A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Direito Administrativo - Poderes da Administração Pública

Pré-visualização | Página 1 de 2

1 
 
 
 
2 
 
PODERES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 
 
✔ Poder Hierárquico: 
- É o poder da administração pública tem para ditar normas de organização interna. 
- É manifestação interna do poder e dentro da mesma pessoa jurídica. 
- Nunca se manifesta em relação a pessoas que não tenham um vínculo específico com a 
administração que confira essa hierarquia. 
- Um dos seus principais desdobramentos é a possibilidade de delegação e avocação de 
competências. 
- Existe hierarquia tanto no Poder Executivo, como nos Poderes Legislativo e Judiciário. Mas não 
existe hierarquia entre os Poderes. 
 
> Delegação e avocação de competências: 
- Se um agente público é superior hierárquico de outro, ele pode, com base na hierarquia, 
delegar a competência para a prática de certos atos ao seu subalterno ou agente de mesma 
hierarquia ou avocar para si a competência de um subordinado para a prática de certos atos. 
- Há três hipóteses em que a lei veda a delegação: 
• Edição de atos normativos; 
• Decisão de recurso hierárquico; 
• Competências definidas em lei como exclusivas. 
 
> Exemplos da manifestação do poder hierárquico: 
• dar ordens aos subordinados; 
• poder de fiscalização das atividades desempenhadas pelos órgãos e agentes subordinados; 
• exercício da autotutela (poder de revisão), de ofício ou mediante provocação, por meio do 
controle dos atos praticados pelos órgãos inferiores, anulando-os quando ilegais ou 
revogando-os quando inconvenientes e/ou inoportunos. 
 
 
✔ Poder Disciplinar: 
- É o poder da administração de penalizar, de aplicar sanções. 
- Decorre do poder hierárquico. 
- A penalidade decorrente do poder disciplinar somente será aplicada aos servidores públicos e 
demais pessoas que estejam sob a disciplina administrativa. 
- Essas “demais pessoas que estejam sob a disciplina administrativa”, em regra, estão vinculadas 
à Administração Pública por meio de contratos. 
- São exemplos decorrentes do poder disciplinar: 
• Aplicação de demissão a servidor público em virtude de processo administrativo disciplinar 
(aplicação do poder disciplinar em decorrência de vinculo estatutário/legal). 
• Aplicação de multa a empresa contratada através de licitação em decorrência de 
inadimplemento contratual (aplicação do poder disciplinar em decorrência de vínculo 
contratual). 
 
- Admite-se que a instauração do processo disciplinar administrativo é ATO VINCULADO. O 
superior hierárquico DEVE instaurar o procedimento contra o servidor que cometeu infração. 
 
3 
 
- Apenas há espaço para discricionariedade na graduação do prazo de suspensão e na análise da 
conversão desta punição para multa diária. 
 
 
✔ Poder Regulamentar (ou normativo): 
- É o poder de editar normas gerais e abstratas para regulamentar a aplicação da LEI. 
- O poder regulamentar/normativo não altera/inova e sim complementa/regulamenta. 
- São atos normativos: os regulamentos, as instruções, portarias, resoluções, regimentos, etc. 
- Dependem de lei anterior para serem editados. Logo, o poder normativo é derivado da lei, do 
ato normativo originário. 
- Especificamente, poder regulamentar é privativo dos Chefes do Executivo para elaborar 
decretos e regulamentos para a fiel execução das leis. 
 
> Decretos autônomos: 
- O poder normativo deve ser sempre exercido com base na lei, ou seja, em seus limites, não 
podendo criar ou restringir direitos, mas apenas regulamentar o seu exercício. 
- No entanto, o art. 84, VI da CF, com a redação dada pela EC 32/01, há decretos autônomos 
hoje, mas sem as características dos antigos decretos autônomos. 
Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República: 
VI - dispor, mediante decreto, sobre: 
a) organização e funcionamento da administração federal, quando não implicar aumento 
de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos; 
b) extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos; 
 
 
✔ Poder de Polícia: 
- É o poder que a administração possui de restringir o exercício de liberdades individuais e o 
uso e gozo da propriedade para garantia do interesse público. 
- Trata-se de uma maneira de materialização da supremacia do interesse público sobre o 
privado. 
- Exemplos: 
• Restrições: proibição de estacionar o veículo em determinados locais; limites de 
velocidade; semáforos; 
• Condicionamentos: obrigatoriedade de requerer ao Município licença para construir; porte 
de arma; permissão para dirigir. 
 
