SDRA
19 pág.

SDRA


DisciplinaFisioterapia13.118 materiais50.857 seguidores
Pré-visualização8 páginas
implicados na doença seria benéfico. O problema é que o número 
de mediadores envolvidos é muito grande e o bloqueio de alguns deles pode não ser suficiente 
para trazer benefícios clínicos significativos. Dentre os medicamentos de ação antiinflamatória 
já estudados na SDRA destacam-se os corticosteróides, já discutidos anteriormente, o 
cetoconazol e a pentoxifilina. 
O cetoconazol, além de sua ação antifúngica, inibe a síntese de tromboxano e leucotrienos, 
mediadores inflamatórios que participam de alguns efeitos deletérios na SDRA, como, por 
exemplo, a vasoconstrição pulmonar. Apesar desses efeitos biológicos, estudos clínicos que 
avaliaram o cetoconazol na SDRA não mostraram resultados satisfatórios, talvez porque ele 
promova o bloqueio apenas de alguns dentre muitos mediadores inflamatórios envolvidos. 
A pentoxifilina inibe a liberação de ácidos fosfatídicos, que também atuam como mediadores da 
inflamação. De forma semelhante ao que ocorre com o cetoconazol, apesar de ser 
biologicamente ativa, os estudos clínicos com a pentoxifilina não têm resultados animadores. 
37 - Qual o papel dos antioxidantes no tratamento da síndrome do desconforto 
respiratório agudo (SDRA)? 
Dentre os diferentes mediadores implicados na patogenia da SDRA estão as espécies reativas 
tóxicas do oxigênio (ERTO), que além de estarem presentes em concentrações aumentadas, 
contam com a redução da atividade de substâncias antioxidantes. As ERTO podem causar 
lesão direta dos tecidos e estimular uma série de mediadores inflamatórios, agravando a lesão 
pulmonar. O uso de substâncias antioxidantes, portanto, poderia ser benéfico na SDRA. 
Dentre os antioxidantes, o que é mais estudado na SDRA é a N-acetilcisteína. Apesar de 
alguns resultados iniciais promissores, a N-acetilcisteína acabou não se mostrando útil no 
 
