Direito Administrativo (21)
10 pág.

Direito Administrativo (21)


DisciplinaDireito Administrativo I66.695 materiais1.166.039 seguidores
Pré-visualização3 páginas
de Imóveis onde os bens gravados se encontrarem.
O atual Código Civil traz ainda o penhor de veículos, desde que sejam empregados em qualquer espécie de 
transporte ou condução por via terrestre, pelo prazo de dois anos (prorrogáveis por mais dois), mediante 
instrumento público ou particular, registrado no Cartório de Títulos e Documentos do domicílio do devedor.
Não se poderá fazer penhor de veículos sem que os mesmos estejam previamente segurados contra furto, 
avaria, perecimento e danos causados a terceiros. A alienação ou a mudança do veículo empenhado, sem 
prévia comunicação ao credor, importam no vencimento antecipado do crédito pignoratício.
2. 3. 2. Penhor Legal
Trata-se do penhor que surge por imposição legal. O credor pode apossar-se dos bens do devedor, 
retirando-os de sua posse, para, sobre eles, estabelecer o direito real. Visa proteger certas pessoas, em 
determinadas situações. São hipóteses do penhor legal:
Os hospedeiros, estalajadeiros ou fornecedores de pousada ou alimentação, sobre as bagagens, móveis, 
jóias ou dinheiro que os seus consumidores ou fregueses tiverem consigo nas respectivas casas ou 
estabelecimento, pelas despesas ou consumo que aí tiverem feito. O dono do hotel apreende as bagagens e 
depois pede ao Juiz que homologue o penhor, apresentando a conta pormenorizada.
Artistas e auxiliares cênicos sobre o material da empresa teatral utilizado nas apresentações, pela 
importância de seus salários e despesas de transporte.
Dono do prédio rústico ou urbano sobre os bens móveis que o rendeiro ou inquilino tiver guarnecendo o 
mesmo prédio, pelos aluguéis ou rendas. 
O locador poderá, se não receber os aluguéis, reter os bens móveis existentes no interior do prédio locado, 
abrangendo também jóias, quadros e roupas, após requerer ao Juiz a homologação do penhor, juntando 
documentos como o contrato de locação e a prova de não pagamento.
05
3. Hipoteca 
3 .1. Conceito.
Trata-se do direito real de garantia, de natureza civil, que grava coisa imóvel pertencente ao devedor ou a 
terceiro, sem transmissão de posse ao credor, conferindo a este direito de vender judicialmente a coisa. 
Eventualmente, conforme veremos, a hipoteca pode ter como objeto coisa móveis. São partes desse direito 
real de garantia: 
Devedor hipotecante: que oferece o bem como garantia do pagamento da dívida.
Credor hipotecário: pessoa cujo crédito está garantido por hipoteca; empresta o dinheiro.
3. 2. Características gerais da hipoteca:
Tem natureza acessória; a dívida é o principal. A hipoteca é indivisível, subsiste mesmo que for paga parte da 
dívida.
Exige publicidade e especialização. Precisa ser registrado no Registro de Imóveis e o bem hipotecado deve 
ser atual e determinado.
O devedor hipotecante continua na posse do bem onerado, exercendo sobre ele todos os seus direitos, 
podendo, inclusive, perceber-lhe os frutos. 
Só perderá a posse por ocasião da excussão (venda judicial), se deixou de cumprir sua obrigação. Qualquer 
cláusula que confira ao credor a posse da coisa dada em garantia será considerada nula de pleno direito.
3. 3. Sub-hipoteca.
O Código Civil permite que um mesmo bem seja gravado de várias hipotecas (art. 1.476 do nCC), 
mencionando-se sempre a existência das anteriores, a menos que o título anterior proíba. Mesmo havendo 
pluralidade de hipotecas, o credor primitivo não fica prejudicado, porque goza do direito de preferência. 
Pode ocorrer que o valor das hipotecas somado seja superior ao do valor do bem. Nesse caso o sub-
hipotecário não passa de um credor comum em relação aos anteriores, que não serão prejudicados. A lei 
permite a prerrogativa de remir a hipoteca anterior, a fim de evitar a execução da mesma.
3. 4. Bens que podem ser hipotecados:
Os imóveis.
Os acessórios dos imóveis conjuntamente com eles. 
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
06
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
O domínio direto (a nua propriedade).
O domínio útil (o usufruto, o uso, a enfiteuse, a superfície).
As estradas de ferro.
Os recursos naturais independentemente do solo onde se acham.
Os navios e aeronaves (embora móveis especiais ou sui generis). 
3. 5. Especialização e publicidade da hipoteca. 
A especialização é a descrição pormenorizada, no contrato, dos bens dados em garantia, do nome das 
partes, da declaração do valor da dívida, do prazo para pagamento e da taxa de juros, se houver, etc.
A publicidade é dada pelo registro do título constitutivo no Registro de Imóveis. Todas as hipotecas serão 
inscritas no registro do lugar do imóvel. Sem a inscrição não vale a hipoteca contra terceiros, mas apenas 
entre os próprios contraentes (não é direito real, mas pessoal). A inscrição, além de marcar a data da 
constituição da hipoteca, marca, também, o seu termo final, pois o prazo de sua vigência é de vinte anos, só 
se podendo renovar mediante novo título e novo registro. 
3. 7. Direito à remição.
Trata-se aqui do resgate da hipoteca, mediante a quitação da dívida da obrigação principal, 
independentemente do consentimento do credor. O direito de remição cabe: ao próprio devedor ou aos 
membros de sua família; ao credor de segunda hipoteca (neste caso não se extingue a relação obrigacional, 
pois o segundo credor sub-roga-se na garantia e direitos do primeiro) e ao terceiro adquirente do imóvel.
3. 8. Perempção da hipoteca.
A palavra perempção, na ordem civil material, significa a extinção da hipoteca pelo decurso do tempo, eis 
que o contrato de hipoteca deve mencionar o prazo para seu vencimento. O prazo pode ser prorrogado até 
atingir 30 (vinte) anos, quando ela automaticamente se extingue (nova redação do art. 1.485 do nCC, dado 
pela Lei 10.931/04).
3. 9. Espécies de hipoteca:
Hipoteca convencional estabelecida por acordo de vontades entre credor e devedor da obrigação principal.
b) Hipoteca legal; existem casos em que a hipoteca sobre bens de determinadas pessoas decorre da lei, a 
saber: 
- às pessoas de direito público interno sobre os imóveis pertencentes aos encarregados da cobrança, guarda 
ou administração dos respectivos fundos e rendas;
07
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
- aos filhos, sobre os imóveis do pai ou da mãe que passar a outras núpcias, antes de fazer o inventário do 
casal anterior;
- ao ofendido, ou aos seus herdeiros, sobre os imóveis do delinqüente, para satisfação do dano causado 
pelo delito e pagamento das despesas judiciais;
- ao co-herdeiro, para garantia do seu quinhão ou torna da partilha, sobre o imóvel adjudicado ao herdeiro 
reponente;
- ao credor sobre o imóvel arrematado, para garantia do pagamento do restante do preço da arrematação.