Direito Administrativo (13)
13 pág.

Direito Administrativo (13)


DisciplinaDireito Administrativo I66.644 materiais1.165.395 seguidores
Pré-visualização5 páginas
órgão administrativo.
4) As intimações observarão a antecedência mínima de três dias úteis quanto à data de comparecimento, 
podendo ser efetuada por ciência no processo, por via postal com aviso de recebimento, por telegrama ou 
outro meio que assegure a certeza da ciência do interessado. Interessados em lugar incerto e não sabido 
serão intimados por publicação oficial.
I
II
III
IV
I
II
III
IV
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
07
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
Aqui é essencial pontuarmos que deve imperar o princípio da ampla defesa e da contraditória, assegurado 
constitucionalmente no caso em questão aos interessados no processo administrativo.
Passaremos agora a fase 2 da dinâmica do processo administrativo e que diz respeito à instrução processual.
É na instrução processual que são colhidas provas das mais diversas naturezas: testemunha, documentos, 
pericial etc., vedadas todas as provas obtidas por meios ilícitos.
O responsável pela instrução a fim de facilitar o procedimento fará constar dos autos os dados necessários à 
decisão do processo, de modo menos oneroso aos interessados.
Quando o interessado declarar que fatos e dados estão registrados em documentos existentes na própria 
Administração responsável pelo processo ou em outro órgão administrativo, o órgão competente para a 
instrução proverá, de ofício, à obtenção dos documentos ou das respectivas cópias.
O interessado poderá, na fase instrutória e antes da tomada da decisão, juntar documentos e pareceres, 
requerer diligências e perícias, bem como aduzir alegações referentes à matéria objeto do processo.
Quando dados, atuações ou documentos solicitados ao interessado forem necessários à apreciação de 
pedido formulado, o não atendimento no prazo fixado pela Administração para a respectiva apresentação 
implicará arquivamento do processo.
Os interessados serão intimados de prova ou diligência ordenada, com antecedência mínima de três dias 
úteis, mencionando-se data, hora e local de realização.
 
§ 1o Se um parecer obrigatório e vinculante deixar de ser emitido no prazo fixado, o processo não terá 
seguimento até a respectiva apresentação, responsabilizando-se quem der causa ao atraso.
 § 2o Se um parecer obrigatório e não vinculante deixar de ser emitido no prazo fixado, o processo poderá ter 
prosseguimento e ser decidido com sua dispensa, sem prejuízo da responsabilidade de quem se omitiu no 
atendimento.
No caso da necessidade de laudos técnicos de competência específica de determinados órgãos 
administrativos, quando estes não cumprirem o encargo de produção dos laudos, outro órgão com as 
mesmas aptidões de qualificação e capacidade técnica deverá ser chamado para suprir a omissão.
Dada por encerrada a instrução, é de 10 dias o prazo para o interessado se manifestar.
Para garantir a eficácia do princípio da publicidade e da ampla defesa a Lei do processo administrativo 
garante aos interessados o direito à vista do processo, bem como a obter certidões ou cópias reprográficas 
dos dados e documentos que o integram, ressalvados os dados e documentos de terceiros protegidos por 
sigilo ou pelo direito à privacidade, à honra e à imagem. 
Caso o órgão de instrução não seja competente para emitir a decisão final elaborará relatório indicando o 
pedido inicial, o conteúdo das fases do procedimento e formulará proposta de decisão, objetivamente 
justificada, encaminhando o processo à autoridade competente.
 
Na fase decisória cabe ao órgão competente enfrentar a questão proposta analisando-a diante de todos as 
provas produzidas para ao final concluir por meio da decisão, que será exarada no prazo de 30 dias, 
prorrogáveis por mais 30 dias desde que de forma justificada.
Nos moldes do preceituado no art. 93, inciso IX da CF/88 as decisões deverão ser motivadas, o que significa 
que o órgão decisório deverá detalhar as razões e os motivos pelos quais irá decidir de determinada 
maneira. É uma garantia de ordem constitucional que visa trazer ao interessado maiores possibildades de 
saber as razões pelas quais teve seu requerimento deferido ou indeferido. É fácil entendermos que só será 
possível recorrer das razões conhecidas pelo interessado e assim a motivação cumpre um papel ímpar nesta 
questão.
A lei 9784/99 destaca que a motivação deve ser explícita, clara e congruente, podendo consistir em 
declaração de concordância com fundamentos de anteriores pareceres, informações, decisões ou 
propostas, que, neste caso, serão parte integrante do ato.
Finalmente para concluirmos este tópico devemos encerrá-lo sublinhando as hipóteses de desistência e de 
extinção do processo
O interessado poderá por meio de pedido escrito desistir total ou parcialmente do pedido formulado, bem 
como renunciar a direitos que sejam disponíveis.
No caso de vários interessados, a desistência ou renúncia atinge somente quem a tenha formulado.Se o 
interesse público assim o exigir a desistência ou renúncia do interessado, não prejudicará o prosseguimento 
do processo.
INTERPOSIÇÃO DO RECURSO ADMINISTRATIVO E A REVISÃO PELO ÓRGÃO AUTÁRQUICO.
Das decisões do Instituto Nacional do Seguro Social nos processos de interesse dos beneficiários e dos 
contribuintes da seguridade social caberá recurso para o Conselho de Recursos da Previdência Social. 
O prazo é de 30 dias para interposição de recursos e para o oferecimento de contra- razões, contados da 
ciência da decisão e da interposição do recurso, respectivamente. O prazo da lei original era de 15 dias mas 
foi alterado pelo Decreto 4.729 de 10/06/2003.
Poderá haver retratação do Instituto Nacional do Seguro Social , o qual reformará a sua decisão e de 
maneira favorável ao interessando, deixando de encaminhar o recurso à instância competente. 
DA FASE DECISÓRIA E DO DEVER DE MOTIVAÇÃO
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
08
09
Se o reconhecimento do direito do interessado ocorrer na fase de instrução do recurso por ele interposto 
contra decisão de Junta de Recursos, ainda que de alçada, ou de Câmara de Julgamento, o processo, 
acompanhado das razões do novo entendimento, será encaminhado: 
I - à Junta de Recursos, no caso de decisão dela emanada, para fins de reexame da questão; ou 
II - à Câmara de Julgamento, se por ela proferida a decisão, para revisão do acórdão, na forma que dispuser 
o seu Regimento Interno. 
DO DEPÓSITO RECURSAL
Em se tratando de processo que tenha por objeto a discussão de crédito previdenciário, o recurso de que 
trata esta Subseção somente terá seguimento se o recorrente pessoa jurídica instruí-lo com prova de 
depósito, em favor do Instituto Nacional de Seguro Social, de valor correspondente a trinta por cento da 
exigência fiscal definida na decisão. 
A interposição de recursos nos processos de interesse de beneficiários ou que tenham por objeto a discussão