A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
Tutoria UC6- Morfofisiologia e Genética Bacteriana

Pré-visualização | Página 2 de 4

do microorganismo., transportando moléculas que 
facilitam a adesão bacteriana ou o crescimento intracelular. o 
do tipo III é o principal fator de virulência;
As membranas externas são exclusivas para gram-negativas; é como 
um saco de lona rígido em torno das bactérias que mantém a 
estrutura bacteriana e funciona como uma barreira de 
permeabilidade entre grandes moléculas e moléculas hidrofóbicas; 
ele também protege contra condições ambientais adversas; ela 
apresenta uma estrutura em bicamada assimétrica que difere de 
qualquer membrana biológica na monocamada exterior; A membrana 
interior contém fosfolipídeos normalmente encontrado; no 
entanto, a monocamada externa geralmente é composta por 
lipopolissacarídeos (LPS) (é o único local que elas são 
encontradas); 
O LPS também é chamado de endotoxina, potente estimulador da 
resposta imune e inata. é liberado pelas bactérias do 
hospedeiro; liga-se a receptores padrão de patógeno, ativa 
células B e induz macrófagos, células dendríticas e etc; liberam 
IL1 e 6, fator de necrose tumoral (FNT) e outros fatores; O LPS 
induz febre e pode causar choque; a reação de shwartzman 
(coagulação intravascular disseminada) ocorre após a liberação 
de grandes quantidades de endotoxinas no sangue;
Morfofisiologia e genética bacteriana 6
O conteúdo de proteína total da membrana externa é de mais 
concentração que na membrana citoplasmática, apesar de ser 
limitada de variedade, é muito em quantidade; muita dessas 
proteínas localizam-se de forma transversal na bicamada lipídica 
e são denominadas de proteínas transmembranas; Um grupo dessas 
proteínas é conhecido como porinas, pois formam poros, que 
permitem passagem de metabólitos e moléculas pequenas de 
antimicrobianos hidrofílicos;
A membrana externa é conectada à membrana citoplasmática em 
pontos de adesão e é unida ao peptidoglicano através de 
lipoproteína;
A membrana externa é mantida unida por ligações de cátions 
divalentes (Mg+2 e Ca+2) entre os fosfatos das moléculas de LPS 
e as interações hidrofóbicas entre o LPS e as proteínas. Essas 
interações produzem uma membrana forte e rígida que só pode ser 
rompida por antibióticos (p.ex., polimixina) ou pela remoção dos 
íons Mg e Ca.
Estruturas Externas:
Algumas bactérias são envolvidos por polissacarídeos soltos ou 
por camadas de proteínas denominada cápsulas, algumas vezes 
referidas como slime ou glicocálix; elas não são necessárias 
para o crescimento das bactérias, mas são muito importantes para 
a sobrevivência no hospedeiro; a cápsula é fracamente antigênica 
e antifagocítica e é um importante fator de virulência; também 
pode atuar como barreira para moléculas hidrofóbicas tóxicas e 
pode promover a adesão a outras bactérias ou a tecidos; Algumas 
bactérias produzem um biofilme polissacarídeo (protege a 
comunidade bacteriana de antibiótico);
Os flagelos são estruturas propulsoras tipo hélices, compostas 
por proteína helicoidal enrolada (flagelina), que são ancoradas 
nas membranas bacterianas, através de um gancho e estruturas do 
corpo basal e são orientadas por potencial de membrana; o 
potencial de membrana dá força ao motor proteico, que gira numa 
hélice em forma de chicote, composta de várias unidades de 
Morfofisiologia e genética bacteriana 7
flagelina; os flagelos promovem motilidade, permitindo que as 
bactérias se movimentem (quimotaxia) em direção a nutrientes.
