupa grande parte do PIB, há mais investimento em capital, o que aumenta a produtividade e o padrão de vida da população como um todo. O sistema financeiro se divide em Mercados Financeiros e Intermediários Financeiros.
Os Mercados Financeiros são o mercado de ações e o mercado de títulos. O mercado de títulos emitem IOU, cujo valor está vinculado à data de vencimento e a taxa de juros e pagamento principal. O valor do título é determinado pelo prazo (os de longo prazo tem taxas maiores), o risco de crédito (inadimplência, os junk bonds) e o tratamento tributário (se são juros de renda tributável). No mercado de ações, o preço delas é determinado pela oferta e demanda pelas ações e seus índices determinam condições econômicas futuras.
	ações de um índice
	
Os Intermediários Financeiros são os bancos e os fundos mútuos. Os bancos dão às pessoas um meio de troca e facilitam a compra de bens e serviços. Os fundos mútuos permitem que as pessoas com pouco dinheiro diversifiquem suas aplicações com a venda de cotas de uma carteira de títulos. Eles dão acesso às habilidades de administradores financeiros profissionais. Há também os fundos de índices, que compram 27. FINANÇAS E RISCOS
Quando se pensa em investimentos, deves-se levar em conta o valor presente e o valor futuro. O presente é a quantia que seria necessária para produzir aquela quantidade. E o valor futuro é quanto o dinheiro de hoje vai render.
Algumas pessoas são avessas ao risco, ou seja, para elas desagradam as coisas ruins mais do que agradam as coisas boas. Elas tem portanto uma utilidade marginal decrescente em função da riqueza, ou seja, com o enriquecimento, o ganho de utilidade pelo aumento da riqueza é proporcionalmente menor.
Há um tradeoff entre risco e retorno, ou seja, a pessoa escolhe entre uma opção segura com menor rendimento ou uma arriscada com maior rendimento. Para se administrar o risco, procede-se à diversificação do risco, com a substituição de um só risco por um grande número de riscos menores e não correlacionados. Quando maior o desvio padrão do retorno de uma carteira de investimento maior será o risco. Assim, temos o risco idiossincrático, que afeta apenas um agente, e o risco agregado, que afeta todos os agentes econômicos.
Outra forma de minimizar o risco é fazendo um seguro. O papel do seguro não é eliminar o risco, mas distribuí-los com maior eficiência. Os seus principais problemas são a seleção adversa e o risco moral.
Quando procedemos à avaliação de ativos, devemos levar em conta três teorias.
A primeira é a Hipótese dos Mercados Eficientes, que diz que o equilíbrio da oferta e dá demanda dá o preço justo. De acordo com ela, todas as ações são corretamente valorizadas o tempo todo, com os preços refletindo todas as informações públicas sobre o valor do ativo. É o conceito de informationally efficient. Segundo ele, os preços devem seguir um random walk, e o que muda os preços são as notícias imprevisíveis.
A segunda é a Análise Fundamentalista. Ela é o estudo das demonstrações contábeis e das expectativas futuras para determinar o valor da empresa. Para eles, há ações desvalorizadas, supervalorizadas ou corretamente valorizadas, determinado pelo valor real vezes o preço de comercialização.
A terceira é a teoria da Irracionalidade do Mercado. Os mercados de ativos são movidos pelos instintos animais de seus investidores e graças à especulação o valor da ação para o acionista depende não só dos dividendos, mas do preço de venda no futuro. Assim, ela determina que é preciso avaliar não só o valor da empresa, mas o que as outras pessoas pensarão dela no futuro e que os preços flutuam graças a essa irracionalidade.
28. DESEMPREGO
O desemprego se mede através da razão entre o número de desempregados e a força de trabalho vezes 100. Ela varia entre os grupos da economia. Deve-se diferenciar a taxa natural de desemprego e o desemprego fixo, que flutua em torno da taxa natural. Podemos medir também a taxa de participação na força de trabalho, que é a razão percentual entre a força de trabalho e a população adulta. Quase metade dos períodos de desemprego termina quando o desempregado abandona a força de trabalho, é o chamado trabalhador desalentado. Devemos considerar se é uma situação de curto ou de longo prazo. A maior parte dos períodos é breve e a maior parte do desemprego observado em qualquer período é de longo prazo. Assim, temos muitas pessoas desempregadas por pouco tempo e poucas desempregadas por muito. Portanto, o maior problema do desemprego são aqueles que ficam muito tempo desempregados.
Em qualquer sociedade sempre haverá desempregados. Isso se deve a dois fatores: o desemprego friccional, que é aquele que acontece porque se leva um tempo para encontrar um emprego novo e o desemprego estrutural, que é determinado pelo número insuficiente de empregos disponíveis no mercado de trabalho. Também pode aumentar quando os salários estão acima do equilíbrio de oferta e demanda por mão-de-obra.
A procura de emprego (desemprego