 
www.pneumoatual.com.br 
tratamento da SDRA, não tendo impacto clínico significativo que justifique seu uso. Em relação 
aos demais antioxidantes, como o ácido ascórbico, o tocoferol ou os flavonóides, os estudos 
são menos freqüentes e ainda não mostraram benefícios clínicos importantes. 
38 - Qual o papel dos beta-2 agonistas no tratamento da síndrome do desconforto 
respiratório agudo (SDRA)? 
Os beta-2 agonistas são capazes de aumentar o transporte do sódio através da membrana 
alvéolo-capilar, reduzindo assim o edema na SDRA. Adicionalmente alguns autores lhes 
atribuem ação antiinflamatória, o que poderia também contribuir no tratamento. Embora não 
seja parte central da fisiopatologia da SDRA, alguns pacientes podem ter algum grau de 
broncoconstrição, que melhora com os beta-2 agonistas. 
Apesar de toda esta fundamentação teórica, existem poucos estudos clínicos sobre o uso de 
beta-2 agonista na SDRA. Em um deles, 40 pacientes com SDRA foram randomizados a 
receber salbutamol por via venosa (15 mcg/kg/hora) ou placebo. Ao final de 7 dias, os 
pacientes que receberam o beta-2 agonista apresentavam menos edema alveolar (estimado 
pela medida da água livre pulmonar por termodiluição) e melhor mecânica do sistema 
respiratório, mostrando benefícios da medicação. Estudos com desfechos clínicos mais 
relevantes, como mortalidade, duração da ventilação mecânica e da internação, são 
aguardados, bem como aqueles para avaliar a possibilidade de administrar o beta-2 agonista 
por via inalatória. Enquanto isso, não há recomendação de uso desses medicamentos na 
SDRA. 
39 - Leitura recomendada 
Amato MBP, Barbas CSV, Mdeiros DM, Magaldi RB, Schettino GPP, Lorenzi-Filho G, Kairalla 
RA, Deheinzelin D, Munoz C, Oliveira R, Takagaki TY, Carvalho CRR. Effect of a protective-
ventilation strategy on mortality in the acute respiratory distress syndrome. N Engl J Med 
1998;338: 347-54. 
Amato MBP, Carvalho CRR, Ísola AM et al. Ventilação mecânica na lesão pulmonar 
aguda/síndrome do desconforto respiratório agudo. III Consenso Brasileiro de Ventilação 
Mecânica. J Bras Pneumol 2007;33(supl 2):s119-s127. 
Artigas A, Bernard GR, Carlet J et al. The American-European Consensus Conference on 
ARDS, Part 2. Am J Respir Crit Care Med 1998;157:1332-47. 
Carvalho CRR, Barbas CSV, Amato MBP. Ventilação mecânica na lesão pulmonar 
aguda/síndrome da angústia respiratória aguda. In: Carvalho CRR. Ventilação mecânica - 
Volume II - Avançado. São Paulo: Editora Atheneu, 2000, p123-152. 
Cordingley JJ, Keogh BF. The pulmonary physician in critical care 8: ventilatory management of 
ALI/ARDS. Thorax 2002;57:729-734. 
Cranshaw J, Griffiths MJD, Evans TE. The pulmonary physician in critical care: non-ventilatory 
strategies in ARDS. Thorax 2002;57:823-829. 
Evans TW, Griffiths MJD, Keogh BF. ARDS. European Respiratory Monograph, vol. 7, 2002. 
Hickling KG. Targets during mechanical ventilation. In: Marini JJ, Slutsky AS. Physiologic Basis 
of Ventilatory Support. New York, Marcel Dekker Inc., 1998 p655-707. 
Meduri GU, Headley AS, Golden E et al. Effect of prolonged methylprednisolone therapy in 
unresolving acute respiratory distress syndrome: a randomized controlled trial. JAMA 
1998;280:159-65. 
Mercat A, Richard JCM, Vielle B et al. Positive end-expiratory pressure setting in adults with 
acute lung injury and acute respiratory distress syndrome. A randomized controlled trial. JAMA 
2008;299:646-655. 
Slutsky AS. Mechanical ventilation. ACCP Consensus Conference. Chest 1993;104:1833-1859. 
Sobrinho JBB, Amato MBP, Barbas CSV, Carvalho CRR. PEEP e recrutamento pulmonar. In: 
Carvalho CRR. Ventilação Mecânica-Volume II-Avançado. São Paulo:Editrona Atheneu, 2000, 
p79-105. 
 
 
www.pneumoatual.com.br 
Stevens TP, Sinkin RA. Surfactant replacement therapy. Chest 2007;131:1577-1582. 
The National Heart, Lung, and Blood Institute Acute Respiratory Distress Syndrome (ARDS) 
Clinical Trials Network. Comparison of two fluid-management strategies in acute lung injury. N 
Engl J Med 2006;354:2564-2575. 
The National Heart, Lung, and Blood Institute Acute Respiratory Distress Syndrome (ARDS) 
Clinical Trials Network. Efficacy and safety of corticosteroids for persistent acute respiratory 
distress syndrome. N Engl J Med 2006;354:1671-1684. 
The Acute Respiratory Distress Syndrome Network. Ventilation with lower tidal volumes as 
compared with traditional volumes for acute lung injury and the acute respiratory distress 
syndrome. N Engl J Med 2000;342:1301-1308. 
Tobin MJ. Advances in mechanical ventilation. N Engl J Med 2001;344:1986-1996. 
Ware LB, Matthay MA. The acute respiratory distress syndrome. N Engl J Med 2000;342:1334-
1349. 
Wheeler AP, Bernard GR. Acute lung injury and the acute respiratory distress syndrome: a 
clinical review. Lancet 2007;369:1553-1565.