- Definição legal de poder de polícia dada pelo Código Tributário Nacional: 
Art. 78. Considera-se poder de polícia atividade da administração pública que, limitando 
ou disciplinando direito, interesse ou liberdade, regula a prática de ato ou a abstenção de 
fato, em razão de interesse público concernente à segurança, à higiene, à ordem, aos 
costumes, à disciplina da produção e do mercado, ao exercício de atividades econômicas 
dependentes de concessão ou autorização do Poder Público, à tranquilidade pública ou ao 
respeito à propriedade e aos direitos individuais ou coletivos. 
 
 
 
4 
 
> Formas de materialização: 
• Atos preventivos: impedem a ação do particular, por meio de fiscalização, definição de 
regras para o exercício dos direitos etc. 
• Atos repressivos: reprimem atos praticados em contrariedade às normas, aplicando multas, 
realizando apreensões etc. 
• Obrigações de não fazer: em regra, estipula ao particular condutas negativas, que ele não 
pode praticar. 
• Obrigações de fazer: pode se materializar, também, no sentido de obrigar/coagir ou 
particular a agir. 
 
- O poder de polícia aplica-se a QUALQUER pessoa, indiscriminadamente, diferente do poder 
disciplinar que só se aplica aos servidores públicos e demais pessoas que estejam sob a disciplina 
administrativa. 
 
> Polícia administrativa x polícia judiciária: 
- A polícia administrativa incide sobre bens, direitos e atividades, ao passo que, a polícia 
judiciária atua sobre as pessoas, individualmente ou indiscriminadamente. 
 
 
 
 
> Atributos do poder de polícia: 
a) Discricionariedade: significa que no exercício do poder de polícia, o agente público, dentro 
dos limites impostos pela lei, tem liberdade para agir pautado em critérios de conveniência e 
oportunidade. 
- Exemplo: um fiscal da vigilância sanitária poderá advertir o comerciante, multar, interditar o 
estabelecimento e etc. 
⁕ É importante advertir que nem todo ato de polícia é discricionário. Como exemplos, enquanto 
a licença é ato de polícia vinculado (alvará, licença para construir), a autorização é ato de polícia 
discricionário (autorização para porte de arma). 
 
b) Coercibilidade: é a característica do ato de polícia de poder ser imposto pelo agente 
público independente da concordância do particular destinatário do ato. Equivale à 
imperatividade dos atos administrativos, sendo certo que todo ato de polícia é coercitivo 
(imperativo), ou seja, obrigatório para seu destinatário. 
 
c) Autoexecutoriedade: a Administração Pública executa os seus atos de polícia 
independentemente de prévia manifestação do Poder Judiciário. Por meio desse atributo, a 
Administração Pública compele materialmente o administrado (executoriedade), valendo-se de 
 
5 
 
meios diretos de coerção (ex.: apreensão de mercadorias, interdição de estabelecimentos e 
dispersão de manifestação de grevistas). 
- Nem todo ato de polícia possui o atributo da autoexecutoriedade, como ocorre na cobrança 
de valores (por ex.: multas), em que a Administração Pública deve ajuizar a ação competente 
para efetuar a cobrança coercitiva do devedor caso este não efetue o pagamento 
espontaneamente. 
 
> Delegação do poder de polícia: 
- O poder de polícia somente pode ser exercido por pessoas jurídicas de direito público 
(Administração Direta e Autarquias), ou seja, não pode ser delegada para particulares. 
- Isso não significa vedação a que algumas atividades materiais acessórias ou conexas ao 
exercício do poder de polícia

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.