Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Nefrologia em Pequenos Animais

Pré-visualização | Página 1 de 2

Clínica Pequenos Animais
Nefrologia 
· Anatomia: trato urinário superior (rins e ureter) e trato urinário inferior (bexiga e uretra). A função do sistema urinário é filtração, absorção e excreção. Os rins recebem 20% de sangue do debito cardíaco todo dia. São responsáveis pela excreção de metabolitos e regulação do equilíbrio hídrico, eletrolítico e acidobásico. Quando perde essa função de excreção, ocorre o acumulo na corrente sanguínea, levando a alteração de fosforo, potássio, cálcio. Os cardiopatas podem apresentar IR devido à perda de perfusão. 
· Distúrbios do sistema urinário: obstrução uretral (impedindo o fluxo urinário), glomerulonefropatias (pode levar à IRC), insuficiência renal, infecções do trato urinário, urolitíase, DTUIF (doença do trato urinário inferior de felinos). 
· Pode ser acometido por distúrbios inflamatórios, infecciosos (erliquiose, leishmaniose, piometra), obstrutivos, isquêmicos, tóxicos, neoplásicos, medicamentoso, malformação, rupturas, alterações sistêmicas podem interferir na função renal (ex: cardiopatas). São mais comuns em animais velhos e felinos. 
· Manifestações clinicas: polaciúria (aumento da frequência de micção), disúria (dificuldade de micção), estrangúria (esforço para urinar), hematúria (presença de sangue na urina, macroscópica ou microscópica-urinálise), distúrbio de micção (retenção urinaria e incontinência – animal atropelado, muito velhinho, começa a apresentar cistite recorrente), poliúria (aumento do volume urinário - IRC), polidipsia (aumento da ingestão hídrica para compensar as perdas - IRC), êmese (quando é grave apresenta muito), anorexia ou hiporexia, desidratação, emagrecimento (perde muita massa magra, observado na região da fonte).
· O exame de urinálise é importante para avaliar densidade (1015-1045 valor de referência cães); perde muita proteína. 
· Obstrução uretral: pode ser funcional (espasmos, não é tão grave) ou anatômica (urolitíase, uretrite – pode ser provocado pela sondagem, principalmente em gatos que a uretra é mais fina e a sonda mais rígida-, DTUIF ou neoplasia). 
· Sinais clínicos: polaciúria, disúria, estrangúria – redução ou ausência do fluxo urinário.
· Diagnostico: palpação da bexiga, se não conseguir sondar, realizar exames laboratoriais e de imagem. Quando está muito cheia realizar cistocentese de alivio e realizar exames. 
· Tratamento: Quando está totalmente obstruído realizar uretrostomia.
 
· Glomerulonefropatias: glomérulo é a unidade morfofuncional do rim.
1. Glomerulonefrite: inflamação dos glomérulos e/ou túbulos, geralmente causada por deposição de imunocomplexo. É uma das maiores causas de doença renal crônica, tem perda de proteína pela urina. 
· Várias doenças infecciosas e inflamatórias estão associadas a doença glomerular (Leishmaniose, Erlichiose, Piometra, Septicemia, neoplasias, Lúpus, hepatites, endocrinopatias, FIV/FELV). 
2. Amiloidose: deposição extracelular de proteínas em algum órgão, geralmente associada a processo inflamatório subjacente. Leva a DRC.
· Sinais clínicos: podem estar ausentes, se presentes, são discretos e inespecíficos. São mais aparentes de acordo com a progressão da doença. 
 
· Diagnostico: urinálise (principal método – proteinúria intensa e persistente com sedimento normal); razão proteína/creatinina ou UPC (dosa os dois e divide para saber quanto de proteína está perdendo).
 
Demais exames para avaliação do paciente: hemograma (plaquetas – erliquiose), bioquímico renal (ureia e creatinina), PPT (leishmaniose), pressão arterial (para tratamento da proteinúria), ultrassom. 
· Principais causas de proteinúria: 
 
