A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Temas e teorias da Sociologia

Pré-visualização | Página 1 de 4

Avaliação da Disciplina
Disciplina: Temas e Teorias da Sociologia (96965)
Prova: 39905516
Alterar modo de visualização
1
A influência dos filósofos pós-estruturalistas nas ciências sociais marcou diversas áreas da pesquisa sociológica. Na área de estudos de gênero, foi perceptível a crise das tendências teóricas clássicas, como o marxismo. Mudanças ocorridas durante o século modificaram a observação tanto sobre os movimentos sociais como sobre as questões de gênero.
 
Acerca da crise do marxismo nas pesquisas de gênero, assinale a alternativa correta: 
	
	A) A crítica ao marxismo em relação aos estudos de gênero se baseava em sua insuficiência metodológica em abarcar fenômenos de gênero que não diziam respeito às grandes estruturas sociais e econômicas. 
	
	B)  A metodologia marxista era considerada excessivamente focada no estudo das instituições e saberes punitivo-disciplinares, acabando por ignorar as questões de gênero que acompanham esses processos. 
	
	C)  A metodologia marxista era considerada um inimigo central na luta dos sujeitos queer, já que a característica central dos movimentos de gênero é a sua defesa da inclusão dos indivíduos no livre mercado.
	
	D)  A crítica ao marxismo em relação aos estudos de gênero estava ligada ao fato que os comunistas em geral, a partir dos anos 1950, eram contrários às lutas do movimento feminista ou LGBT. 
	
	
2
A obra do filósofo Michael Foucault ressignificou diversos estudos sociais, trazendo à tona dinâmicas de dominação e poder outrora ignoradas pelos pesquisadores. Além disso, trouxe perspectivas metodológicas que determinaram rupturas nos paradigmas das ciências humanas e mudanças de orientação para movimentos de contestação social.
 
Acerca da obra de Michael Foucault, assinale a alternativa correta: 
	
	A)  A tomada de poder passava pela reorganização dos Partidos Comunistas de então, de um dos quais Foucault era membro, para uma linha estratégica de ruptura com a União Soviética. O centro do poder mundial era compartilhado pelas duas potências atômicas e o papel das ciências humanas era revelar essa união entre os opostos. 
	
	B)  A tomada do poder era ressignificada para a luta associativista e pela promoção de organizações não governamentais, capazes de diluir o poder do Estado na sociedade. O sucesso desta leitura trouxe a sensação de “fim da história” do final do século XX, de relativa paz social e política no mundo. 
	
	C) Para Foucault, o poder havia sido diluído em diversos espaços, não podendo mais ser descrito como “poder”. O que havia em seu lugar era a hegemonia cultural dos grupos dominantes sobre os dominados, de forma não localizada e difusa.
	
	D) A tomada do poder passava por uma mudança de leitura, do coletivo para a análise individual, em nível de “corpo”, e dos micropoderes que permeiam a sociedade. O foco da sua pesquisa eram os saberes e práticas disciplinares, alinhando-se politicamente com movimentos de contestação cultural e contra opressões de minorias. 
	
	
	
	
3
Tanto Karl Marx como Max Weber tomaram a sociedade capitalista como objeto de suas produções teóricas, porém ambos chegaram a diferentes conclusões acerca do desenvolvimento histórico dela.
 
Acerca da produção desses autores sobre a sociedade capitalista, assinale a alternativa correta: 
	
	A)  Se Max Weber descreveu as origens do capitalismo a partir da ética protestante, baseada no combate à usura dos grandes banqueiros, Karl Marx via na ética protestante, do trabalho e da poupança, as bases para o pensamento revolucionário do século XIX.
	
	B)  Karl Marx tomou o capitalismo como um sistema baseado na racionalidade do cálculo financeiro, enquanto Max Weber lia o capitalismo como um sistema onde o desenvolvimento da divisão social do trabalho levou à crise das antigas formas de solidariedade social. 
	
