Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
APRESENTAÇÃO20-20AMANDA

Pré-visualização | Página 1 de 1

Metodologia
No período de buscas foram encontrados o total de 21 artigos, no qual apenas 13 atenderam os critérios pre estabelecidos. 
Foram artigos publicados entre os ano de 2005 a 2020.
RESULTADOS 4.2 
DEMANDA PSICOLÓGICA E O CONTROLE SOBRE CARGA HORÁRIA EXCESSIVA, E SUA ASSOCIAÇÃO COM DISTURBIOS PSIQUICOS MENORES 
As condições de trabalho, o ambiente e a convivência também influenciam para demanda psicológica exaustiva, Uma vez que há essa coligação entre o relacionamento interpessoal dele com a própria equipe, questão da vida pessoal, sua cultura, jornada de trabalho e com isso geram um agravo para os DPM onde manifestam sintomas como fadiga, cefaléia, esquecimento, irritabilidade e consequentemente são acompanhados de falta de produtividade e concentração no trabalho ocasionando prejuízos para o profissional assim como para os serviços prestados. 
Há duas teorias a respeito da exposição adversas no trabalho. 
A 1° é o modelo de indicadores propostos por Karasek. DEMANDA – CONTROLE, em que o 1 componente DEMANDA onde os profissionais expostos a altos níveis de pressão psicológica somado ao baixo controle no trabalho (falta de autonomia) seriam predispostos a sofrerem danos à saúde. E o 2° componente é controle no que diz respeito que o profissional ele tem uma maior habilidade, uma autoridade para tomada de decisão e tem um alto controle mediante de uma alta demanda psicológica. O 3 componente é o suporte social aonde esse profissional ele recebe o devido suporte/auxilio dos seus supervisores e colegas de trabalho. A junção desses 3 componentes, onde a alta demanda psicológica junto com a alto controle no trabalho e o apoio social age literalmente no equilíbrio mental desse profissional onde consequentemente iram atuar como redutores de tensão, moderando assim o desgaste desse profissional. 
Ex: Barbara é Enfermeira do setor x e na escala de atribuição diária, ela ficou com os procedimentos mais complexos e o maior número de procedimentos, com essa quantidade de atividades e suas complexidades e um pouco tempo para realizá-los Bárbara desenvolve uma demanda psicológica exaustiva onde consequentemente ela cria situações de alta tensão.Sendo assim Bárbara tem uma alta demanda psicológica e um baixo controle no trabalho e um baixo apoio social consequentemente ocasionando danos a sua saúde mental.
Agora se essa situação fosse invertida e ao receber sua atribuição diária e fosse contesta ela recebesse esse apoio social por parte de sua supervisora percebendo que ali existe um erro gerencial e corrigindo a situação, onde mesmo que ela continuasse com as procedimentos mais complexos. Haveria esse equilíbrio, ela teria uma alta demanda, porém ela tem esse controle no trabalho, e tem o apoio social. Consequentemente esse equilíbrio vai agir como redutor de tensão e ocasionalmente o desgaste desse profissional. 
 O segundo modelo é o esforço- recompensa, desenvolvido por johonnes.Onde o 1 componente é o esforço, no qual se refere que as altas exigências no trabalho que realizamos, tais como quantidade, responsabilidade, velocidade, e tempo estabelecido para concluir tal atividade assim como a auto-exigência são responsáveis por desencadear respostas ao estresse.O 2 componente é a recompensa que se refere a reconhecimento, apoio, oportunidades, valorização profissional, redução de carga horária e salário digno. Esse modelo mostra que quando o profissional tem um alto esforço e uma baixa recompensa, desancadeia esse desequilíbrio onde viola suas expectativas de reciprocidade, assim gerando a capacidade de estresse ocupacional, portanto contribuindo para o sofrimento físico e mental.
Então, fazemos uma alusão ao fato de que os profissionais de enfermagem chegam a trabalhar 44hrs/ semanais, mesmo reivindicando as 30 horas a longos e cansativos anos. Uma vez que, se houvesse uma redução à carga horária, teria como consequência vários benefícios, como o Aperfeiçoamento profissional ou Descanso mental e físico. Assim, os serviços prestados seriam com maior segurança e atenção e também haveria uma redução/ prevenção das implicações emocionais. Segundo estudos A Carga horária de excessiva de trabalho pode aumentar 40% o risco do paciente morrer.