As fímbrias (pili) são estruturas semelhante a pelos, presentes 
na superfície externa das bactérias; são compostas de 
subunidades proteicas (pilina); são menores em diâmetro que os 
flagelos; não são estruturas enroladas; promovem adesão a outras 
bactérias e ao hospedeiro; a ponta delas pode conter proteínas 
(lectinas) que se ligam a açucares específicos;
2- Diferenciar as bactérias que fazem parte da microbiota do 
TGI, respiratório, urogenital e pele, das patogênicas de 
interesse clínico 
Morfofisiologia e genética bacteriana 8
Morfofisiologia e genética bacteriana 9
Morfofisiologia e genética bacteriana 10
3- Explicar a fisiologia, o crescimento e a reprodução 
bacteriana 
Os fatores necessários para o crescimento microbiano podem ser 
físicos e químicos;
Fatores físicos:
Temperatura: os m.o são classificados em 3 grupos na faixa de 
temperatura que eles preferem: (1) psicrófilos - micróbios que 
gostam de frio 0º 15º - (2) mesófilos - gostam de temperaturas 
moderadas 25 a 40º - (3) termófilos - gostam de calor 50 a 60º-; 
Morfofisiologia e genética bacteriana 11
Cada espécie cresce na temperatura mínima, ótima (cresce melhor) 
e máxima específica;
pH: a maioria cresce em uma faixa estreita de pH próxima a 
neutralidade; pH entre 6,5 e 7,5; Mas existem bactérias 
acidófilas, extraordinariamente tolerante à acidez;
Pressão Osmótica: Quando uma célula microbiana está em uma 
solução cuja concentração de solutos é mais elevada que dentro 
da célula (ambiente hipertônico), a água atravessa a membrana 
celular para o meio com a concentração mais elevada de soluto. 
Essa perda osmótica de água causa plasmólise, ou o encolhimento 
do citoplasma da célula; 
O crescimento da célula é inibido à medida que a membrana 
plasmática se afasta da parede celular; Alguns organismos 
(hialófilos extremos) se adaptaram tão bem a altas concentrações 
de sais que se tornaram hialófilos obrigatórios; Hialófilos 
facultativos são mais comuns; Se a pressão osmótica é 
anormalmente baixa (o ambiente é hipotônico) – como na água 
destilada, por exemplo –, a água ten- de a entrar na célula, em 
vez de sair. Alguns microrganismos que têm uma parede celular 
relativamente frágil podem ser lisados com esse tratamento.
Fatores Químicas:
Carbono: é o esqueleto estrutural da matéria viva; quimio-
heterotróficos obtêm a maior parte do seu carbono de sua fonte 
de energia (materiais orgânicos como proteínas, carbo e 
lipídios); os quimio-autotróficos e os fotoautotróficos derivam 
seu carbono do CO2;
Nitrogênio, enxofre e fósforo: A síntese de pt requer 
quantidades de nitrogênio e enxofre; a síntese de DNA e RNA 
requer nitrogênio e algum fósforo; assim como p/ síntese de ATP; 
Organismos utilizam nitrogênio essencialmente para formar o 
grupo amino dos aa das proteínas; O enxofre é utilizado para 
sintetizar os aa contendo enxofre e vitaminas; O fósforo é 
essencial para síntese de ácidos nucléicos e de fosfolipídeos 
das membranas celulares.
Morfofisiologia e genética bacteriana 12
Elementos-traços: requerem qtds. muito pequenas de outros 
elementos minerais, como ferro, cobre, molibdênio e zinco; a 
maioria é essencial às funções de certas enzimas;
Divisão Bacteriana:
O crescimento bacteriano se refere ao aumento de bactérias e não 
ao aumento do tamanho das células; as bactérias normalmente se 
reproduzem por fissão binária; algumas por brotamento;
Fases de Crescimento:
Fase lag: durante certo tempo, o nº de células muda pouco, pois 
elas não se reproduzem imediatamente em um novo meio; esse 
período de pouca ou nenhuma divisão é chamado lag; Mas, as 
células não estão dormentes; a população microbiana passa por um 
período de intensa atividade metabólica, envolvendo 
principalmente a síntese de enzimas e várias moléculas;
Fase log: as células começam a se dividir e entram em um período 
de crescimento, chamado fase log ou de crescimento exponnecial; 
a repdoução celular é mais ativa durante esse período e o tempo 
de geração atinge um mínimo constante; 
Fase estacionária: eventualmente, a velocidade de reprodução 
diminui e o número de mortes microbianas é equivalente ao número 
de células novas, e a população se estabiliza; a causa da 
interrupção do crescimento exponencial não é clara; o 
esgotamento de nutrientes, acúmulo de resíduos e mudanças do pH 
podem ser motivos;
Fase de morte celular: o nº de mortes excede o nº de novas 
células e a população entra em fase de morte ou declínio 
logarítmico; ela continua até que a população tenha diminuído 
para uma pequena fração do número de células da fase anterior ou 
que a população morra