ok microbianas 11.11.11
22 pág.

ok microbianas 11.11.11


DisciplinaEpizootiologia das Doenças Microbianas14 materiais26 seguidores
Pré-visualização5 páginas
monócito e linfócito (tem um núcleo), Sendo o Linfócito tomando quase todo o espaço do citoplasma, e o monócito é uma estrutura mais amorfa).
Então quando o retrovirus atinge a linha Mononuclear: ele atinge normalmente a linha linfocítica. Mas isso não quer dizer que não pode pegar também outras células. Por isso que pode desencadear inclusive a leucemia, sendo que a leucemia seria uma alteração neoplásica.
No exame de sg: temos linfócito T e outro é B, porém no exame são os 2 (não tem como diferenciar um do outro na célula). Quando ocorre o encontro de um Ag onde o B é o responsável por célula de memória, mas vc não consegue diferenciar no hemograma, pois os 2 são circulantes.
O que vc observa é que quando existe uma proliferação do linfócito B se diferenciando em plasmócito, ai vc consegue ver e diferenciar, ai ele tem uma alteração morfológica que dá para vc falar que vc tem um plasmócito, que alguns autores chamam de imonócitos.
Cuidado: O linfócito é um cara muito imprevisível, as vezes vc pega um hemograma e está lá: linfopenia, e logo depois está linfócitos normais. O linfócito sai do sangue, vai pra um tecido linfóide, depois vai para linfa, depois volta pro sangue, etc. Quando vc tira foto do exame de sg ele pode não estar circulando e com isso vc tem uma baixa de linfócito, porem não é um exame conclusivo.
Ex. quando vc tem uma carga parasitaria intestinal, o eosinófilo sai do sangue e vai para o intestino, eles não estão no sangue, estão no intestino, com isso vc tem uma baixa de eosinófilos, vc só encontra basofilia quando vc tem cronicidade.
Ex. dirofilaria (fica no sg): eosinofilia. Essas coisas são muito relativas, tem que tomar cuidado para não ser muito radical. Vc tem que avaliar aquele paciente.
O vírus retrovírus tem capacidade de não só gerar uma infecção, como gerar uma neoplasia, então agente diz que ele é oncogênico, ele pode gerar neoplasia. 
O vírus entra numa célula, ele pode fazer uso do genoma da célula, se ele calhar de fazer bem na parte do genoma que é responsável por transformar aquela célula numa neoplasia. 
Agente tem genes para isso, por isso que é uma predisposição em ter câncer ou não, por isso que o medico pergunta se vc tem alguém que teve câncer na família, porque vc pode ter um genoma para isso, tem pessoas que são mais predispostas. É uma herança genética.
Vc tem uma pré disposição. Se ele entra no vírus e vai direto naquilo e faz um provírus, ele começa a produzir toda a parte do DNA que é neoplásico, então ele vai transformar aquelas células em neoplásicas.
Basta uma célula se implantar para ela fazer uma neoplasia. Qual célula são os mais acometidos? Os mais acometidos são os linfócitos.
Produção da transcriptase reversa - cópia de DNA (provírus) do RNA viral do FeLV. 
O provírus é inserido no genoma celular do hospedeiro - novas partículas virais 
A produção de transcriptase reversa faz a cópia de DNA e do RNA viral do FeLV. Ele tem essa capacidade dessa enzima transcriptase reversa. O provirus é inserido no genoma celular do hospedeiro, então ele faz a copia e ele implanta isso no próprio DNA que ele está hospedando para que ela forme novas partículas virais. Ele domina, ele toma conta daquela célula, então a célula que faz essa replicação para ele, essa produção de partículas virais para ele.
	O vírus entrou, pela transcriptase ela copiou, ela se implantou nessa célula, e do jeito que ela se implantou no pedacinho do DNA, ela pode se implantar num pedaço que vai produzir a neoplasia.
Sempre vai ocorrer neoplasia? Nem sempre. Por isso que normalmente quando agente vê uma neoplasia em felino, agente faz a pesquisa de FeLV (é muito comum, está muito ligado a isso).
Uma coisa que o professor vê muito no laboratório e que o veterinário não fica atento é: 
Esse mesmo vírus, vamos falar nos estágios dele, e um dos estágios é na medula óssea. E nessa medula óssea o que ele faz: ele entra numa célula, a célula que ele entra é a célula que vai gerar os eritrócitos. Mas ele entra naquele genoma e o que acontece com o eritrócito: o eritrócito é nucleado e vai perder o núcleo, mas esse não vai conseguir perder o núcleo porque o núcleo está anômalo. 
