Aula_1_Introducao_e_Qualidade_de_Agua
87 pág.

Aula_1_Introducao_e_Qualidade_de_Agua


DisciplinaTratamento de Água357 materiais1.808 seguidores
Pré-visualização3 páginas
\uf06dm
- COLOIDAIS E DISSOLVIDOS (<0,001 mm) 
- SÓLIDOS DISSOLVIDOS OU RESÍDUOS FILTRÁVEIS
- PARTICULADOS (>0,001 mm)
- SÓLIDOS PARTICULADOS OU RESÍDUOS NÃO FILTRÁVEIS
SÓLIDOS 
Sólidos: classificação pelas 
características químicas
Inorgânicos Orgânicos
550 0C
Não 
volatilizam volatilizam
Sólidos 
fixos 
(fração 
inorgânica)
Sólidos 
voláteis 
(fração 
orgânica)
Classificação pela sedimentabilidade
Sedimentáveis no cone Imhoff em 1h
Unidade: (ml/l)
COR 
- SÓLIDOS DISSOLVIDOS
- ORIGEM NATURAL
- DECOMPOSIÇÃO DA MATÉRIA ORGÂNICA
- ÁCIDOS HÚMICOS E FÚLVICOS
- Fe e Mn
- ORIGEM ANTROPOGÊNICA 
- EFLUENTES DE TINTURARIA, TECELAGEM, PAPEL
- OUTRAS ÁGUAS RESIDUÁRIAS
- EFEITOS
- COLORAÇÃO DA ÁGUA
- CONFIABILIDADE QUESTIONÁVEL
- NÃO APRESENTA RISCO SANITÁRIO
- COR APARENTE: INCLUI SÓLIDOS PARTICULADOS
- COR VERDADEIRA: ISENTA DE SÓLIDOS PARTICULADOS (CENTRIFUGAÇÃO)
- UNIDADE HAZEN
TURBIDEZ 
- SÓLIDOS PARTICULADOS
- ATENUAÇÃO, DISPERSÃO E ABSORÇÃO
- ORIGEM NATURAL
- DISSOLUÇÃO GEOLÓGICA
- ROCHA, ARGILA, SILTE
- ALGAS E MICRORGÂNISMOS
- DRENAGEM SUPERFICIAL
- ORIGEM ANTROPOGÊNICA 
- ÁGUAS RESIDUÁRIAS
- IMPACTOS MORFOLÓGICOS
- PROCESSOS EROSIVOS
- EFEITOS
- APARÊNCIA NEBULOSA
- ESTETICAMENTE INDESEJÁVEL
- CONFIABILIDADE QUESTIONÁVEL
- ADSORÇÃO DE PATOGÊNICOS
- NÃO APRESENTA RISCO SANITÁRIO 
- UNIDADE NEFOLOMÉTRICA DE TURBIDEZ: 0 \u2013 1000 NTU
- UNIDADE JACKSON DE TURBIDEZ: 25 (72,9 cm) -1000 UJT (2,3 cm)
SABOR E ODOR 
- PARÂMETRO SUBJETIVO
- INTERAÇÃO ENTRE SABOR E ODOR
- SALGADO, DOCE, AZEDO, AMARGO + OLFATO
- SÓLIDOS DISSOLVIDOS
- ORIGEM NATURAL
- SÓLIDOS ORGÂNICOS EM DECOMPOSIÇÃO E GASES DISSOLVIDOS 
- ORIGEM ANTROPOGÊNICA 
- ÁGUAS RESIDUÁRIAS
- EFEITOS
- CONFIABILIDADE QUESTIONÁVEL
- NÃO APRESENTA RISCO SANITÁRIO 
- PADRÃO DE POTABILIDADE
- NÃO OBJETÁVEL - MÍNIMA PERCEPÇÃO
CLORETOS 
- ÍONS RESULTANTES DA DISSOLUÇÃO DE SAIS DISSOLVIDOS
- SOLIDOS DISSOLVIDOS TOTAIS ( + BICARBONATOS)
- CONDUTIVIDADE ELÉTRICA: PRESENÇA DE ÍONS
- ORIGEM NATURAL
- ÁGUA MARINHA, INTRUSÃO SALINA 
- ORIGEM ANTROPOGÊNICA 
- ÁGUAS RESIDUÁRIAS
- URINA: 6 g Cl-/hab.dia
- EFEITOS
- SABOR SALGADO DA ÁGUA (100 mg/l)
- TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DA ÁGUA
- EFEITO LAXATIVO