O profissional passaria a não apresentar tanto os sintomas de DPM (Distúrbios Psíquicos Menores), uma vez que categoria trabalhasse com uma taxa menor de horas semanais, juntamente com condições melhores de trabalho, reconhecimento por parte da organização de trabalho e com quem ali se trabalha.
RESULTADOS 4.4 
ESTRETÉGIAS DE AJUDA PSICOLÓGICA MAIS VIÁVEIS PARA ATRAIR PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM 
Tendo em vista que o profissional de enfermagem passa por sofrimento psíquico ao ter que conviver com a dor e sofrimento constantes relacionados ao trabalho, e que sua função é voltada ao cuidado com o outro, tem-se a necessidade de falar sobre os seus cuidados pessoais também, (o cuidar de quem cuida) ainda mais no momento pandêmico em que há um contexto novo e desequilibrado. Principalmente diante de tantas matérias midiáticas que temos acompanhado sobre os profissionais serem taxados como heróis, uma vez que a principal preocupação é a saúde mental dos mesmo, principalmente dos profissionais de enfermagem, uma vez que a categoria permanece 24 horas ao lado do paciente onde consequentemente está mais sujeito aos impactos psicológico da pandemia. Cabe ressaltar claro que a questão da saúde mental dos profissionais de enfermagem já era um fator altamente preocupante e com a pandemia onde as fragilidades elas são identificadas em um contexto nada equilibrado, essa questão veio a ser não só uma crise sanitária como uma crise na saúde mental. 
Sendo assim, houve a criação de uma rede de apoio pelo Cofen juntamente com o coren-pe para a categoria de enfermagem, é ofertado o atendimento psicológico de forma gratuita e online. O profissional tem acesso ao canal para o cadastro, recebe o devido suporte, o acolhimento e escuta psicológica, bem como orientações com o intuito de auxiliar os profissionais a diminuir o estresse e os desafios de lidar com o sofrimento que é em nível mental, físico e emocional. Destacam-se também as contribuições do Ministério da Saúde (MS) com o serviço de Teleconsulta Psicológica (Telepsi) para os profissionais de saúde envolvidos no combate da COVID-19.
Já existiam plataformas digitais voltadas a ajuda psicológica antes da pandemia, porém até então não eram tão procurando e nem destacadas, e diante das circunstâncias da pandemia onde estão sendo adotados o distanciamento/ quarentena e isolamento social esse atendimento remoto possuiu uma relevante vantagem no controle do suporte mental.
Então, além do serviço de atendimento ofertado, as organizações trabalhistas tem papel fundamental nessa formas mais atrativas com há a disseminação de cartilhas informativas, plataformas com guias informativos, grupos de psicólogos voluntários e plantão psicológico. 
CONCLUSÃO 
Ao decorrer do trabalho, pode-se evidenciar que o profissional da enfermagem acaba desempenhando diversas funções que exigem muita dedicação e cuidado como o outro, sendo assim, cabe ressaltar que o enfermeiro também possui suas fragilidades e necessita de acolhimento e cuidados. Porém, diante ao que foi levantado nesta pesquisa, há uma alta evidencia de desamparo, negligencia e incertezas para os profissionais desta área. Cuidar de sua saúde mental é um modo de prevenção a doenças psíquicas e físicas, pois, o conteúdo que é recalcado/reprimido passa a se manifestar de forma que afeta o comportamento e o cotidiano do sujeito. Durante a levantamento de dados, a escassez literária de artigos focados no enfermeiro foi um empecilho, esperamos que pesquisas futuras encontrem um campo de pesquisa mais abrangente e investigativo, que contribuam cada vez mais para destacar e sanar essa pauta.
Completamos ainda com essa frase “ A enfermagem é a única profissão que fica ao lado do paciente 24horas durante todo o tempo de internação, e isso, já é o suficiente para a merecida valorização”.