· Tratamento: diagnosticar e tratar a causa base. 
1. Tratamento suporte: dieta (redução sódio, proteína de alta qualidade e baixa quantidade);
2. Inibidores da ECA (para tratar hipertensão, reduzir a proteinúria e a progressão da doença – Enalapril 0,5mg/kg/BID ou Benazepril 0,25-0,5mg/kg/SID);
3. Diurético (em casos de edema/ascite pois, é nefrotóxico – Furosemida 1-2mg/kg), manejo do paciente com DRC;
4. Dexametasona ou prednisona em casos de glomerulonefrite; 
5. Ômega 3 (anti-inflamatório, reduz proteinúria e lesão glomerular – até 10kg: 500mg; acima de 10kg: 1g);
6. Colchicina (utilizado na amiloidose – 0,025mg/kg/VO/SID); 
7. Fluidoterapia em animais desidratados, monitoramento da ureia e creatinina (bioquímica sérica) e UPC (urinálise). Quanto mais aumentada UPC, níveis de ureia e creatinina, pior é o prognostico.
· Insuficiência renal: ocorre quando cerca de ¾ dos néfrons de ambos os rins perdem sua função.
· Aguda (IRA): queda abrupta na função renal, devido a agressão isquêmica ou toxica aos rins (Erliquiose, piometra, leptospirose, intoxicação). Pode ser reversível. Identificar sempre que possível a causa subjacente. Pode ser de origem pré-renal (desidratação, Insuficiência cardíaca) relacionada a baixa perfusão renal, ou pós-renal (processo obstrutivo). 
· Agentes nefrotóxicos: antimicrobianos (gentamicina é extremamente nefrotóxico, quando for necessário usar deve internar o paciente e realizar fluidoterapia), antifúngicos, anti-inflamatórios, pesticidas/herbicidas, anestésicos, veneno de animais peçonhentos, quimioterápicos. 
· Causas de diminuição da perfusão renal: desidratação, hemorragia, anestesia, sepse (piometra), hiper/hipotermia, trauma, reação transfusional, obstrução do fluxo urinário. 
· Sinais clínicos: letargia, depressão, anorexia, vomito, diarreia, desidratação, hálito urêmico, ulceras na cavidade oral (devido ao excesso de ureia), animal apresenta boa condição corporal, sedimento urinário ativo. 
· Diagnostico: bioquímica renal (ureia e creatinina): em casos obstrutivos os valores encontram-se muito altos. U.S. (sem alteração, parênquima renal normal). Urinálise (densidade baixa ou normal). Gasometria (avaliação de fósforo e potássio). SDMA (biomarcador renal especifico da função renal) indicador da função renal, permite a identificação de IRA ou DRC precocemente (ureia e creatinina podem estar normais em DRC, porém, o U.S. alterado, por isso, o SDMA é mais confiável).
· Tratamento: 
1. Fluidoterapia (não pode sobrecarregar o rim) com ringer lactato ou sol. Fisiológica;
2. Sondar e avaliar a produção urinária (1-2mL/kg/hr), sonda para retirar toda a urina, fechar e a cada hora retirar a urina para ver quanto produz. 
3. Vômito: metoclopramida (Plasil): 0,5mg/kg/BID; ondasetrona: 0,5mg/kg/BID ou maropitant (Cerenia): 1ml/10kg. 
4. Protetor gástrico: ranitidina: 2mg/kg/BID/SC.
5. Ulcera gástrica: sucralfato 0,5g/animal. 
6. Alimentação: suplementação vitamínica se for necessário, ácidos graxos. 
· Monitoramento: retirada da fluidoterapia gradativamente, monitorar função renal (pode virar renal crônico), prognostico favorável quando a causa subjacente for solucionada imediatamente ou reservado. 
· Crônica: demora semanas, meses ou anos, é irreversível. Ocorre a perda dos néfrons. Pode ser por alterações congênitas, provenientes de IRA. Leva a diminuição de eritropoietina (animal apresenta anemia). 
· Sinais clínicos: perda de peso, polidipsia, poliúria, má condição corporal, anorexia, vômito, diarreia (melena – sangue digerido nas fezes por causa das úlceras), úlcera em cavidade oral/gástrica. 
· Estágios da DRC:
 
· Diagnostico: hemograma (anemia – diminuição da eritropoietina), ureia e creatinina aumentadas, urinálise (densidade baixa), U.S. (perda da definição corticomedular), fósforo (hiperfosfatemia – SEMPRE DOSAR!!!). 
· Tratamento: 
1. Fluidoterapia: reposição de perdas, não sobrecarregar, o rim não funciona mais. 
2. Vômito: metoclopramida.
3. Anorexia: ciproeptadina (anti-histamínico, usado para estimular apetite), Apevitin BC (suplemento para estimular apetite – o,1ml/kg/BID). 
4. Úlcera gastrointestinal: sucralfato.
5. Transfusão de sangue por causa da anemia.
6. Ômegas e vitaminas (Renadvanced – prebiotico, vitamina e probiotico).
7. Dieta: nutralife (hipercalórico). 
8. Quelante de fósforo: hidróxido de alumínio.
9. Cetoanálagos: Ketosteril, vitamina que diminui ureia.
Página12