Parte 2
29 pág.

Parte 2


DisciplinaImunologia Básica2.791 materiais93.328 seguidores
Pré-visualização12 páginas
de anticorpos é normal ou diminuída. O
transplante do timo fetal pode reconstituir a imunidade de células T. O timo de uma
criança com mais de 14 semanas não deve ser usado porque pode ocorrer uma
reação enxerto contra hospedeiro.
B. Candidíase mucocutânea crônica: Nesta doença, a pele e as membranas mucosas
das crianças são afetadas por Cândida albicans, as quals, em indivíduos
imunocompetentes, fazem parte da flora normal, não-patogênica. Essas crianças
apresentam uma deficiência de células T especificamente para este organismo;
outras funções das células Te B são normais. O tratamento consiste, primariamente,
de drogas antifúngicas.
C. Síndrome de hiper-lgM: Nesta síndrome, infecções severas recorrentes aparecem
no início da vida. Os pacientes apresentam altas concentrações de IgM mas muito
pouco IgG, IgA e IgE. Também possuem um número normal de células T e B. Embora
a principal manifestação desta síndrome seja a alteração dos anticorpos, a mutação
ocorre nas células T auxiliares CD4 positivas. As células T auxiliares possuem um
defeito na proteína de superfície que interage com o CD40 localizado na superfície
das células B. A falha na interação apropriada com o CD40 resulta na inabilidade das
células B de fazer a mudança de classe de IgM para as outras classes de anticorpos. O
tratamento com um pool de gamaglobulinas resulta na diminuição de infecções.
Deficiências Combinadas de Células T e B
A. Doença da imunodefidência combinada severa: (SCID, Severe Combined
Immunodeficiency Disease). Infecções recorrentes causadas por bactérias, vírus,
fungos e protozoários ocorrem na infância porque ambas células T e B são
defeituosas. Em algumas crianças, as células T e B estão ausentes, em outras, o
número de células é normal mas elas não funcionam apropriadamente. Este é um
grupo de doenças.herdadas, os quais são devidos a um defeito na diferenciação de
células precursoras. Há dois tipos: uma doença autossômica e outra ligada ao X.
Alguns pacientes com a doença ligada ao X apresentam um defeito no receptor de IL-
2 nas células T. Alguns pacientes com a forma autossômica da doença, apresentam
uma mutação no gene que codifica a tirosino-quinase denominado ZAP-70 que atua
na transdução de sinais nas células T. Uma outra forma da doença é devido à
ausência das proteínas de classe n do MHC como resultado da falha na transcrição de
genes do HLA-DR. Devido ao fato de a imunidade estar profundamente deprimida,
essas crianças devem estar protegidas da exposição a microrganismos, normalmente
mantidas em bolhas plásticas. Vacinas virais atenuadas ou inativadas não devem ser
administradas. O transplante de medula óssea pode restaurar a imunidade.
B. Deficiência de adenosina desaminase e nucleosídeo fosfori-Iase: Pacientes com
ausência hereditária dessas enzimas podem apresentar uma severa deficiência de
células T e B, causando a SCID, embora alguns apresentem somente uma leve
disfunção. A ausência dessas enzimas resulta no acúmulo de dATP, um inibidor da
redutase da ribonuclease e, conseqüentemente, um decréscimo na
desoxinucleosídeo fosfatase, precursora de DNA. Esta severidade afeta a
diferenciação da medula óssea. O transplante de medula óssea pode ser benéfico.
C. Síndrome de Wiskott-Aldrich: Infecções piogênicas , recorrehtes, eczema e
sangramento devido a uma trombocitopenia durante o primeiro ano de vida são as
características desta síndrome. O defeito mais importante é a incapacidade. de
montar uma resposta IgM a polissacarídeos capsulares de bactérias, tais como os
pneumococos. Os níveis de IgG são normais e a imunidade de células T é variável. O
transplante de medula óssea pode ser benéfico.
D. Teleangiectasia-ataxia: Nesta doença, a ataxia (incoordenação matara), a
teleangiectasia (alargamento dos pequenos vasos sanguíneos da conjuntiva e da
pele) e infecções recorrentes são os sintomas mais comuns. Esta é uma doença
autossômica recessiva que aparece aos dois anos de idade. É comum a deficiência de
IgA e linfopenia. O tratamento indicado para corrigir esta imunodeficiência não foi
bem sucedido.
