Direito Administrativo (18)
11 pág.

Direito Administrativo (18)


DisciplinaDireito Administrativo I66.644 materiais1.165.413 seguidores
Pré-visualização4 páginas
a aposentadoria por tempo de serviço.(TRF4ª R. - AMS 2000.72.00.009195-4 - SC - 6ª T. - Rel. 
Des. Federal Néfi Cordeiro - DJU 18.06.2003)
MANDADO DE SEGURANÇA - APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO - ATIVIDADE ESPECIAL . O 
tempo de serviço prestado em condições especiais, consoante a legislação da época, configura direito 
adquirido, fazendo jus o segurado à conversão do tempo de serviço considerado como em condições 
especiais, ainda que atualmente seja outro o regime jurídico aplicável. A partir da Lei nº 9.032/95 passou a 
ser necessária a demonstração efetiva de exposição aos agentes nocivos através da apresentação de laudo 
pericial para o período posterior à referida Lei. Apelação e remessa oficial conhecidas e improvidas. (TRF4ª 
R. - AMS 2000.72.00.008178-0 - SC - 6ª T. - Rel. Juiz Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz - DJU 
19.09.2001)
PREVIDENCIÁRIO - MANDADO DE SEGURANÇA - APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - GREVE DOS 
FUNCIONÁRIOS DO INSS - IMPOSSIBILIDADE DA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA - UTILIZAÇÃO DE 
ATESTADOS MÉDICOS APRESENTADOS PELO SEGURADO ADMISSIBILIDADE.
 1 - Em questões que envolvem benefícios de natureza urgente, como o auxílio-doença, a concessão do 
benefício se justifica, mesmo que com base em atestados médicos, como meio de tornar efetiva a prestação 
jurisdicional que, se retardada, causaria ao segurado um dano irreparável, ou por ser obrigado a trabalhar 
sem ter condições de saúde para tanto, ou por se ver privado de sua fonte de sustento. 2 - O segurado não 
pode ficar desamparado em virtude de obstáculos de ordem interna do INSS e o mandado de segurança é o 
instrumento viável para evitar que lesão aos seus direitos se efetive. (TRF4ª R. - AMS 2001.71.00.028955-0 - 
RS - 5ª T. - Rel. Des. Fed. A A Ramos de Oliveira - DJU 25.06.2003)
MANDADO DE SEGURANÇA - PREVIDENCIÁRIO - TEMPO DE SERVIÇO ESPECIAL - CONVERSÃO - 
OS/INSS Nº 600/98 - PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DA LEI - LAUDO PERICIAL - MP Nº 1.523 .
 1 - O disposto no item 7 da Ordem de Serviço INSS/DSS 600, de 02.06.1998 ofende o princípio da 
irretroatividade de lei no tempo, razão pela qual atinge o direito líquido e certo do impetrante em ter 
processado, em conformidade com a lei vigente à época do requerimento administrativo, seu pedido para 
concessão de aposentadoria por tempo de serviço. 2 - A exigência do laudo pericial é devida até a Medida 
Provisória nº 1.523, publicada em 14 de outubro de 1996 que, entre outras providências, determinou que a 
efetiva exposição aos agentes nocivos à saúde somente poderá ser comprovada por meio de laudo pericial. 
(TRF4ª R. - AMS 2000.71.02.002239-0 - RS - 6ª T. - Rel. p/Acórdão Tadaaqui Hirose - DJU 05.09.2001)
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
06
MANDADO DE SEGURANÇA - INSS - PENSÃO - ALIMENTOS - DESCONTO - RESTITUIÇÃO DE 
PAGAMENTO A MAIOR - O benefício de pensão alimentícia ao alimentado e paga pelo alimentante, 
que é segurado da previdência social, não constitui benefício previdenciário, não se enquadrando na 
hipótese do art. 115, II, da Lei nº 8.213/91, e, portanto, não pode sofrer redução de valor a título de 
desconto de pagamento efetuado a maior. (TRF4ª R. - AMS 2001.71.10.001896-5 - RS - 4ª T. - Rel. 
Des. Fed. Edgard A. Lippmann Júnior - DJU 03.12.2003) Ref. Legislativa: Lei nº 8.213-91, art. 115 II
PREVIDENCIÁRIO - MANDADO DE SEGURANÇA - EXIGÊNCIA DE PAGAMENTO DE DÉBITOS 
PREVIDENCIÁRIOS PARA PAGAMENTO DE BENEFÍCIO - ILEGALIDADE - OS/MPAS 623/99. 1 - Ilegal 
a prática do INSS consubstanciada na exigência de quitação de débitos previdenciários, decorrentes do 
não recolhimento de contribuições como contribuinte individual, para liberar valores correspondentes 
ao auxílio-doença acidentário concedido ao impetrante, uma vez que tal benefício foi calculado 
considerando-se, tão-somente, as contribuições de sua atividade como empregado, estando presentes 
todos os requisitos legais necessários à concessão. 2 - As normas internas do INSS, no caso a OS/MPAS 
623/99, não têm o condão de condicionar direitos legalmente obtidos pelo segurado (concessão do 
benefício) ao cumprimento de exigências que a lei não contempla. (TRF4ª R. - AMS 
2000.71.00.033170-7 - RS - 6ª T. - Rel. Des. Fed. Tadaaqui Hirose - DJU 12.06.2002)
o
DECRETO N 3.048, DE 6 DE MAIO DE 1999.
 