O que vou esperar de um hemograma de um gato que venha com FeLV: Hemácias nucleadas.
Como vai ser esse VGM e CHGM: 
Como é a produção normal de um eritrócito: O eritrócito vem de uma célula normal que é uma célula tronco, que pode se diferenciar em uma das 3 séries: Leucocítica, Eritrocítica e Megacariocitica.
O que acontece: Essa eritrocítica tem um blasto grande que é nucleado, e ele vai sofrendo toda uma transformação, ele vai perdendo essa parte do volume porque ele está perdendo núcleo. Até o momento de metarubrícito que ele vai passar a reticulócito e o núcleo desaparece. O que entra nessa célula: Entra a própria globina ou hemoglobina. Quem dá a cor para a célula é a hemoglobina. Então no momento que ele perde o núcleo a ele ganha a hemoglobina, por isso que eu tenho um \u201cEritrócito normocítico e normocrômico\u201d.
O quanto cabe de hemoglobina dentro da célula: 1/3. Temos 2/3 é água.
O CHGM dentro do esperado, tem que estar 1/3 do volume globular. 
Ex.: Se ele tem volume globular de 30, ele precisa der 10g/dl de hemoglobina.
O que acontece com essa célula: A célula está no blasto, tem núcleo, o retrovírus entra aqui e dá uma anomalia nuclear. Portanto essa célula não vai perder o tamanho dela, muito menos o núcleo.
Isso acontece quando ele está no estágio de estar infectando a medula óssea.
Aquela fase dele perder o núcleo e da hemoglobina entrar, ele não perde o núcleo e a hemoglobina entra, então a hemoglobina vai ficar ali dentro. Ela vai entrar a ponto de segurar 1/3 da célula, então vc vai ter normalmente uma anemia do tipo macrocítica normocrômica arregenerativa.
A coloração está normal, o tamanho está alterado porque eu tenho um VGM aumentado.
Ex: Ai agente pensa assim: gato está fazendo uma anemia macrocitica, eu aprendi que os macrocitos são células primarias da medula, então pensa que a resposta da medula está boa, mas ai quando vc vai dosar os reticulócitos dá basicamente zero ou próximo de zero.
É uma anemia arregenerativa porque ele domina essa célula. 
Ele não está respondendo, a medula não esta respondendo, é o vírus que está implantado fazendo a anomalia de genoma. Então é muito comum vc pegar quando ele está nessa fase de medula óssea, fazer anemia macrocítica normocrômica, é um indício forte para FeLV. 
O que vc espera: Num animal normal, perdeu sangue, vc tem uma hipoxia. Porque produz sangue: porque falta O2, e se falta O2 há um estimulo da eritropoitina na medula para produzir mais. Ela começa a produzir, produzir e produzir, só que ela não espera aquela linha de montagem normal, ela libera antes, então normalmente ela libera ainda aquelas células ainda gigantes, por isso que vc tem normalmente uma anemia macrocíticas, e vc pensa que anemia macrocítica é uma anemia responsiva. Mas nesse caso aqui, é macrocitica por uma alteração nuclear do retrovírus felino. O vírus não deixa o núcleo e o eritrócito ainda ganha a hemoglobina.
Vc encontra muitas hemácias nucleadas no gato com FeLV.
É normocrômica porque ela vai deixar a hemoglobina entrar no seu volume de 1/3 sempre.
Temos q tomar cuidado com o seguinte: no momento que eu tenho uma alteração a nível de linfócitos, os linfócitos T, na época embrionária, nasceram na medula (a medula tinha B e T), os T saíram e foram para timo, e os poucos B ficaram. Ele é chamado de linfócito T porque ele é Timo-dependente. Com isso chegou no Timo, o T se matura e depois que está maturado ele vai se implantar em órgãos linfóides secundários, por isso que vc não tem mais porque ter o timo, o timo faz uma regressão.
Agora vc tem todos os linfócitos T em órgãos linfóides. Quando vc tem uma alteração viral, o T fica desordenado, esse T normalmente volta para medula. 
O professor cansou de ver no ultrassom gato com linfoma e indicar fazer uma avaliação de medula, se a medula está tomada de linfócitos, esquece, que não tem o que fazer. 
Distúrbio linfo-proliferativo: