epizootiologia 16.11.11
15 pág.

epizootiologia 16.11.11


DisciplinaEpizootiologia das Parasitoses15 materiais44 seguidores
Pré-visualização3 páginas
o inseto que na sua forma imatura fica no ambiente aquático.
Já a pulga se desenvolve no solo
Stomoxys: se desenvolve no solo, princ onde tem dejeto, fezes, matéria orgânica.
Hospedeiro
Qlq animal q vc coloca que esteja propicio para o desenvolvimento de mosquito, pulga ou mosca vc está colocando ele em risco
Dirofilarioses: dirofilaria immits
Tem o homem assumindo papel de hospedeiro sensível. O gato é sensível Tb, mas ele tem uma dinâmica que interfere, pq a microfilaremia da dirofilaria acontece no período no final da manha e final da tarde
Em relação a dipetalonemose
Gênero: dipetalonema reconditum
Quem transmite são pulgas do gênero ctenos cephalides. 
Oncocercose
Onchocerca guturosa
Setariose
Setaria setaria
Oncocerca e setaria são encontradas no mosquito de mangue
Simuliidaes são os borrachudos
Habronemose
Temos os gêneros:
Habronema micróstoma
Habronema megastoma
Essas 2 são transmitidas por s. calcitrans. É conhecida como mosca dos estábulos.
Desenvolvimento do ciclo biológico.
Forma imatura é impt para o vetor pq ela desenvolve a forma imatura do habronema.
A forma natural do ciclo acontece de forma 
Na forma erratil vamos obs que a mosca inocula a larva no subcutâneo que é o ciclo erratil
De forma erratil não participa diretamente, mas indiretamente pq locais sujos eu tenho uma fonte. 
Forma natural: ovos de gabronema.
Animais com quadro cutâneo de 
Verão: tendência da ferida abrir
Inverno: tendência da ferida fechar.
Relação de especificidade, geralmente assoc ao comportamento, e naturalmente ele pode ser mofidicado pelo ser humano
Fator determinante: 
Inoculação do ... de 3º estagio
Patogenicidade
Rel com o setor da localização 
Pouca expressão patogênica pq o desenvolvimento de forma crônica não causa obstrução. 
Cansasco ao esforço físico
Com o passar do tempo, essa parede vai dfivfrer 
Ascite:. Comprometimento da artéria e conseq a ciruculacao fica desequilibrada.
Espressamento da artéria o animal fica com vontade de tossir
Incapacidade do esforço físico e o quadro 
Dirofilariose 
Longo período sem sintomatologia
Quando desenvolve limiar da tosse, incapacidade do esforço físico. O quadro de ascite é quase quadro terminal para o animal. 
Raça, idade, tipo de pelo, cor do pelo, em rel a dirofilariose. Isso normalmente a população que se usa é viciada, pq se eu for em alguns consultórios ou clinicas vet no RJ, a 
Habronemose
Proc patológico freq, com sintomatologia evidente nos animais criados na produção
Esse quadro pode ser diferenciado numa ... gástrica
É pouco expressiva sintomatologicamente
Habronemose conjuntival, h.cutanea (ferida brava de verao), h. 
Maneira erratil. 
Cresc centrifugo, que pode enganar no diagnóstico (confundir com dermatofito)
A stomoxys quando vai se alimentar do cavalo, vai no boleto pq ela consegue se alimentar, e é a região que ele menos sente.
Medidas preventivas: princ no controle populacional da mosca.
Se desenvolvem no rio, canal, desembocam numa lagoa e conseq qt maior o volume de mat orgânica lançado no amb aquático, maior a população de culex
Assoc a presença de calor (verão) 
Gênero aedes
Tb tem desenv no amb aquático
Porem a qtd de mat organica encontrada é restrito. Se for muito sujo não tem desenvolvimento
É água limpa e parada (que o aedes se desenvolve)
Rel ao ctenocephalides
Ambiente de manguezal é um ambiente tipicamente de temp elevada, etc. risco nessas condições.
Umidade, calor e matéria orgânica.
Onde houver maior concentração de mat orgânica para alimentação princ das formas imaturas (que estão no microambiente)
Diagnostico epidemiológico é o utilizado
Esse diagnostico probabilístico depende do reconhecimento do vetor, ou seja, encontrar o vetor no ambiente de criação do animal 
E de detectar possíveis fontes de infecção
Fontes de infecções: princ animais q não apresentam sintomatologia clinica (esses ficam escondidos)
E esse animal q serve como fonte de infecção é realizado através de sorologia
Uma animal q esteja apresentando um quadro patológico, um exame de esfregaço sg, de microfilaria serve. Isso é para o animal doente. Se ele não estiver apresentando sinal clinico vc não vai observar.
Reconhecimento do vetor, de fonte de infecção (capaz de detectar animais sem sintomatologia clinica)
Realizado apenas em animais doentes.
Ou teste de knott (1ml de sg, 9ml de formol, centrifuga 3 min, despreza o sobrenadante)
Em rel a gota espessa, o knott eh melhor pq concentra
Mas gota espessa vc observa o movimento (já no knott vc não observa)
Controle e profilaxia:
Dependente do reconhecimento do vetor, em que o bloqueio do animal sensível com o 
Pode ser feito utilizando repelentes químicos ou repelentes fitoterápicos
Utilização de bloqueio físico seriam as telas, mas com necessidade profissional de reconhecer o vetor daquela área, para poder orientar a manutenção do animal no horario de pico (colocar o animal em lugar telado). Em outras horas do dia pode deixar o animal solto.
Na forma de controle populacional do inseto: reduzindo o volume no microambiente, princ do alimento para evitar o desenvolvimento do agente
Aedes: é um criador constituído pelo homem, pq o homem constrói calhas, pneus, etc.
Os que são convencionalmente constituídos pelo homem são fáceis.
Proteção especifica para esse animal. Não vou interferir no ecossistema ao meu favor!