REGULAMENTO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 
Art. 154. O Instituto Nacional do Seguro Social pode descontar da renda mensal do benefício:
I - contribuições devidas pelo segurado à previdência social;
II - pagamentos de benefícios além do devido, observado o disposto nos §§ 2º ao 5º;
III - imposto de renda na fonte;
IV - alimentos decorrentes de sentença judicial; e
V - mensalidades de associações e demais entidades de aposentados legalmente reconhecidas, desde 
que autorizadas por seus filiados, observado o disposto no § 1º.
VI - pagamento de empréstimos, financiamentos e operações de arrendamento mercantil concedidos por 
instituições financeiras e sociedades de arrendamento mercantil, públicas ou privadas, quando 
expressamente autorizado pelo beneficiário, até o limite de trinta por cento do valor do benefício.
§ 1º O desconto a que se refere o inciso V do caput ficará na dependência da conveniência 
administrativa do setor de benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social.
§ 2º A restituição de importância recebida indevidamente por beneficiário da previdência social, nos 
casos comprovados de dolo, fraude ou má-fé, deverá ser feita de uma só vez, atualizada nos moldes do 
art. 175, independentemente de outras penalidades legais.
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
07
§ 3º Caso o débito seja originário de erro da previdência social, o segurado, usufruindo de benefício 
regularmente concedido, poderá devolver o valor de forma parcelada, atualizado nos moldes do art. 
175, devendo cada parcela corresponder, no máximo, a trinta por cento do valor do benefício em 
manutenção, e ser descontado em número de meses necessários à liquidação do débito.
§ 4º Se o débito for originário de erro da previdência social e o segurado não usufruir de benefício, o 
valor deverá ser devolvido, com a correção de que trata o parágrafo anterior, da seguinte forma:
I - no caso de empregado, com a observância do disposto no art. 365; e
II - no caso dos demais beneficiários, será observado:
a) se superior a cinco vezes o valor do benefício suspenso ou cessado, no prazo de sessenta dias, 
contados da notificação para fazê-lo, sob pena de inscrição em Dívida Ativa; e
b) se inferior a cinco vezes o valor do benefício suspenso ou cessado, no prazo de trinta dias, contados 
da notificação para fazê-lo, sob pena de inscrição em Dívida Ativa.
§ 5º No caso de revisão de benefícios em que resultar valor superior ao que vinha sendo pago, em 
razão de erro da previdência social, o valor resultante da diferença verificada entre o pago e o devido 
será objeto de atualização nos mesmos moldes do art. 175.
o
§ 6 O INSS disciplinará, em ato próprio, o desconto de valores de benefícios com fundamento no inciso 
VI do caput, observadas as seguintes condições:
I - a habilitação das instituições consignatárias deverá ser definida de maneira objetiva e transparente;
II - o desconto somente poderá incidir sobre os benefícios