RPG
64 pág.

RPG


DisciplinaFisioterapia13.173 materiais51.512 seguidores
Pré-visualização11 páginas
é possível obter bons resultados quando ainda a deformidade é apenas em consequência de postura incorreta. Neste caso, o tratamento pode ser feito por meio de exercícios de fisioterapia, pela troca de colchões usados por outros mais firmes e adequados e, em casos mais graves, o uso de coletes ortopédicos e palmilhas posturais, até que se complete o período de crescimento. 
Dentre as técnicas de fisioterapia mais eficazes, destacamos a própria RPG®, pois como já vimos, trata-se de um método totalmente isento de medicamentos que consiste apenas na manipulação da coluna vertebral e dos membros envolvidos no tratamento.
2.2 \u2013 Hiperlordose
1 \u2013 Lordose normal 
2 \u2013 Hiperlordose 
O termo lordose é designado para identificar as curvaturas normais da coluna vertebral, nas regiões lombar e cervical. Quando esta curvatura se torna acentuada em uma ou nas duas regiões, passamos a chamar este desvio de hiperlordose cervical ou lombar. 
A hiperlordose lombar é causada por um desequilíbrio e enfraquecimento dos músculos abdominais e dos glúteos com um encurtamento da musculatura lombar. Este problema acaba gerando outros problemas na coluna uma vez que realiza um realinhamento de todas as outras curvas num processo de compensação. 
Já a hiperlordose cervical é caracterizada por uma proeminência da cabeça, caracterizando um pescoço mais alongado à frente.
Entre as principais causas para a formação da hiperlordose é a má postura e surpreendentemente, o culto ao corpo. Explicamos: este problema é muito comum em mulheres que costumam usar sapatos de salto alto por muito tempo e praticantes de balé. No mesmo sentido, mulheres que frequentam academias de ginástica e praticam com frequência exercícios para fortalecer a região glútea, também costumam sofrer de hiperlordose, uma vez que tais exercícios sobrecarregam a musculatura lombar. 
No entanto, nem tudo é motivado pela busca do corpo perfeito. Há situações como as gestantes que passam a apresentar a hiperlordose quando tentam compensar o peso da barriga jogando a coluna para trás, assumindo com isso, uma postura inadequada. Na maioria dos casos, após o parto, a musculatura permanece flácida, dificultando o retorno à postura correta. 
A hiperlordose torna-se evidente quando o indivíduo passa a sentir muitas dores nas costas, principalmente quando realiza atividades que exigem a extensão da coluna lombar, como permanecer muito tempo em pé. Como a flexão do tronco alivia a dor, esta pessoa prefere permanecer sentada ou deitada. 
Esta é uma doença que quanto mais cedo for detectada, mais fácil será o seu tratamento. Assim, é importante que ao sentir dores nas costas, o indivíduo procure um médico que irá realizar os seguintes exames: 
- Exames físicos com observações detalhadas do paciente. Geralmente é realizado com as costas desnudas. 
- Exame de radiografia para complementar o exame físico. Este exame vai identificar possíveis deformidades na coluna vertebral 
Como se trata de uma doença que não possui um tratamento específico, o fisioterapeuta deverá planejar um programa de tratamento onde destacará a recuperação física, funcional e postural do paciente. Entre os métodos mais eficientes de tratamento estão o alongamento e a RPG® que tem trazido resultados surpreendentes para o paciente.
2.3 \u2013 Escoliose
Como já vimos anteriormente, a coluna vertebral, vista por trás, deve ser reta e alinhada. Assim, como observado na figura acima, a escoliose é um desvio da coluna vertebral tanto para a esquerda quanto para a direita resultando em um formato de \u201cS\u201d. 
Para o professor Souchard, a escoliose é uma deformação morfológica da coluna vertebral nos três planos, ou seja, ela realmente se torce, não somente para os lados, mas também, para frente, para trás e sobre seu próprio eixo.
Existem diversas causas para o surgimento da escoliose, como veremos a seguir: 
Posturais \u2013 São as escolioses frequentes em adolescentes. As curvas são leves e desaparecem completamente com a flexão da coluna vertebral. 
