Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Dermatopatias Parasitárias Pequenos Animais

Pré-visualização | Página 1 de 2

Dermatopatias parasitárias 
· Métodos diagnósticos: 
1. Raspado de pele: avaliar ácaros;
2. Tricograma: fungos e análise do pelo (atopia);
3. Cultura: fúngica e bacteriana. E antibiograma;
4. Citologia: neoformação, bactéria, fungos;
5. Biopsia: neoformação.
· Carrapatos: é mais simples. São resolvidas após a retirada do carrapato e utilização de banho ou spry a base de piretróide, amitraz, bravecto, nexgard. É fundamental o controle ambiental (Program). 
As pododermatite afetam as patas dos animais, e podem ser de origem fúngica, bacteriana, parasitaria, neoplásica ou atopia. 
 
· Ácaros: os principais são:
· Demodex (baratinha):
· Sarcoptes scabei (zoonose): redondinho e patinhas curtinhas gordas.
 
· Otodectes: mais ovalado e as patinhas são mais compridas.
 
· Notoedris cati: redondinho.
 
· Demodicose/demodiciose canina: altamente inflamatória. Não passa para o proprietário. 
· Causas: pode ser hereditária, genética (excluir da reprodução) ou imunológica. É um ácaro presente na pele canina, porém, em pequeno número. Quando diminui a imunidade ocorre a proliferação, leva à doença. É necessário tratar os surtos!!!
· Sinais: eritema e alopecia.
· Tipos de demodicose: 
1. Localizada: áreas pequenas de alopecia, eritematosas, comum na face, ao redor dos olhos (‘’óculos’’);
 
2. Generalizada: áreas de extensa alopecia pelo corpo, eritematosas e descamativas. Quando atinge o animal na fase juvenil é relacionado com imunidade ruim. Comum em bullterrier, boxer, bulldog.
 
3. Pododemodicose: doença afeta as patas. Pode ser resultado da generalizada, curando-se do corpo, porém, a das patas permanece.
 
4. Otite: pode ocorrer como otite externa ceruminosa e eritematosa.
 
· Diagnostico: raspado de pele (é para avaliar ácaro), sinais clínicos. 
· Tratamento: é encerrado quando o raspado for negativo até 30-60 dias após o primeiro raspado negativo.
· Tópico: por meio de banhos. 
1. Amitraz: é de eleição, porém, quando o animal está com a pele muito acometida, precisa recuperar primeiro e depois realizar os banhos com amitraz, pois, pode intoxicar. NÃO USAR em diabéticos (pois, aumenta a glicemia, incluindo o TUTOR!!), em cardiopatas (causa hipotensão), evitar deixar o animal no sol (ocorre vasodilatação e aumenta o risco de intoxicação). Diluir 4ml em 1 litro de água, 1 vez por semana, durante 4-6 semanas. Quando for lesão periocular, diluir em lubrificante ocular ou óleo mineral. 
2. Clorexidina: para limpeza da pele. Pode intercalar com o amitraz, realizando um banho no início da semana com clorexidine, e no final com amitraz (2 banhos por semana, por 4-6 semanas). 
· Sistêmico: 
1. Avermectinas: 1x/semana, por 4-6 semanas. 
2. Isoxazalinas: bravecto (a cada 12 semanas), simparic (1x por mês).
· Em casos secundários: piodermite (antibiótico por 21-30 dias) = amoxicilina + clavulanato. Para aumentar a imunidade = vitamina E, ou dose específica de Levamisol 3x/semana, por 3 semanas; ômegas (anti-inflamatório natural). 
· Demodicose felina: rara em gatos, geralmente acomete pálpebras, periocular, cabeça e pescoço. Presença de prurido, eritema, caspas, crostas e alopecia. 
· Diagnostico: raspado de pele, sinais clínicos.
· Tratamento: banhos 1x/semana, durante 4-6 semanas (amitraz não é recomendado para gatos, mas é eficiente nessa espécie em banhos ou diluído em óleo mineral); Ivermectina injetável, 1x/semana ou a cada 7-15 dias. 
 
· Escabiose canina: Sarna sarcóptica. Ocorre o ano inteiro, é zoonose. Acomete áreas com pouco pelo (orelhas, barriga, cotovelos). 
· Sinais: queda de pelo, extremamente pruriginoso, com erupções avermelhadas. 
· Diagnostico: sinais clínicos, reflexo auricular-podal (quando coça a orelha o animal mexe o membro traseiro – ‘’tocar violão’’), raspado de pele (principalmente de orelha e cotovelo). 
· Tratamento: 
· Tópico: amitraz, piretróide, spray (Fipronil).
· Sistêmico: ivermectina. Usar corticoide quando o prurido for muito intenso, por 1 semana. 
 