Deficiências do Complemento
A. Angioedema hereditário: Esta é uma doença autossômica dominante rara devido a
uma deficiência do inibidor CI. Na ausência do inibidor, o CI continua a agir no C4
gerando C4a e subsequentemente componentes vasoativos adicionais tais como C3a
e C5a. Isto leva à permeabilidade capilar e edema em vários órgãos. O edema
laringeal pode ser fatal. Drogas esteróides, tais como oxi-metolona e danazol, podem
ser utilizadas para aumentar a concentração do inibidor de CI.
B. Infecções recorrentes: Pacientes com deficiências em CI, C3 ou C5 ou dos
componentes C6, C7 e C8 apresentam uma sensibilidade aumentada a infecções
bacterianas. Pacientes com deficiência em C3 são particularmente suscetíveis à
sepsia com bactérias piogênicas tais como Staphylococcus aureus. Aqueles com
níveis reduzidos de C6, C7 ou C8 apresentam uma tendência à bacteremia com
Neisseria meningitidis ou N. gonorrhoeae.
C. Doenças auto-imunes: Pacientes com deficiências C2 e C4 apresentam doenças
semelhantes ao lúpus sistémico eritematoso ou outras doenças auto-imunes. A
deficiência em C2 é o defeito do complemento mais comum e é, frequentemente,
assintomático.
D. Hemoglobinúria paroxismal noturna: Esta doença rara é caracterizada por
episódios de urina de coloração escura (hemoglobinúria), particularmente no início
da doença. A hemoglobinúria é devido a uma hemólise mediada pelo complemento.
Isto é causado por uma deficiência adquirida do fator de aceleração do decaimento
(DAF) na superfície de células sanguíneas precursoras, levando a um aumento na
ativação do complemento (ver Capítulo 63). Esses pacientes apresentam um defeito
no gene para as moléculas de an-coramento do DAF e outras proteínas na membrana
celular. Não há tratamento específico. O ferro pode ser administrado para anemia e
a prednisona pode ser útil.
Deficiências dos Fagócitos
A. Doenças granulomatosas crorucas (CGD, Chronic Granulo-rnatous Disease):
Pacientes com essa doença apresentam uma marcante suscetibilidade a infecções
oportunistas por certas bactérias e fungos (por exemplo, S. aureus), bastonetes
entéricos gram negativos e Aspergillus fumigatus. A principal preocupação não
envolve as infecções virais ou por protozoários. Na maioria dos casos, esta é uma
doença ligada ao cromossorno X que aparece aos dois anos de idade. (Em alguns
pacientes, a doença é autossômica.) Isto é devido a um defeito na atividade
microbicida intracelular dos neutrófilos como resultado da inatividade da NADPH
oxidase (ou uma enzima similar). Não há oxidação porque essas enzimas são
necessárias para a geração de peróxidos e superóxidos que matam os
microrganismos. As funções das células T e B são normais. No laboratório, o
60
61
diagnóstico pode ser confirmado pelo teste da redução do corante nitroblue tetrazol.
O tratamento baseia-se em drogas antimicrobianas. A administração de y-interferon
reduz significantemente a frequência de infecções recorrentes, provavelmente
devido a um aumento da fagocitose pêlos macrófagos. infusões de leucócitos podem
ser úteis.
B. Síndrome de Chédiak-Higashi: Nesta doença autossômica recessiva, ocorrem
infecções piogênicas recorrentes, causadas primariamente por estafilococos ou
estreptococos. Isto é devido à falha do esvaziamento dos lisossomas dos neutrófilos.
São observadas grandes inclusões granulares compostas por lisossomas anormais. A
formação de peróxido e superóxido é normal, bem como as funções das células T e B.
O tratamento envolve a administração de drogas antimicrobianas. Não há terapia
para o defeito dos fagóci-tos.
C. Síndrome de Job: Pacientes com essa síndrome apresentam abscessos "frios" de
estafilococos recorrentes, eczema e altos níveis de IgE. O principal defeito é a falha
na produção de Y-interferon pelas células T. Isto leva a um aumento do número de
células Th2 e, conseqüentemente, altos níveis de IgE. O aumento nos níveis de IgE
causa a liberação de histamina bloqueando certos aspectos da resposta inflamatória,