Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA INFANTIL - ANAMNESE - Audiologia II

Pré-visualização | Página 1 de 1

AVALIAÇÃO
AUDIOLÓGICA INFANTIL
(ANAMNESE)
- INFORMAÇÃO SOBRE O INÍCIO, EVOLUÇÃO
E POSSÍVEIS CAUSAS DE UMA DOENÇA
- É O PRIMEIRO PASSO NA REALIZAÇÃO DE
UMA AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA;
- OBJETIVOS: PREPARAR O EXAMINADOR
PARA OS PROVÁVEIS RESULTADOS DA
AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA;
- GUIA O EXAMINADOR PARA UMA
ADEQUADA ESTRATÉGIA DE AVALIAÇÃO;
- PODE SER SEGUIDA POR UM ROTEIRO OU
PODE SER ABERTA;
NÃO ESQUECER:
- ENTREVISTA: INFORMAÇÕES SOBRE
INDICADORES DE RISCO, DESENVOLVIMENTO
E COMPORTAMENTO AUDITIVO;
- OTOSCOPIA REALIZADA PELO OTORRINO -
CONDIÇÕES ADEQUADAS PARA REALIZAÇÃO
DA AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA;
- IMITÂNCIA ACÚSTICA:
> bebês de até 6/7 meses > sonda de 1000 Hz;
> bebês de 6/7 meses ou mais > sonda de 226
Hz.
ANAMNESE:
QUEIXA AUDITIVA: INÍCIO, DURAÇÃO,
SÚBITA OU PROGRESSIVA, UNI OU
BILATERAL, FLUTUAÇÃO, SONS AUDÍVEIS,
INTOLERÂNCIA A SONS, ZUMBIDO,
PLENITUDE AURICULAR; 
DIFICULDADE DE COMPREENSÃO: QUANDO?
COMO? (AO TELEFONE, EM AMBIENTES
RUIDOSOS), TONTURA?, ANTECEDENTES
OTOLÓGICOS, EXPOSIÇÃO A RUÍDOS
(TEMPO, USO DE PROTETOR, EXPLOSÕES)
ANTECEDENTES FAMILIARES.
- ENTENDER O CONTEXTO NA QUAL A CRIANÇA
VEIO:
> IDENTIFICAÇÃO (NOME, IDADE, SEXO,
PROFISSÃO DOS PAIS/CUIDADORES, ENDEREÇO
- CLIMA OU POLUIÇÃO DA REGIÃO, POR
EXEMPLO, FAZ DIFERENÇA EM UMA CONDIÇÃO
DE VIAS AÉREAS SUPERIORES DE OM);
> ROTINA, ESCOLA, COTIDIANO DA CRIANÇA; 
> QUEM ENCAMINHOU? QUEM É A EQUIPE QUE
ACOMPANHA ESSA CRIANÇA? OTORRINO?
PEDIATRA?
> QUEIXA (MOTIVO), HISTÓRIA E SINTOMAS:
ANAMNESE - OUTROS
ASPECTOS A SEREM LEVADOS
- OUTRAS DOENÇAS: METABÓLICAS, VASCULARES,
DIABETES, SÍFILIS, ENTRE OUTRAS;
- USO DE MEDICAMENTOS OTOTÓXICOS;
- IMPRESSÃO DOS PAIS SOBRE A AUDIÇÃO DA
CRIANÇA;
- GESTAÇÃO;
- PARTO;
- DESENVOLVIMENTO MOTOR (APGAR NO
NASCIMENTO);
- IRDA OU IRPA (INDICADOR DE RISCO PARA
DEFICIÊNCIA AUDITIVA)? QUAIS? CONSULTAR O
QUADRO;
- REAÇÃO A SONS;
- DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM;
- DOENÇAS;
- ANTECEDENTES OTOLÓGICOS;
- JÁ FEZ ALGUMA AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA
ANTES?
- PERGUNTA AOS PAIS, TIPO: COLOCA MUITO A
MÃO NO PAVILHÃO AURICULAR? COÇA? ODOR
FÉTIDO? OUVIDO JÁ VAZOU?;
✔ OLHAR PARA A CRIANÇA! TEM APÊNDICE AURICULAR? OLHEIRAS?
RESPIRADOR ORAL?