	C)  Se Karl Marx descreveu o desenvolvimento do capitalismo a partir de processos materiais como a acumulação primitiva de capitais, Max Weber observou a criação de um “espírito do capitalismo” a partir de seus estudos sobre a valorização do trabalho e da poupança pelos protestantes. 
	
	D)  Se Max Weber percebeu o capitalismo como uma economia gerida a partir da racionalidade do cálculo financeiro, Karl Marx lia o capitalismo como um sistema onde o desenvolvimento da divisão social do trabalho levou à crise das antigas formas de solidariedade social. 
4
Para Wright Mills, a moderna sociedade industrial norte-americana da década de 1960 estava marcada pela colaboração dos sindicatos operários aos capitalistas e pela formação de uma extensa “classe média burocratizada”, que estava desumanizada pela racionalização cada vez maior do trabalho.
 
Segundo o autor, qual seria a principal característica da sociedade norte-americana no século XX? 
	
	A)  A formação de uma situação de exploração do proletariado pela burguesia industrial, favorecida pela cooptação de dirigentes sindicais, o que levou a formação de gigantescos bolsões de miséria e favelas nos EUA. das décadas de 1950 a 1970. 
	
	B)  A formação de uma elite empresarial-militar, que favorecia políticos, militares, industriais e banqueiros, unidos numa “elite do poder”. Assim, a racionalização típica da mentalidade empresarial, que deveria trazer progresso e bem-estar, estaria criando uma realidade de dominação centralizada que, devido à apatia do povo, governava sem opositores internos. 
	
	C)  A formação de uma elite burguesa-proletária, que favorecia empresários e lideranças do movimento sindical. A racionalização da sociedade industrial gerou as condições para uma crescente participação política do povo, fazendo com que os EUA se tornassem uma das nações mais democráticas do planeta.
	
	D) A classe média burocratizada se tornou uma necessidade para o sucesso do desenvolvimento econômico dos EUA. Sem burocratas aptos, os Estados Unidos não teriam condições de derrotar a ameaça socialista e preservar a participação popular nas decisões políticas da nação.
5
As transformações políticas, sociais e econômicas do final do século XX são descritas de várias formas. A vitória do “novo capitalismo”, como descrito por Richard Sennet, implicou diversas mudanças de ordem administrativa e de flexibilização entre trabalhadores e empresas.
 
Segundo a leitura de Richard Sennet acerca das transformações no “novo capitalismo”, assinale a alternativa correta: 
	
	A)  A falta de estabilidade pessoal e de carreira na cultura do novo capitalismo leva à desorientação pessoal, ao afrouxamento dos laços de confiança (familiares e comunitários) e à ausência de compromissos, levando a uma situação de corrosão do caráter das pessoas. 
	
	B) A cultura do novo capitalismo é derivada da rotinização burocrática atingida nas grandes corporações. Através da alienação da classe média pelo consumo e da cooptação dos líderes sindicais, nos Estados Unidos se consolidou uma elite político-militar-empresarial.
	
	C)  A cultura do novo capitalismo se formou a partir da crise do socialismo real, gerando uma situação de expectativas positivas sobre o futuro da humanidade. Integrado pelo mercado e pelas redes sociais, o novo capitalismo garante as bases para a integração social globalizada e evita o retorno a regimes totalitários. 
	
	D)  A instabilidade gerada pelo novo capitalismo, fruto das novas redes criadas pela internet, possibilitam a quebra das antigas regras hierárquicas que mantinham os trabalhadores presos e dominados em situações rotineiras, abrindo espaço para a libertação e realizações pessoais. 
6
Durkheim defendia que um cientista social deveria analisar os fatos sociais objetivamente, delimitá-los e comprovar afirmações a partir de evidências, sem preconceito de valor. Além disso, em analogia à biologia, o cientista social também deveria se dedicar ao estudo das situações de “anomia” no corpo social.
 
Sobre as situações de anomia social, marque a alternativa correta: 
	
	A)  Para Durkheim, a anomia social era gerada em situações de contradição entre meios de produção com as relações sociais de

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.