ok epizootiologia 09.11.11
20 pág.

ok epizootiologia 09.11.11


DisciplinaEpizootiologia das Parasitoses15 materiais44 seguidores
Pré-visualização6 páginas
anemia. 
Isso em relação a forma adulta. Consumo de açúcar, consumo de cobalto, tem tamanho maior, absorve mais nutriente.
Forma imatura
Morfologia dessas larvas: são larvas que se desenvolvem na musculatura, principalmente (e ai pela fisiologia) musculatura de intensa atividade: a musculatura facial (mastigação), musculatura da deglutição e de deslocamento (andar).
Se vc imaginar cisticercose no suíno e bovino, com o tempo o que isso pode provocar (o comprometimento da musculatura): a musculatura vai perder a função. A função que era mastigar, isso de forma crônica e não agudo, isso leva tempo, pois se fosse rápido agente identificava mais fácil. 
Animais que são mantidos na propriedade, animais velhos, vcs conseguem enxergar isso, ele começa a ter dificuldade na apreensão de alimento, vc olha o bovino ele não consegue rasgar a pastagem para se alimentar. 
O suíno não consegue mastigar, ele tem dificuldade inclusive na deglutição, conseqüentemente ele não metaboliza direito. Se ele não mastigar adequadamente o alimento não é previamente digerido e com isso tem dificuldade digestiva.
Pensa no ser humano que poderia desenvolver a cisticercose, o que ele vai desenvolver: Normalmente atribuída à dificuldade na mastigação, a dificuldade na fala (as pessoas tem dificuldade de falar por conta da musculatura), dificuldade na locomoção, em caminhar tem muita dor na perna. São sintomas inespecíficos. 
	Alem disso, vamos notar que para o ser humano existe uma 2ª afinidade com essa larva: que é o desenvolvimento no sistema nervoso, que não acontece nas outras espécies animais. Acontece porque: o fluxo sanguíneo é muito maior quando vc pensa. 
E por isso no ser humano vamos observar essa lesão chamada de: Neurocisticercose, e vcs não observam isso no animal, só no ser humano pela explicação lógica pela fisiologia dessa atividade intensa cerebral que provoca esse risco. 
Quando acontecer isso (neurocisticercose) no ser humano, que tipo de sintomatologia podemos identificar: depende da localização. Então as vezes vc tem dificuldade na fala e não é por conta da musculatura, mas porque formou um cisto na área que é responsável na área da fala, dificuldade de falar palavras, dificuldade de encontrar palavras, déficit cognitivo. A cegueira pode acontecer porque foi num local que transforma a imagem, é muito dependente do local onde isso vai acontecer. 
Uma vez o cisto ali, é comprometimento, por mais que o organismo consiga controlar (ou seja, ele calcifica ali), a área foi perdida, eu não tenho mais como retornar (ex. se a pessoa ficou cega, não consigo fazer ela voltar a enxergar) ao normal porque calcificou. 
	