Idiopática \u2013 São as escolioses de causas desconhecidas, geralmente, presentes em 70% dos casos. Na maioria dos casos é causada por fatores hereditários. Conforme a idade, pode ser classificada em três tipos: 
- Infantil: Aparecem antes dos três anos de idade e se não forem cuidadas, podem se tornar muito graves. 
- Juvenil: Dos três aos 10 anos de idade. 
- Adolescente: dos 10 anos de idade até a maturidade. Consideramos aqui maturidade, o período após a primeira menstruação e o final da puberdade. 
Neuromuscular \u2013 Causadas por problemas neurológicos como paralisia cerebral ou poliomielite. 
Congênita \u2013 Relacionadas com a falha na formação das vértebras ou falhas na segmentação. 
Como na Hiperlordose, o diagnóstico realizado de forma precoce e uma avaliação clínica e radiológica do paciente, podem agilizar o tratamento, evitando que o paciente venha a sofrer danos mais graves. A avaliação postural está dentro da avaliação clínica, cabendo ao examinador comparar os dois hemicorpos do indivíduo nas vistas anterior, posterior e lateral, observando possíveis diferenças assimétricas. 
Para realizar um tratamento adequado da escoliose, é preciso verificar alguns fatores, entre eles a idade, flexibilidade, gravidade da curva e a sua causa, podendo realizar tratamentos conservadores como a fisioterapia e a RPG® até a utilização de coletes e a necessidade de intervenções cirúrgicas.
Colete de Milwaukee
Achamos interessante aqui, destacar o uso do colete em casos de escoliose. O Colete de Milwaukee foi idealizado em 1957 para ser usado como uma ferramenta que permite, através de uma força corretiva, solucionar o problema de escoliose sem impedir que o seu usuário realize as atividades que achar necessárias, claro que dentro de certo limite, para que não coloque em risco a eficiência do tratamento. 
O colete deve ser usado por 23 horas diárias, com uma hora para realização de exercícios e higiene pessoal. Quanto ao tempo de uso do colete, vai depender da regressão da curvatura, podendo ser usado por anos a fio. A retirada do colete deve ser gradativa, devendo utilizá-lo apenas a noite, até que haja o amadurecimento completo do esqueleto do paciente.
2.4 \u2013 Cervicalgia
A coluna cervical é considerada o elo flexível entre o crânio e o tronco, fazendo com que a cabeça realize uma movimentação adequada. Também é sua função dar suporte ao pescoço e proteção às estruturas vasculares e do sistema nervoso. 
Por tamanha importância, a coluna cervical merece cuidados especiais que nem sempre são oferecidos a ela, trazendo como consequência, dores, tensões e rigidez a esta região. 
Estes problemas que podem causar desde pequenos desconfortos até dores incapacitantes são conhecidos como cervicalgia (cervical=região do pescoço + algia=dor).
A cervicalgia, na maioria dos casos, está relacionada com movimentos bruscos do pescoço, longa permanência em posição forçada (dormir sentado com a cabeça pendurada), esforço ou trauma. O paciente costuma adquirir uma rigidez dos movimentos do pescoço e dor durante a palpação da musculatura da região afetada. Essa dor pode ser leve e local com uma sensação de cansaço, até uma dor mais forte e limitante. 
As cervicalgias podem ser decorrentes de várias causas, entre elas destacamos a desordem mecânica, fatores posturais e ergonômicos ou ao excesso de sobrecarga nos membros superiores. Como exemplo, podemos citar postura inadequada, posição imprópria durante o sono, bolsas pesadas com suporte nos ombros, sentar em cadeiras com braços elevados, estresse elevado durante atividade profissional, hérnias cervicais, lesões e fraturas das vértebras cervicais, tumores e históricos de doenças reumáticas. 
O diagnóstico dessa doença pode ser realizado clinicamente, apenas com a observação das características dos sintomas e o resultado do exame neurológico. Outros exames como radiografia, tomografia e ressonância magnética auxiliam o médico a determinar o tamanho da lesão e em que região da coluna ela está localizada. 
O tratamento da cervicalgia