- 100 \uf06dS/cm: indicador de poluição
- PADRÃO DE POTABILIDADE
- CLORETOS E SULFATOS < 250 mg/L
DUREZA 
- SUPERSATURAÇÃO DE CÁTIONS DIVALENTES
- ÍONS MULTIMETÁLICOS: Ca2+ ,Mg2+ ,Sr2+ ,Fe2+ ,Mn2+
- ORIGEM NATURAL
- DISSOLUÇÃO DE ROCHAS CALCÁREAS
- ORIGEM ANTROPOGÊNICA 
- ÁGUAS RESIDUÁRIAS
- EFEITOS
- PRECIPITAÇÃO DE SABÕES
- EVITA A FORMAÇÃO DE ESPUMA 
- 50-150 mg/l CaCO3: DUREZA MODERADA
- PADRÃO DE POTABILIDADE < 500 mg/L
ACIDEZ 
- PRESENÇA DE CO2 LIVRE
- pH>8,2: CO2 LIVRE AUSENTE
- 8,2<pH<4,5: CO2 LIVRE DISPONÍVEL = ACIDEZ CARBÔNICA
- pH<4,5: ÁCIDOS MINERAIS FORTES
- ORIGEM NATURAL
- ABSORÇÃO CO2 DA ATMOSFERA
- DECOMPOSIÇÃO DA MATÉRIA ORGÂNICA 
- ORIGEM ANTROPOGÊNICA 
- EFLUENTES INDUSTRIAIS ORGÂNICOS
- EFLUENTES INDUSTRIAIS ÁCIDOS
- ATIVIDADES DE MINERAÇÃO
- EFEITOS
- NÃO APRESENTA RISCO SANITÁRIO
- SABOR E ODOR DESAGRADÁVEL
- CORROSÃO DE TUBULAÇÕES E DISPOSITIVOS
ALCALINIDADE 
- ÍONS PARA NEUTRALIZAÇÃO ÁCIDOS (H+) 
- FUNÇÃO DO pH
- 4,4<pH<8,3: BICARBONATOS (HCO3
-
)
- 8,3<pH<9,4: CARBONATOS (CO3
2-
) E BICARBONATOS
- pH>9,4: HIDRÓXIDOS (OH
-
) E CARBONATOS
- ORIGEM NATURAL
- AÇÃO DO CO2 DISSOLVIDO SOBRE ROCHAS CALCÁREAS
- CO2 ABSORÇÃO DA ATMOSFERA
- CO2 DECOMPOSIÇÃO DA MATÉRIA ORGÂNICA
- ORIGEM ANTROPOGÊNICA 
- EFLUENTES INDUSTRIAIS
- EFEITOS
- NÃO APRESENTA RISCO SANITÁRIO
- SABOR E ODOR DESAGRADÁVEL
- INCRUSTAÇÕES EM TUBULAÇÕES
FERRO E MANGANÊS 
- SOLO: Fe3+ e Mn4+ PARTICULADA
- ÁGUA SUBTERRÂNEA, AUSÊNCIA DE O2: Fe2+ e Mn2+ SOLÚVEL
- EXPOSIÇÃO AO AR ATMOSFÉRICO: Fe3+ e Mn4+ PARTICULADA
- ORIGEM NATURAL
- DISSOLUÇÃO DE COMPOSTOS DO SOLO 
- ORIGEM ANTROPOGÊNICA 
- ÁGUAS RESIDUÁRIAS
- EFEITOS
- NÃO APRESENTA RISCO SANITÁRIO
- COLORAÇÃO E TURBIDEZ AMARELO ESCURO - MARROM
-SABOR E ODOR DESAGRADÁVEL
- PADRÃO DE POTABILIDADE: Fe<0,3 mg/L e Mn<0,1 mg/L 
ORGANISMOS 
PATOGÊNICOS 
Organismos presentes na água
Importantes na decomposição da MOFungos
Organismos parasitas que causam doenças e 
podem ser de difícil remoção
Vírus 
Animais superiores. Seus ovos presentes nos 
esgotos podem causar doenças
Helmintos
Alimentam-se de algas e bactérias. Importantes 
na manutenção do equilíbrio entre as espécies. 
Alguns são patogênicos 
Protozoários
Organismos autótrofos, fotossintetizantes. 
Importantes nas produção de oxigênio. Podem 
causar eutrofização
Algas
Importantes nos processo anaeróbiosArqueobactérias
Principais responsáveis pela conversão da MO. 