O que faz a reabilitação (Ex: áreas rurais para idosos): Reabilitação do individuo que tem a cisticercose: ele começa a trabalhar com atividades repetitivas. Ex. tocar um instrumento, ele vai ter sempre aquela nota, não que volte ao normal, mas vai começar a dar função para outra área do cérebro. Ex.: Xadrez. A pratica do xadrez, começam a repetir alguns movimentos e desenvolve mais o outro lado cerebral. 
Imunogenicidade
Estado crônico: independente de ser homem ou animal, o agente tem esse aspecto de imunogenicidade. Ele jamais vai agredir de forma aguda, intensa, porque ele não pode fazer isso. Uma vez que ele é \u201creconhecido\u201d, diagnosticado a tendência dele é se mostrar pouco agressivo por muito tempo em relação ao tamanho e essa localização.
Em relação a essa imunogenicidade, demonstra pra vcs a necessidade de não realizar diagnóstico através da sintomatologia. Por conta dessa imunogenicidade, que leva muito tempo, então não deve ser uma coisa pensada pelo sistema de saúde humano e nem pelo de saúde animal que esse animal tem que ser detectado antes de doente, porque até que ele desenvolver algum quadro sintomatológico ele já passou (já foi fonte de infecção) para muitos outros.
Esse é o papel do medico veterinário, detectar os animais que portam a forma imatura, porque ele conseguiria impedir o fechamento do ciclo. Então quantos mais diagnósticos eu conseguir realizar em animais que são de produção e que vão servir de alimento, menor as chances de pessoas desenvolverem o quadro de teníase. Em contrapartida, quanto maior a quantidade de diagnósticos de teníase (principalmente em crianças, principalmente em escolares), conseguiríamos reduzir a freqüência desse comportamento dentro dos abatedouros de forma oficial.
Fora isso os abatedouros clandestinos que devem ser controlados, avaliados, fechados, etc. para não aumentar o volume.
Temos que entender que o papel de medico veterinário dentro desse matadouro, dentro dessa fiscalização não é puramente detectar o animal, é mais do que isso, é detectar o foco, de onde que veio o animal para achar o foco. Esse é o papel principal. Alem de impedir que o alimento chegue de forma incorreta para o ser humano, estou encontrando o foco para acabar com a doença. 
E nessa questão de acabar com o foco, temos outra situação assim: Nem sempre onde cria é onde se infectou, que é um outro problema. Porque as vezes a pessoa compra para engordar. E nessa recria eu que levo para o matadouro, mas o foco não estava na minha propriedade, o foco estava na propriedade que eu comprei para fazer esse processo de recria. Por isso temos que entender o processo do medico veterinário nesse contexto, principalmente de determinar qual é o foco. Temos que pensar nesses projetos.
Resistência
Os ovos são bastante sensíveis. Tão sensível que o que protege no ambiente é sempre o proglote, é a camada, a cutícula que o parasita expulsou é o que vai proteger o ovo.
Se eu pisar no coco, a ação do sol, do calor, torna inviável. Significa dizer que as medidas sanitárias para o ambiente (o uso de sanitizantes e desinfetantes) são eficientes. Eu conseguiria controlar se eu fizer uma limpeza adequada no ambiente, no estabelecimento. Eles são muito sensíveis e esse tipo de produto, ao calor e a temperatura.
	Significa dizer que, o consumo da carne cru pra mim é pior. Houve um alimento que tenha sido manipulado, mesmo que não cru. 
Ex. o cara pegou a coxinha com a mão suja, não é a coxinha que está me passando, é a mão dele que está passando para coxinha e que veio pra mim. A coxinha foi usada para dispersar.
Vai depender sempre muito do manipulador, nunca pensar só na salada.
Resistência 
Forma cística, forma imatura
São mais resistentes porque tem o próprio tecido animal servindo como proteção. Há necessidade de um superaquecimento para conseguir inviabilizar essas larvas. 
O que se preconiza para carne: temperatura de 60°C no interior, ou seja, quando atingir 60°C na parte interna (no centro da carne) inviabiliza. Para atingir 60°C na parte interna, levaria mais tempo. 
Se eu tivesse que utilizar essa carne fresca na alimentação, sem passar pelo processo de maturação do frigorifico (que reduz essa carga), é necessário que atinja a temperatura de 60°C por aproximadamente 15 minutos. (só é possível na panela de pressão, cozimento. No bife não).
Temperatura de congelamento: -10°C por 15 dias. Isso inviabiliza a forma cística.
Trabalho:
Da mesma forma que criamos aquela condição epidemiológica para ascaridose, vamos escolher um desses parasitos de hoje e vamos criar esse tipo de situação. 
Criar uma situação epidemiológica para ocorrência de um dos complexos dessa aula. Não sejam espertos em escolher o que é mais fácil, ou que vai levar menos tempo. Resolver o problema, apontar as situações, o que tem que fazer, etc.