✔ PREMATUROS: TEMA A CHANCE DE DESENVOLVEREM MAIS
DEVAGAR; PENSAR EM IDADE CORRIGIDA QUE ERA A IDADE DE
NASCIMENTO. EX: BEBÊ PREVISTO PARA NASCER EM JUNHO, MAS
NASCEU 2 MESES ANTES, PORTANTO, TERIA 4 MESES SE TIVESSE
NASCIDO NO TEMPO PREVISTO;
✔ VER A CADERNETA DA CRIANÇA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE; TANU
POR EXEMPLO; ANOTAR OS TESTES QUE JÁ FORAM FEITOS COMO O
DA ORELINHA E CORAÇÃOZINHO; LÁ POSSUI INFORMAÇÕES SOBRE
INFORMAÇÕES ESPECÍFICAR DA CRIANÇA COMO O APGAR;
✔ NÃO USAR O MODELO DE ANAMNESE COMO SE FOSSE O
PRINCIPAL; IMPORTANTE OUVIR TODA A HISTÓRIA!
✔ CUIDADO COM A MANEIRA DE PERGUNTAR OS ITENS DA
ANAMNESE, POIS MUITA GENTE TEM DIFICULDADE;
- OLHAR AS CONDIÇÕES DA ORELHA DA
CRIANÇA ANTES DO EXAME;
- CONDIÇÕES NORMAIS: VISUALIZAÇÃO DO
MARTELO, LUZ E TÍMPANO TRANSPARENTE;
- ALTERADO: PRESENÇA DE ROLHA DE
CERÚMEN (NESSE CASO ENCAMINHAR AO
OTORRINO), VERMELHIDÃO OU HIPEREMIA,
SECREÇÃO, OPACIDADE, VASOS
SANGUÍNEOS, INFECÇÃO...
MEATOSCOPIA:
COMO AVALIAR BEBÊ E
CRIANÇA?
1. TESTES COMPORTAMENTAIS - PRINCÍPIO
DE CROSS-CHECK: "O RESULTADO DE UM
TESTE DEVE SER ACEITO APÓS SER
CONFIRMADO POR OUTRO INDEPENDENTE,
OU SEJA, UM TESTE ISOLADAMENTE NÃO
DEFINE O DIAGNÓSTICO PRECISO DAS
CONDIÇÕES DA AUDIÇÃO DA CRIANÇA"
JERGER AND HAYES, 1976.
 
2. LEMBRAR DO DESENVOLVIMENTO
NORMAL DO COMPORTAMENTO AUDITIVO -
NORTHEM, J.L.; DOWNS, M.O., 1984;
- NÍVEIS DE REFERÊNCIA DAS RESPOSTAS
AUDITIVAS DE CRIANÇAS NORMAIS -
AZEVEDO, 1993;
3. AVALIAÇÃO COMPORTAMENTAL 
- MUDANÇA DE COMPORTAMENTO AUDITIVO
DA CRIANÇA APÓS A ESTIMULAÇÃO
AUDITIVA;
- PROCEDIMENTOS QUE PODEM SER COM
SONS DA FALA, SONS DE INSTRUMENTOS
MUSICAIS, TONS PUROS E OUTROS COMO O
AUDIÔMETRO PEDIÁTRICO;
4. AVALIAÇÃO INSTRUMENTAL: 6M A 2 ANOS
*CADA INSTRUMENTO MUSICAL TEM UMA
FREQUÊNCIA ESPECÍFICA, POR EXEMPLO:
↪ GUIZO: 10K-12 KHZ
↪ RECO-RECO: 1.250-5 KHZ
↪ AGOGO: 2K-3.150 HZ
↪ TAMBOR: 125-250 HZ
- RESPOSTA CONFIÁVEL QUANDO É
SISTEMÁTICO;
- CUIDADO: INTERVALO ENTRE OS
ESTÍMULOS, REPETIÇÃO, PISTAS VISUAIS E
TÁTEIS E INTERFERÊNCIA DOS PAIS.
VARIÁVEIS A SEREM CONTROLADAS
PELO EXAMINADOR:
- TIPO DE ESTÍMULO SONORO;
- TEMPO DE DURAÇÃO DO ESTÍMULO (MÁX. 20S);
- TEMPO DE INTERVALO ENTRE OS ESTÍMULOS;
- ESTADO DA CRIANÇA NO MOMENTO
(RECOMENDADO DOIS AVALIADORES PARA
GARANTIR SE A CRIANÇA ESTÁ ATENTA);
- VARIÁVEIS EXTERNAS - AMBIENTE
(TEMPERATURA, LUZ, RUÍDO, SOMBRA);
- IDADE COGNITIVA E CRONOLÓGICA, MOTIVAÇÃO,
EXPERIÊNCIA ANTERIOR.
