A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
AULA 1 - Microbiologias da Pele

Pré-visualização | Página 1 de 4

AMANDA GARCIA 2021 
-Fisiopatogênia das lesões cutâneas causadas por fungos 
Conceito: infecção fungica da epiderme e anexos (pelos 
e unhas) 
 Classificação: 
Dermatofitoses: 
Causadas por fundos dermatofitos 
Utiliza da queratina 
Produz uma enzima (queratinase) que vai destruir as 
células epiteliais produzindo uma lesão. 
Normalmente a lesão começa no centro e depois para as 
laterais 
 
Dermatomicoses: 
I. Ceratofitoses: 
São não queratinófilos (não usa a queratina) 
A característica da lesão é depende da espécie que vai 
causar a doença 
 
II. Candidíase muco-cutânea 
São não queratinófilos (não usa a queratina) 
A característica da lesão é depende da espécie que vai 
causar a doença 
 
Dermatofitoses ou Tinhas ou Tinea 
São 3 gêneros: Trycofyton, Microsporum e 
Epidermophyton 
OBS: Para o fungo se desenvolver ele precisa de: 
nutriente, umidade e temperatura. 
Podem ser: 
-Geofilicos: Habita o solo. Ex: Microsporum gypseum 
-Zoofilicos: Habita a microbiota normal de um animal 
(cão, gato). Ex: M. canis, Trichophyton mentagrophytes 
-Antropofilicos: habita exclusivamente em humanos 
Ex: T. rubrum; T. schoenlein, T tonsurans 
Acredita-se que a origem da dermatofitose é no solo e 
que com o passar do tempo foram se adaptando e 
transformando em zoofilicos ou antropofilicos. 
 
-A lesão é normalmente típica que se inicia no centro 
-Anular com crescimento centrifugo em que o fungo 
que estará liberando a enzima queratinase destruindo a 
queratina tanto da pele como do pelo. 
-Geralmente tem prurido que acaba coçando e causando 
infecções secundarias por bactérias nas regiões 
adjacentes a ferida 
-Podem aparecer bolhas nas bordas da lesão 
OBS: seu nome muda conforme onde essa 
dermatofitose está localizada 
 
Tinia Capitis (couro cabeludo) 
 Epidemiologia: 
Normalmente se manifesta em crianças (de 6 a 10 anos) 
Em adultos normalmente manifesta intertriginosas (é 
mais grave) 
 
 Transmissão: pessoas, animais e objetos. 
Fatores predisponentes 
Obs: levar em consideração onde a pessoa mora, o 
sistema imunológico da pessoa, má nutrição e outras 
características. 
 
 Patogenia 
Definida pela produção de queratinases (enzima que 
degrada queratina). 
Característica Clínica a ser observada: local, espécie e 
resposta imunológica. 
Variação geográfica: sul e sudeste (M. canis) e nordeste 
(T. Tonsurons) e na África (T. Soudanense endêmica) 
 
 Diagnóstico clínico 
Topografia da lesão (características da lesão no couro 
cabeludo) vai definir qual o tipo de Tinea capitis. 
 
Tipos de infecção que o fungo pode produzir: 
-Infecção Endothrix (Tricophyton sp) 
O fungo germina e a hifa se enrola no pelo consegue 
entrar dentro do pelo e ficar no canal do pelo. 
Tem múltiplas áreas de alopécia 
1. T. tonsurante: 
Vai produzir placas de tonsura, caracterizada por cotos 
pilosos e descamação única ou múltipla. Na fase aguda 
vai apresenta intensa inflamação que vai formar 
pústulas (denominada Kerion Celsis) 
2. T. favosa 
Causada pelo trichoplyton schoenleinii 
Mas grave das tineas capitis 
Atacada o folículo piloso e deixa alopecia cicatricial 
(cabelo não cresce mais) 
Quadros típicos apresenta lesões pequenas e 
crateriformes em torno do óstio folicular 
 
-Infecção Ectothrix (Microsporum sp): 
O fungo germina e a hifa se enrola fora do pelo. 
Normalmente é de única lesão com definição das bordas 
e uma placa cinzenta com perda do cabelo. 
 
