Diabetes 1
11 pág.

Diabetes 1


DisciplinaFisioterapia13.173 materiais51.518 seguidores
Pré-visualização5 páginas
pela presença de anticorpos anti-tireoglobulina e 
anti-peroxidase. 
A segunda em frequência é a doença celíaca, presente em 2% a 6% dos casos de DM1, 
detectada pela presença dos anticorpos anti-endomísio e anti-transglutaminase e confirmada 
por biópsia intestinal. Outras condições que podem vir associadas ao DM1, mas em menor 
frequência, são a moléstia de Basedow-Graves, a adrenalite e as ooforites autoimunes, a artrite 
reumatóide, a miastenia gravis, a alopécia e o vitiligo. 
47 - Quais as complicações crônicas mais frequentes do paciente com diabetes melito 
do tipo 1 (DM1) e como monitorá-las? 
São as complicações microangiopáticas associadas à hiperglicemia crônica como a nefropatia, 
a retinopatia e a neuropatia. A monitoração dessas complicações é realizada, respectivamente, 
pela pesquisa de microalbuminúria, fundo de olho e exame clínico neurológico completo, 
 
 
www.medicinaatual.com.br 
anualmente a partir dos cinco anos de doença nas crianças e a partir do primeiro ano de 
doença nos adolescentes e adultos. 
As complicações macroangiopáticas também devem ser lembradas, devendo ser monitorados 
o perfil lipídico, o eletrocardiograma de esforço ou o ecocardiograma de estresse nos pacientes 
com mais de 15 anos de doença ou com fatores de risco (hipertensão, dislipidemia, fumo, 
historia familiar de coronariopatia). 
48 - Quais devem ser os exames laboratoriais realizados na rotina de acompanhamento 
dos pacientes com diabetes melito do tipo 1 (DM1) e com que frequência? 
São eles: 
\u2022 a cada três meses: hemoglobina glicada (HbA1c); 
\u2022 a cada ano: microalbuminúria, lípides (colesterol total e frações, triglicérides), TSH; 
\u2022 a cada dois anos: anticorpos anti-tireoglobulina e/ou anti-peroxidase e anti-endomísio 
e/ou anti-transglutaminase. 
 
49 - E quais são as perspectivas no tratamento do diabetes melito do tipo 1 (DM1)? 
Os pacientes e seus familiares estão continuamente ansiosos pela cura do diabetes, para que 
eles não precisassem mais aplicar insulina. A cura tem sido procurada por meio dos 
transplantes de pâncreas total ou de ilhotas. Houve uma evolução significativa nesses 
procedimentos, mas limitações para ambas as formas de transplante incluem a falta relativa de 
doadores de órgãos e a necessidade de imunossupressão continua. Na realidade a 
imunossupressão é necessária não apenas para prevenir a rejeição, mas também para 
bloquear a recorrência da destruição auto-imune das ilhotas. A evolução nos procedimentos e 
o alcance de sobrevida do enxerto em um ano de mais de 90% tornaram o transplante de 
pâncreas uma consideração mais real para pacientes com diabetes e com indicação de 
transplante renal ou em circunstâncias raras de um diabetes instável. 
O transplante de ilhota representa uma alternativa mais atrativa, na qual as ilhotas podem ser 
infundidas, através de um cateter, no fígado. Entretanto, cada paciente necessita de mais de 
um doador de pâncreas e muitas ilhotas isoladas não apresentam uma recuperação 
satisfatória. Para que esses procedimentos tenham um impacto clínico maior, novas fontes de 
ilhotas são necessárias (transplantes xenogênicos, crescimentos de ilhotas a partir de células 
tronco, etc). 
A terapêutica com as células tronco implica na substituição das células beta doentes ou 
perdidas por células pluripotentes ou multipotentes. Células tronco embrionárias (derivadas da 
massa interna dos blastócitos) e células tronco adultas (encontradas no organismo pós-natal) 
têm sido utilizadas para gerar células com o potencial de restaurar células beta funcionantes. 
Ainda em uma fases experimental há também o transplante de células tronco hematológicas 
com o objetivo de substituir aquelas que estão reagindo com as células beta no processo auto-
imune. 
50 - Leitura recomendada 
American Diabetes Association. Physical activity, exercise and diabetes. Diabetes Care 
2004;S58-S61. 
Atkinson MA, Eisenbarth GS. Type 1 diabetes: new perspectives on disease pathogenesis and 
treatment. The Lancet 2001;358:221-29. 
Bruttmesso D, Planta A, Crazzolara D et al. Teaching and training programme on carbohydrate 
counting in Type 1 diabetic patients. Diabetes Nutr Metab 2001;14:259-67. 
Daneman D. Type 1 diabetes. The Lancet 2006;36:847-58. 
Hirsch IB. Drug therapy: insulin analogues. N Engl J Med 2005;352:174-183. 
Karvonen M, Viik-Kajander M, Moltchanova E et al. Incidence of childhood type 1 diabetes 
worldwide: Diabetes Mondiale(DiaMond) Project Group. Diabetes Care 2000;23:1516-1526. 
 
 
www.medicinaatual.com.br 
Kulmala P, Savola K, Reijonen H et al. Genetic markers, humoral autoimmunity, and prediction 
of type 1 diabetes in siblings of affected children. Childhood Diabetes in Finland Study Group. 
Diabetes 2000;49:48-58. 
Robertson RP, David C, Larsen J, Stratta R, Sutherland DER. Pancreas and islet 
transplantation for patients with diabetes. Diabetes Care 2000;23:112-116. 
The diabetes control and complications trial / epidemiology of diabetes interventions and 
complications research group. Retinopathy and nephropathy in patients with type 1 diabetes 
four years after of intensive therapy. N Engl J Med 2000;342:381-399. 
Weissberg-Benchell J, Antisdel-Lomaglio J, Seshadri R. Insulin Pump therapy: a meta-analysis. 
Diabetes Care 2003;26:1079-1087. 
Winter WE; Harris N and Schatz D. Immunological markers in the diagnosis and prediction of 
autoimune type 1a diabetes. Clinical Diabetes 2002;183-191.