A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Resumo - O Delírio

Pré-visualização | Página 1 de 1

De acordo com Karl Jaspers 
(1987), ideias delirantes (ou delírios) 
são juízos patologicamente falsos, que 
são acompanhados de uma convicção 
extraordinária, não suscetíveis à 
influência e possuem um conteúdo 
impossível. 
O delírio constitui uma alteração 
relacionada à formação de juízos – 
através do juízo de realidade, 
distinguimos o que real do que é fruto 
de nossa imaginação. Todavia, nem 
todos os juízos falsos são patológicos. 
O erro também constitui um juízo falso, 
distinguindo-se do delírio por originar-
se na ignorância, no julgamento 
apressado ou em premissas falsas, e 
por ser passível de correção pelos 
dados da realidade. 
Todo delírio é, de certa forma, 
referente a si mesmo, seu conteúdo 
está direta ou indiretamente 
relacionado ao sujeito delirante, o 
delírio se transforma no eixo em torno 
do qual passa a girar a vida do 
indivíduo. Em função de sua convicção 
extraordinária, o delirante não sente a 
necessidade de comprovar a 
veracidade de seu juízo e convencer as 
outras pessoas de que está certo. 
 
O delírio primário é a ideia 
delirante autêntica. Ele não deriva de 
nenhuma outra manifestação psíquica 
patológica, é incompreensível, não é 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
possível chegar à sua origem. Está 
relacionado a uma profunda 
transformação da personalidade. 
O delírio secundário também é 
chamado ideia “deliróide”. Ele se 
origina de forma compreensível 
psicologicamente ao comparar-se com 
outras manifestações psíquicas 
patológicas, tais como alterações do 
humor, da sensopercepção e da 
consciência. 
Nos delírios sistematizados, há 
uma maior coerência interna entre as 
ideias, organização e consistência. 
Encontra-se uma rede de 
argumentações lógicas e 
compreensíveis. O delirante com ideias 
de perseguição é capaz de dizer quem 
o persegue, como e por que – esse tipo 
é característico do transtorno delirante. 
Os delírios não-sistematizados 
são caóticos, desarticulados e sem 
ligação. Por exemplo, o indivíduo 
afirma que querem matá-lo, mas não é 
capaz de dizer como descobriu isso, 
nem consegue dar qualquer 
informação sobre os autores, meios e 
motivos do crime. Os delírios desse 
tipo são característicos da 
esquizofrenia. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Tipologia dos delírios: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
• O mais comum, o indivíduo crê estão lhe vigiando, querem
prejudicá-lo ou mesmo matá-lo.
Perseguição
• O indivíduo crê que as outras pessoas são hostis em relação a
ele, zombam dele ou o menosprezam.
Prejuízo
• O indivíduo se julga vítima de terríveis injustiças ou
discriminações.
Reivindicação (Querelante)
• O indivíduo acredita que alguém ou alguma força externa controla
sua mente ou seu corpo.
Influência
• O indivíduo crê ser muito rico e poderoso, ou possuir habilidades e
talentos especiais, típico da mania, mas também em outros
quadros psicóticos, como a esquizofrenia.
Grandeza
• O indivíduo crê ser amado, a distância, por uma outra pessoa.
Essa outra pessoa é tipicamente velha e possui uma situação
socioeconômica mais elevada que a do paciente.
Erotomaníaco
• O indivíduo crê que seu cônjuge/amante está sendo infiel a ele,
esse quadro está especialmente associado ao alcoolismo crônico
e ao transtorno delirante, sendo mais comum no sexo masculino.
Ciúmes
 
 
 
 
 
 
 
• Comum na depressão, o indivíduo vê sua vida como repleta de 
desgraças, sofrimento, fracassos e perdas.
Ruína
• O indivíduo crê estar sofrendo de uma doença muito grave ou 
incurável.
Somático (hipocondríaco)
• O indívuo afirma que já morreu ou que o mundo acabou.
Negação
• Envolve temas religiosos, oindivíduo diz que pode fazer milagres, 
que vai fundar uma nova religião etc.
Místico
• Envolve temas extraordinários, ou de extrema grandiosidade.
Fantástico
• O indivíduo julga que uma pessoa familiar foi substituída por uma 
sósia. Este é fisicamente idêntico à primeira, mas 
psicologicamente distinto.
Identificação

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.