Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Adaptações anatômicas ao ambiente

Pré-visualização | Página 1 de 1

Adaptação é o resultado da seleção natural, onde sucessivas gerações de organismos
tornam-se capazes de viver em determinado ambiente.
Podem ser:
fisiológicas, anatômicas e morfológicas, vegetativas e reprodutivas.
Os estressores ambientais podem ser periódicos ou contínuos:
- abióticos: seca, inundações, frio, baixa radiação, baixa disponibilidade de nutrientes
- bióticos: presença de herbívoros e patógenos.
Anatomia Ecológica
Geralmente as alterações são observadas nas folhas.
Categorias ecológicas:
- Hidrófitas
- Xerófitas
- Mesófita
Características:
- Hidromórficas
- Xeromórficas
- Mesomórficas
Hidrófitas ou Macrófitas
Aquáticas enraizadas com folhas flutuantes, aquáticas flutuantes e aquáticas enraizadas
submersas.
- Anfíbias: podem estar dentro da água e ora fora d’água e resiste (casos de lagoas
que secam ou que enchem) Ex. Cyperaceae.
- Macrófitas com folhas flutuantes, ficam fixas no substrato mas as folhas flutuam. Ex.
Nympheas.
- Macrófitas submersas livres: ficam submersas mas não ficam fixas. Ex.
- Macrófitas flutuantes enraizadas
- Macrófitas flutuantes: Apresentam aguapé
● Submersas
Ex. Elodea;
Cloroplastos na epiderme;
estômatos ausentes ou inativos;
cutícula muito delgada;
pouco tecido (característico nas plantas aquáticas submersas);
mesofilo pode ser reduzido, geralmente homogêneo, ou ausente
xilema reduzido (poucos vasos e/ou de pequenos diâmetro, não precisa muito pq a
absorção é pela folha);
folhas pequenas, absorvem CO2, O2 e sais diretamente da água;
espécies com raízes fixas tem 2 fontes de nutrição: solo e água (principal).
A epiderme é o principal sítio da fotossíntese.
aerênquima
Hidropótem: absorção de água e controle de sais. Poros na cutícula por onde entra a
entrada de água e controle de sais
● Flutuantes
A folha é mais complexa, apresenta outros tecidos que a folha submersa não tem.
estômatos voltados para a face voltada à superfície em contato com o ar (interior n
tem)
apresenta os hidropótens
aerênquima p/ flutuação (essencial nessas espécies)
Xerófitas
- Plantas poiquilohydricas: ausência de mecanismos de regulação do
conteúdo hídrico, dependentes da umidade atmosférica (algas, fungos,
líquens, briófitas e algumas angiospermas) - revivescentes
- Plantas homoiohydrica: apresentam mecanismos de regulação do conteúdo
hídrico, independentes da umidade atmosférica (plantas vasculares)
Xerófitas no geral: obtêm o seu abastecimento de água de precipitação local e
umidade atmosférica
- suculentas;
- esclerófitas;
- halófitas
Poiquilohydrica xerófita
- Estão em equilíbrio com a umidade atmosférica do ambiente o qual depende a
hidratação de suas células
- As plantas deste tipo perdem água rapidamente na estação seca e sobrevivem ao
período adverso em um estado de intensa dissecação
- Suas células, tecidos e órgãos são adaptados a manterem-se viáveis durante ciclos
de extrema desidratação e reidratação
- Também conhecidas como revivescentes
Homoiohydricas - Xerófitas - Suculentas
- Folhas suculentas com abundante reserva de água (mucilagem)
- Devido ao parênquima aquífero com amplas células que fazem reserva de água na
forma de mucilagem
- Metabolismo CAM
- Acúmulo de água durante períodos úmidos. Com raízes aéreas e às vezes sem
raízes, como Tillandsias - epífitas.
- Ou suas raízes morrem durante os períodos secos e regeneram quando a água está
disponível novamente
- Folhas cilíndricas, esféricas, às vezes sem folhas
- Redução do número de estômatos para evitar evaporação, epiderme espessa com
grandes estômatos, estômatos imersos
Esclerófitas
- Plantas com folhas duras ou totalmente sem folhas
- Redução da superfície que transpira
- Sistemas radiculares bem desenvolvido, extensos e profundos
- São capazes de manter um balanço hídrico favorável, reduzindo a área de superfície
que transpira
- Aumento do espessamento das paredes celulares e cutícula
- Maior densidade do sistema vascular e dos esTômatos (em sulcos)
- Parênquima paliçádico em maior quantidade do que o esponjoso
- Presença de hipoderme reserva de água com mais eficiência
- Folhas espessas e coriáceas
- Grande quantidade de tricomas (glandulares e tectores)
- Grande quantidade de esclerênquima (esclereídes ou fibroesclereídes)
Plantas xerófita - Anatomia Kranz
- é uma forma especial de anatomia do sistema vascular onde a bainha do feixe é
super desenvolvida (bainha Kranz) envolta temos o parênquima clorofiliano radiado
que fazem fotossíntese do tipo C4 enquanto as células da bainha fazem fotossíntese
do tipo C3.
- O grão de amido é formado na bainha (super desenvolvida, com cloroplastos
maiores);
- Ela tem uma anatomia específica para esse tipo de fotossíntese C4, abrir os
estômatos em horas do dia menos desfavorável, onde armazenar o CO2 nas
células do parênquima clorofiliano, e ao meio dia onde tem mais sol ela não
precisa abrir os estômatos e consegue concluir a fotossíntese mesmo em
altas temperaturas.
- Células buliformes na epiderme, feixe vascular bem reduzido mas com
elementos vasculares reduzidos mas com floema bem desenvolvido
- esTômatos em ambas as faces
Plantas xerófitas - Halófitas
- Em ambientes principalmente com bastante sal (restinga)
- Um tipo especial de xeromorfismo, devido à natureza do ambiente habitado
- Essas espécies mostram grande diversidade de adaptações estruturais e fisiológicas
que incluem folhas suculentas com células especializadas em estocar o sal tais como
das glândulas ou pelos
- Concentram sal nos tecidos movendo do solo por toda a planta
- Folhas dessas espécies apresentam hipoderme desenvolvida que tem o provável
papel de acúmulo dos sais e reserva de água
- Mais tecido esclerenquimático, esclerofilia: células da hipo e epiderme espessadas;
- parênquima paliçádicos e feixes vasculares reforçados com células espessadas,
muitas criptas estomáticas e tricomas com parede espessado
- células buliformes responsáveis pelo fechamento e enrolamento das folhas
(condições de seca, evitar perda de água por evaporação)
Regulação do conteúdo de sais
- Glândulas específicas responsáveis pela secreção de sais
- Sal é exportado via mecanismos de transporte ativo
- Excreção inclui íons Na+ e Cl- bem como íons inorgânicos