Algumas são patogênicas
Bactérias
DescriçãoMicrorganismo
ORGANISMOS 
PATOGÊNICOS 
- VOLUME DE ÁGUA INGERIDO / TEMPO DE CONTATO
- CONCENTRAÇÃO DO ORGANISMO (UN/V)
- DOSE INFECTIVA RELATIVA: DOSE PARA INFECÇÃO DE 50% ADULTOS
- BACTÉRIAS (moderada a alta), VIRUS (baixa a moderada) , PROTOZOÁRIOS (baixa), 
HELMINTOS (baixa)
- RESISTÊNCIA DO INDIVÍDUO
- CRIANÇAS, IDOSOS, DESNUTRIDOS, IMUNODEPRESSIVOS
FATORES INTERVENIENTES PARA VEICULAÇÃO DE PATOGÊNICOS 
Doença = veiculação hídrica + falta de higiene + ciclo na água 
PORTARIA 518/2004 
ORGANISMOS 
PATOGÊNICOS 
- AMOSTRAS DE ÁGUAS E SOLOS
- ORGANISMOS NÃO FECAIS
COLIFORMES TOTAIS
- PREDOMINA NO GRUPO COLIFORME
- ORIGEM PREDOMINANTEMENTE HUMANA E ANIMAL
- GÊNERO Escherichia
- ESPÉCIES Klebsiella, Enterobacter, Citrobacter
- RESISTEM ELEVADA TEMPERATURA
- ORIGEM FECAL E POUCAS ORIGEM NÃO FECAL
COLIFORMES TERMOTOLERANTES
- PREDOMINA NO GRUPO TERMOTOLERANTES
- ORIGEM EXCLUSIVAMENTE FECAL
Escherichia coli
- Algas azuis, Algas cianofíceas ou Cianobactérias
- Organismos procariontes (sem membrana nuclear): 
bactérias
- Organismos autotróficos fotossintetizantes: algas 
- bactérias fotossintetizantes
CIANOBACTÉRIAS 
CIANOBACTÉRIAS 
CLASSIFICAÇÃO DAS CIANOTOXINAS
- Neurotoxinas
- Alcalóides neurotóxicos (organofosforados)
- rápida ação: parada respiratória
- Hepatotoxinas
- Microcistinas: Microcystis aeruginosa
- Alcalóides hepatotóxicos
- ação + lenta: fígado
- Endotoxinas
- dermatotóxicas 
COLORAÇÃO
- pigmentos clorofila-A (verde)
- carotenóides (amarelo-laranja)
- ficocianina (azul)
- ficoeritrina (vermelho)
CIANOBACTÉRIAS 
CIANOTOXINAS
- 1988: Reservatório de Itaparica (BA)
- intoxicação de 2000 hab
- morte de 88 hab, entre março e abril
- 1996: clínica de hemodiálise em Caruarau
- 131 pacientes
- 100 casos de hepatotoxicose: Microcistina
- 52 mortes
AVANÇOS 
\uf0fc Visão sistêmica da qualidade de água. 
\uf0fc Deveres e responsabilidades de cada esfera de governo. 
\uf0fc Deveres e responsabilidades dos responsáveis pela produção e 
distribuição de água: padrão de potabilidade. 
\uf0fc Direito do consumidor à informação sobre a qualidade da água. 
PA
D
RÕ
ES
 D
E 
Q
U
AL
ID
AD
E 
D
E 
ÁG
U
A 
PADRÃO DE POTABILIDADE 
PORTARIA 518/04 - MS 
ATUAIS PREOCUPAÇÕES 
\uf0fc Qualidade microbiológica & subprodutos da desinfecção (SPD) 
\uf0fc Toxinas de cianobactérias 
\uf0fc Pesticidas e outros, Chumbo, arsênico e outros tóxicos inorgânicos 
\uf0fc Endócrinos, químicos e farmacêuticos 
\uf0fc Residuais de produtos químicos: Al, Fe, Cl, Mn, polieletrólitos 
\uf0fc Corrosividade e biofilmes 
\uf0fc Gosto e odor 
CA
PT
AÇ
ÃO
 D
E 
ÁG
U
A 
ABASTECIMENTO DE ÁGUA
ALTO ADENSAMENTO POPULACIONAL 
ÁREAS URBANAS
SOLUÇÃO COLETIVA
BAIXO ADENSAMENTO POPULACIONAL 
ÁREAS RURAIS
SOLUÇÃO LOCAL - INDIVIDUAL
SISTEMAS URBANOS DE 
ABASTECIMENTO DE ÁGUA
SISTEMAS LOCAIS 
INDIVIDUAIS
SOLUÇÕES PARA O SAA 
CA
PT
AÇ
ÃO
 D
E 
ÁG
U
A 
APROVEITAMENTO DE 
ÁGUAS PLUVIAIS 
Solução áreas rurais, pouco adensadas.
Telhado dos domicílios e cisterna para armazenamento.
CA
PT
AÇ
ÃO
 D
E 
ÁG
U
A 
APROVEITAMENTO DE 
ÁGUAS PLUVIAIS 
CA
PT
AÇ
ÃO
 D
E 
ÁG
U
A 
APROVEITAMENTO DE 
ÁGUAS PLUVIAIS 
Instalações da UFES 
CA
PT
AÇ
ÃO
 D
E 
ÁG
U
A 
APROVEITAMENTO DE 
ÁGUAS PLUVIAIS 
CA
PT
AÇ
ÃO
 D
E 
ÁG
U
A 
NORMAS PERTINENTES-SAA 
NORMAS DA ABNT \u2013 Sistemas de Abastecimento