RCP (REFLEXO CÓCLEO PALPEBRAL)
- ACIMA DE 90 DB NPS;
- CRIANÇA EM ESTADO DE ALERTA COM OLHAR
FIXO EM ALGUM OBJETO OU PESSOA;
- AGOGO, PRATOS OU TAMBOR;
- CUIDADO: PODE ESTAR AUSENTE MESMO EM
CRIANÇAS COM AUDIÇÃO NORMAL OU EM PERDA
AUDITIVA NEUROSSENSORIAL DE GRAU LEVE ATÉ
MODERADO RECRUTANTE. TAMBÉM PODE SER
ENCONTRADO EM PERDAS AUDITIVAS
UNILATERAIS DE QUALQUER GRAU E TIPO
(ORELHA CONTRALATERAL PODE DESENCADEAR O
REFLEXO);
RESPOSTAS OBSERVADAS:
✔ RESPOSTAS REFLEXAS (STARTLE OU
SOBRESSALTO E REFLEXO CÓCLEO PALPEBRAL);
✔ MOVIMENTOS OCULARES, MENEIRO DE
SOMBRANCELHA;
✔ ARREGALAR OLHOS;
✔ AUMENTO OU DIMINUIÇÃO DA MOVIMENTAÇÃO
DE MEMBROS;
✔ PAUSA EM MOVIMENTOS REFLEXOS COMO
SUCÇÃO (SE ESTIVER MAMANDO OU COM
CHUPETA, POR EXEMPLO);
✔ ORIENTAÇÃO AO SOM (PROCURA PELA FONTE
SONORA - OBSERVAR PERÍODO DE
DESENVOLVIMENTO MOTOR, ETC)
✔ MUDANÇA NO RITMO RESPIRATÓRIO;
✔ ACORDAR QUANDO ESTIMULADO;
✔ TREMOR NO CORPO;
- ATÉ 3 MESES: DEITADA CONFORTÁVEL,
POIS NÃO SUSTENTA A CABEÇA;
- A PARTIR DOS 4 MESES: SENTADA NO COLO
DO FAMILIAR (ATENÇÃO PARA A
ORIENTAÇÃO SOBRE ONDE O FAMILIAR VAI
SUSTENTÁ-LA);
- CRIANÇA: SEM FOME, RN SEM SONO LEVE,
EM ESTADO DE ALERTA, SEM INCÔMODO DE
FRALDA SUJA
- APRESENTAÇÃO DOS SONS: DO MAIS
FRACO AO MAIS FORTE;
- DO MAIS GRAVE PARA O MAIS AGUDO;
- ALTERNAR ORELHAS;
POSIÇÃO DA CRIANÇA:
PROCEDIMENTO:
- CRIANÇA SENTADA DE FRENTE;
- PAIS INSTRUÍDOS A NÃO INDUZIR
RESPOSTA!
- EXAMINADOR 1 - MANTÉM CONDIÇÕES
PARA REALIZAÇÃO;
- EXAMINADOR 2 - APRESENTA O ESTÍMULO
AO NÍVEL LATERAL DA ORELHA DA CRIANÇA;
- LIMITAÇÕES: PERDAS AUDITIVAS
UNILATERAIS, GRAU LEVE E MODERADO.
NECESSITA DE OBSERVAÇÕES EXPERIENTES.
INSTRUMENTOS APRESENTAM FAIXA DE
FREQ. DE BANDA LARGA (VÁRIAS FAIXAS DE
FREQUÊNCIA);
- VANTAGENS: BAIXO CUSTO, RÁPIDO.
SONS DE LING:
- CONSISTE NOS SONS DOS FONEMAS QUE
POSSUEM FAIXAS DE FREQUÊNCIAS
ESPECÍFICAS;
/u/ - 275 Hz
/m/ - 250 Hz
/a/- 1000 Hz
/ch/ - 2.500 Hz
/i/ - 3.000 Hz
/s/ - 6.000 Hz
DESENVOLVIMENTO NORMAL DO COMPORTAMENTO AUDITIVO - NORTHEM, J.L.;
DOWNS, M.O., 1984
NÍVEIS DE REFERÊNCIA DAS RESPOSTAS AUDITIVAS DE CRIANÇAS NORMAIS -
AZEVEDO, 1993
SONS DE LING