· Escabiose felina: Sarna notoédrica, causada pelo NOTOEDRES. As lesões aparecem inicialmente na borda da orelha e se disseminam rapidamente para o restante da orelha (‘’orelha casquenta’’), pálpebras, pescoço. 
· Sinais: altamente pruriginosa, pele espessada, dobrada e recoberta por crostas amareladas. 
· Diagnostico: sinais clínicos, raspado de pele. Fazer diferencial para Otodectes, atopia, hipersensibilidade alimentar, doença autoimune. 
· Tratamento: banhos com amitraz, 1x/semana, por 4-8 semanas; Ivermectina (1 aplicação SC, a cada 15 dias). 
 
· Sarna otodécica: Otocaríase, causada pelo Otodects cynotis. Únicos que são vistos no otoscópio (são brancos). Altamente contagioso, podendo afetar qualquer espécie, sendo difícil o controle em canis e gatis, todos os animais devem ser tratados. 
· Sinais clínicos: em cães: prurido auricular com corrimento mínimo, levando a otite externa, mas podem ser encontrados em outras partes do corpo (pescoço, cauda). Em gatos: sinais são variáveis, podendo ter grande quantidade de corrimento sem apresentar sintomas, ou prurido auricular intenso com corrimento mínimo. 
· Tratamento: natalene tópico no conduto (1-2x/dia, durante 15-30 dias); Ivermectina (2 doses SC, com intervalo de 15 dias cada); Nexgard. 
· Piolhos: infestação é denominada pediculose. Acomete com maior frequência animais de campo/fazenda. 
· Sinais clínicos: altamente irritantes, podendo levar ao prurido intenso, e os sugadores causam anemia e debilidade grave, principalmente em animais jovens. 
· Diagnostico: identificação no animal. Fazer diferencial para seborreia, escabiose, e D.A.P.
· Tratamento: spray e banhos com inseticidas. 
 
· Pulgas: Ctenocephalides; Tunga penetrans (bicho-de-pé, tem que retirar + foldan).
· Controle das pulgas: 
· Alívio no animal: fipronil, capstar, selamectina (revolution), bravecto, nexgard, simparic.
· Quebra do ciclo ambiental: program, bolfo. 
· Medidas complementares: tosa, banho, escovação, aspiração de carpete, lavagem dos panos dos animais, dedetização da casa. 
· A pulga pode transmitir o Dipylidium. 
· D.A.P (Dermatite alérgica a picada de pulga): é uma hipersensibilidade a picada da pulga, em cães: apresentando dermatite – erupções pruriginosas, pápulas, eritema, hiperpigmentação e alopecia na região lombar. Em gatos: ocorre mais na região do pescoço, orelhas, e lombar, caracterizada por dermatite miliar pruriginosa (circular, vai aumentando de tamanho), alopecia. 
· Diagnostico: sinais clínicos e histórico. 
· Tratamento a curto prazo: fipronil, capstar para controle no animal + program para controle ambiental. Controle do prurido com prednisona, e anti-histamínicos (prometazina); antibiótico em caso de piodermite bacteriana.
· Tratamento a longo prazo: continuar o controle das pulgas; corticoide em dias alternados em animais com hipersensibilidade grave. 
 
· Moscas: pode levar a uma dermatite pela picada da mosca, apresentando reação irritante no local, com pápulas ao redor do sangramento. Pode desenvolver-se uma hiperplasia pseudocarcinomatosa, com alopecia. Os locais mais afetados são a face e as orelhas.
 
· Tratamento: repelentes contra as moscas, spray contra pulgas. Utilizar pomadas cicatrizantes a base de antibiótico (Fibrase). 
· Miiase: deve-se retirar as larvas, limpeza da área, larvicidas (Ivermectina 1 dose, ou Nexgard), pomadas cicatrizantes e se necessário antibiótico e anti-inflamatório sistêmico. 
 
· Dermatites fúngicas: 
1. Micoses superficiais: dermatofitoses, Malassezia, candidíases.
2. Micoses subcutâneas: micetoma, pitiose, esporotricose; implantação traumática. 
3. Micoses sistêmicas: blastomicose, criptococose, aspergilose. 
· Dermatofitose: causada pelo Microsporum (gatos são portadores assintomáticos) e Trichophyton (mais agressivo, em alguns casos não nasce mais pelos). São divididos em grupos que habitam o solo, habitam os animais e os que habitam o ser humano. 
· Achados clínicos em cães: áreas de alopecia
Página12