A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
RESUMÃO DIREITO DAS SUCESSÕES | Direito Civil

Pré-visualização | Página 1 de 1

Aula 23 
 A ordem de sucessão legítima está no art. 1829 do CC/02: 
I) Descendentes + cônjuge/companheiro (a depender do regime de 
bens); 
II) Ascendentes + cônjuge/companheiro; 
III) Cônjuge/companheiro; 
IV) Colaterais até 4º grau. 
 O companheiro é considerado herdeiro necessário pela maioria da 
doutrina e pelo STJ. 
 
1. Sucessão dos descendentes e a concorrência do 
cônjuge ou companheiro 
 
 Na sucessão dos descendentes, o grau mais próximo exclui o mais 
remoto, salvo o direito de representação (em regra, o filho exclui o 
neto, que exclui o bisneto...). 
 Os descendentes de mesmo grau têm os mesmos direitos 
sucessórios, vedada qualquer discriminação quanto aos filhos. 
 
 
 
 Quando o cônjuge/companheiro é meeiro, não é herdeiro; quando é 
herdeiro, não é meeiro. 
Regimes de bens em que o cônjuge/companheiro 
CONCORRE com os descendentes 
Regimes de bens em que o cônjuge/companheiro 
NÃO CONCORRE 
 Participação final nos aquestos; 
 Separação convencional de bens; 
 Comunhão parcial de bens, 
havendo bens particulares. 
 Comunhão universal de bens; 
 Separação obrigatória/legal; 
 Comunhão parcial de bens, não 
havendo bens particulares 
 Aula 23 
 No regime da comunhão parcial, havendo bens particulares, a 
concorrência sucessória se dá em relação a quais bens? 
- Segundo a corrente majoritária (Enunciado 270 da Jornada de Direito 
Civil), a sucessão se dá em relação aos bens particulares. 
 O STJ pacificou o entendimento de que a separação convencional 
não se projeta post mortem, de forma que há concorrência sucessória. 
 
 
- Em concorrência com os descendentes, o cônjuge/companheiro 
receberá a mesma quota daqueles. Além disso, terá direito a ¼ da 
herança se for ascendente dos herdeiros com quem concorrer. Se o 
cônjuge/companheiro concorre com filhos exclusivos do falecido, não 
terá a reserva de ¼. 
↳ Filiação híbrida/concorrência híbrida: quando o cônjuge/companheiro 
concorre com filhos comuns e exclusivos. Havendo mais de 3 filhos, 
deve ser feita a reserva da quarta parte? De acordo com a posição 
majoritária, não. 
 
 
- Na sucessão dos descendentes, o grau mais próximo exclui o mais 
remoto, salvo direito de representação. 
 Na sucessão por representação/estirpe (arts. 1851 a 1856), a lei 
chama certos parentes para suceder no lugar de outros. A situação 
“clássjca” é a io herdeiro pré-morto, de modo que seus descendentes 
herdarão por representação. 
↳ Se todos os descendentes do falecido forem pré-mortos, os netos 
herdariam por cabeça, e não por representação (herança avoenga). 
* A representação só ocorre na linha reta descendente ou colateral, 
nunca na linha ascendente (art. 1852). “Só iesce ou vaj pro laio, nunca 
sobe”. 
 Aula 23 
 Na linha colateral, o direito de representação diz respeito somente 
aos sobrinhos. 
 
2. Sucessão dos ascendentes e a concorrência do 
cônjuge ou companheiro 
 
- Na falta de descendentes, são chamados a herdar os ascendentes em 
concorrência com o cônjuge/companheiro, sem qualquer influência do 
regime de bens. 
 O grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1836), sem distinção 
de linhas (havendo igualdade de grau e diversidade de linhas, os 
ascendentes paternos herdam a metade, cabendo a outra metade aos 
da linha materna). 
 Não há direito de representação. 
 
[quadrinho] 
 
 
 Concorrendo o cônjuge com dois ascendentes de 1º grau (pai e mãe 
do falecido), terá direito a 1/3 da herança. 
 Concorrendo o cônjuge com um só ascendente, ou ascendentes de 
grau maior (ex: avós), terá direito a ½ da herança. 
 
[quadrinho] 
 
 
 No caso de multiparentalidade, a divisão será igualitária de acordo 
com o número de genitores. 
 Aula 23 
 
[ quadrinho] 
 
3. Sucessão do cônjuge ou companheiro 
isoladamente 
 
- Não havendo descendentes e ascendentes, a herança será atribuída 
por inteiro ao cônjuge ou companheiro sobrevivente (art. 1838). 
 O art. 1830 prevê as condições para o cônjuge herdar em 
concorrência ou isoladamente: 
Cônjuge herda Cônjuge não herda 
- Casado, não separado; 
- Casado, mas separado de fato há 
até 2 anos; 
- Separado de fato há mais de 2 
anos e não foi o culpado pelo fim da 
união. 
- Divorciado; 
- Separado judicialmente ou 
extrajudicialmente; 
- Separado de fato há mais de 2 anos 
e o sobrevivente foi o culpado pelo fim 
da união. 
 
↳ Parte considerável da doutrina propõe uma leitura idealizada da 
norma, desconsiderando o prazo, a culpa mortuária, e a menção à 
separação kuijcjal: “somente é reconhecjio o ijrejto sucessórjo io 
cônjuge sobrevivente se, ao tempo da morte do outro, não estavam 
separaios”. Com essa lejtura, o artjgo torna-se aplicável à união estável. 
↳ Contudo, o STJ aplica a norma na literalidade, cabendo ao 
sobrevivente provar que estava separado sem culpa sua. 
 
 
 O direito real de habitação do cônjuge/companheiro se aplica: 
- A qualquer regime de bens; 
- Em concorrência ou isoladamente; 
- Imóvel de residência da família; 
 Aula 23 
- Sendo o único imóvel a inventariar. 
 Pode ser renunciado? De acordo com o Enunciado 271 da JDC, o 
cônjuge/companheiro pode renunciar ao direito real de habitação nos 
autos do inventário ou por escritura pública. 
 
4. Sucessão dos colaterais 
 
- Se o falecido não deixou descendentes, ascendentes e 
cônjuge/companheiro, serão chamados a suceder os colaterais até 4º 
grau (irmãos, tios, sobrinhos, primos, tios-avós e sobrinhos-netos). 
 Não há concorrência do cônjuge ou companheiro, que exclui os 
colaterais. 
 Os colaterais de grau mais próximo excluem os de grau mais 
remoto, salvo o direito de representação concedido aos sobrinhos do 
falecido. 
 Concorrendo irmãos bilaterais (mesmo pai e mesma mãe), com 
irmãos unilaterais, cada um destes herdará a metade do atribuído 
àqueles. “Mejo-jrmão heria a metaie io jrmão jntejro”. Não 
concorrendo irmãos bilaterais, os irmãos unilaterais herdarão em partes 
iguais. 
 Na falta de irmãos, herdarão seus filhos, por cabeça (sobrinhos do 
falecido). Sobrinho unilateral recebe a metade do bilateral (art. 1843). 
 Na falta de sobrinhos, herdarão os tios. 
 A lei é omissa sobre a hipótese de haver outros colaterais além dos 
tios e sobrinhos. Pelo princípio da proporcionalidade, a divisão deve ser 
igualitária. 
 Não sobrevivendo cônjuge/companheiro, nem parente algum, a 
herança é devolvida ao Município ou à União, que são sucessores 
irregulares, e não herdeiros (art. 1844).