 Diagnostico laboratorial 
Micológico direto 
Cultura (padrão ouro) 
Lâmpada de wood 
 -Microsporim: fluorescência esverdeada 
 -Trichoplyton: não fluorecem 
 -T. Schoenleinii: fluorescência verde parda 
 
AMANDA GARCIA 2021 
Tinea Corporis (tórax) 
 Etiologia: E. floccosum, T. rubrum e M. canis 
 Clínica 
-Placa descamativa, pruriginosa (produção de prurido), 
com bordos eritematosopapulosos, crescimento 
centrifugo, centro claro (início da lesão) 
-Lesões granulomatosos 
-Podem ser únicas ou múltiplas, ocorrendo com 
frequência sua confluência 
 
Tinea da Face (rosto) 
 Etiologia 
T. mentagrophytes 
T. rubrum 
 
 Clinica 
Apresenta placas assimétricas 
Mais comum em crianças do que em adultos 
A lesão muda conforme o local 
 
 Diagnostico diferencial 
Observar se não é: Dermatite seborreica, Lúpus ou 
Dermatite de contato pois são parecidos. Precisa fazer 
uma cultura e também micrológico direto. 
 
Tinea cruris ou tinha inguino-crural 
 Etiologia: T. mentagrophytes, T. rubrum e E. 
floccosum 
 
 Clinica: 
Placas eritomatosas com bordas bem definidas com 
microvisiculas 
Tem clareamento central 
É mais comum em homens do que em mulheres 
Normalmente é bilateral (nadegas ou pernas) 
Podem ficar escuras ou liqueficadas devido ao prurido 
que gera muita coceira. 
Comum durante o verão (calor) e na praia (umidade) 
 
Tinea pedis e manum (pés ou mãos) 
 Etiologia: normalmente produzida pelo 
Trichoplyton rubrum 
Tinha dos pés é mais frequentemente 
1. Forma Interdigital: frequentemente na tinha dos 
pés. Produzida por: T. mentagrophytes T. 
rubrum 
2. Forma vesico bolhosa: forma aguda e mais 
grave. Com lesões vesico-bolhosas associadas 
com a forma interdigital. 
3. Forma escamosa: é uma evolução crônica da 
forma interdigital. Produzida por: T. rubrum e 
Epidermophyton Floccosum 
 
Tinea de unha (onicomicose) 
Onicomicose causada por dermatófitos 
Começa com uma perda da coloração da unha (amarela, 
braca) e uma descolação da mesma. 
Pode infectar unhas de outros dedos. 
Pode ocorrer perda de digitais quando muito avançada. 
 
 Etiologia: 
Os mesmos fungos da Tinea pedis e manum 
 
 Clinica: 
1. Distal e ou lateral: mais frequente. Produzida 
por: T. rubrum 
2. Branca superficial: produzida por: T. 
mentagrophytes e T. rubrum. São mais 
frequentes em indivíduos soro positivos 
3. Subungueal proximal: produzida por T. 
rubrum. São mais frequentes em soros 
positivos. 
4. Distrófica total: inicialmente é cândida e na fase 
final dermatófitos 
 
 Diagnostico diferencial: entre psoríase e liquen 
 
 Diagnóstico: micológico direto e cultura (meio 
de Sabouraud). Pode adicionar o usa de 
antibióticos para evitar infecções secundarias. 
 
Granuloma tricofitico de majocchi 
 Acometimento profundo 
Produzindo Foliculite e Perifoliculite 
 
 Clinica 
Lesão eritematosa ou papulo-pustulosa nas 
extremidades. 
 
Dermatomicoses: 
Ceratofitoses 
Pitiríase versicolor é uma doença causa por essa micose. 
Ocorre Infecção da camada córnea pelo agente 
etiológico: malassezia furfur ou pityrosporum ovale 
 
-Ocorrência universal, com prevalência em climas 
quentes e úmidos 
-Maioria assintomática, evidenciada após exposição 
solar 
-O fungo em forma micelar quando encontra 
temperatura, umidade e imunodepressão ou 
hiperhidrose o fungo ele se transforma em forma 
leveduriforme. 
-Ocorre em adolescentes e adultos jovens 
-Apresenta áreas seborreicas: pescoço e tronco 
-Macula hipocromicas, róseas, acastanhadas com uma 
descamação fina 
-Crianças: na face e regiões das fraldas; menos 
descamativas. 
AMANDA GARCIA 2021 
-Imunocomprometidos: acometimento do folículo 
pilossebaceo (foliculite pitirospórica) 
-Normalmente não produz prurido 
 
 Diagnostico: micológico direto (+ quando vê 
esporos e pseudohifas) ou lâmpada de wood (+ 
quando amarelo ouro e nas crianças 
fluorescência rósea dourada) 
 
 Conceito 
São infecções causadas por um grupo diversificado de 
fungos que ataca o homem e os animais. Pode ser 
considerada zoonoses também (animal infectando 
animal) 
As lesões aparecem inicialmente a partir de um ponto 
de inoculação de estruturas fúngicas, por meio de 
traumatismos diversos ex: arranhão, espinho. 
Podem permanecer localizados ou se espalhar pelos 
tecidos adjacentes, por via linfática ou hematogênica. 
 Agentes 
Vivem em estado

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.