A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
bem de família

Pré-visualização | Página 1 de 2

Temas avançados de Direito de 
Família. Alimentos, Direito 
Assistencial e Bem de Família.
Bem de Família: definição e terminologia (análise
constitucional). Regulamentação do Código Civil de
2002 e na Lei n. 8.009/1990.
Maurício Andere von Bruck Lacerda
CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO 
SENSU ON-LINE EM DIREITO DE 
FAMÍLIA e SUCESSÕES
BEM DE FAMÍLIA – CONTEXTO ATUAL 
Fundamentos Constitucionais 
Art. 6º CF - São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o
trabalho, a moradia (EC 26/00), o transporte, o lazer, a segurança, a
previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos
desamparados, na forma desta Constituição.
Art. 1º - Fundamentos da República - III – Dignidade da pessoa humana
Origem: Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948)
CONSAGRAÇÃO dos princípios da “dignidade da pessoa humana”;
“SOLIDARIEDADE” (art.3ºI) e “IGUALDADE lato sensu”
SÃO os ELEMENTOS NORTEADORES (estruturantes) do “Direito Civil
Constitucional” e da tendência de “constitucionalização” e
“personalização” do Direito Civil.
REFLEXO, inclusive, nos direitos de natureza eminentemente
PATRIMONIAL
(Ex. “Estatuto Jurídico do Patrimônio Mínimo” (Luiz Edson Fachin)
Conceito
A proteção ao BEM de FAMÍLIA se caracteriza pelo direito que recai
sobre o único bem imóvel de propriedade da família, conferindo-
lhe dupla proteção legal (legal e convencional), com o propósito de
garantir o direito à moradia da família, tornando o lar familiar, em
regra, impenhorável em relação às dívidas assumidas pelos membros
da família, respeitados os requisitos e limites legais.
Caio Mário da Silva Pereira salienta que “é uma forma de afetação
de bens a um destino especial que é ser a residência da família
e, enquanto for, é impenhorável por dívidas posteriores à sua
constituição.”
Trata-se de exceção à regra geral de que todos os bens do devedor
respondem por suas dívidas (art. 391 CC)
ESPÉCIES
Bem de Família Convencional ou Voluntário
Fundamento legal: Arts. 1711 e ss. CC
Finalidade: assegurar o lar familiar no tocante às dívidas, por meio de ato de vontade da 
família
Bem de Família Legal
Fundamento legal: Lei 8009, de 29.3.1990 e suas alterações
Finalidade: preservar a moradia da família, independentemente de ato prévio de vontade
Obs.: Não há conflito de normas (ressalva expressa art. 1711 CC)
Alterações recentes: Lei complementar 150 (1º.6.15) empregados
domésticos; Lei 13.144 (6.7.15) proteção ao patrimônio do novo cônjuge ou
companheiro do devedor de pensão alimentícia; Lei 13.105 (16.3.15) arts. 1º, 8º, 832 e 833
Novo CPC (repetem 648 e 649 CPC-73)
Bem de família convencional/voluntário
arts. 1711 ao 1721 CC
Código Civil 1916: tratava da figura nos artigos 70 a 73;
Código Civil 2002: deslocamento para a parte de “Direito de Família”
Finalidade: Assegurar o lar familiar com relação a dívidas posteriores à sua instituição.
(Não pode fraudar credores!).
Forma: Escritura pública ou testamento (depende de aceitação). Necessário o registro do
CRI (art. 1714 CC). Figura pouco prestigiada na prática;
Objeto proteção: prédio residencial urbano ou rural, com suas pertenças e acessórios,
destinando-se em ambos os casos a domicílio familiar, e poderá abranger valores
mobiliários, cuja renda será aplicada na conservação do imóvel e no sustento da família.
(art. 1712CC)
Requisitos: Que o bem não ultrapasse 1/3 do patrimônio líquido dos cônjuges
(1711); Necessidade de registro (1714 CC);
Obs.: No Bem de Família Legal NÃO HÁ ESSE LIMITE – Houve uma tentativa de limitar a
1.000 s.m., mas foi VETADO.
Bem de família convencional/voluntário
Alcance da proteção: isento da execução por dívidas posteriores à sua
instituição, salvo as que provierem de tributos relativos ao prédio, ou de despesas
de condomínio; Saldo existente será aplicado em outro prédio, como bem de
família, ou em títulos da dívida pública, para sustento familiar, salvo se motivos
relevantes aconselharem outra solução, a critério do juiz. (1715CC)
Obs.: Isenção durará enquanto viver um dos cônjuges, ou, na falta destes, até
que os filhos completem a maioridade (1716CC).
Quem pode instituir: Cônjuges, entidade familiar ou terceiros (§ún.) (podem
determinar que o bem volte ao seu patrimônio - 547 CC);
Destinação diverso: Necessário CONSENTIMENTO DE TODOS os interessados e
MP (inclusive do tutor de filhos menores) e depende de mandado do juiz que
sempre que possível deve procurar a substituição (1719CC)
Bem de família legal
Lei 8.009/90
Finalidade: Preservação da MORADIA DA FAMÍLIA – único imóvel destinado
à moradia permanente - “Teoria do PATRIMÔNIO mínimo existencial” (Luiz Edson
Fachin) – norma de ordem pública – pode ser alegada a qualquer tempo.
Art. 6º, 1º, III CF, Art. 5º, § 1º
Súmula 205 STJ - A lei 8.009/90 aplica-se a penhora realizada antes de sua vigência.
Objeto da proteção: ÚNICO imóvel residencial próprio do casal, ou da entidade
familiar, destinado à moradia permanente (art. 1º e 5º). Compreende o imóvel
sobre o qual se assentam a construção, as plantações, as benfeitorias de qualquer
natureza e todos os equipamentos, inclusive os de uso profissional, ou móveis que
guarnecem a casa (para subsistência), desde que quitados. (§ único). Exclui veículos
de transporte, obras de arte e adornos suntuosos. (Art. 2º) e vagas de garagem (Súmula
449 STJ, de 2010)
Obs.: Imóvel rural: sede de moradia, com os respectivos bens móveis, e, nos casos do art.
5º, inciso XXVI, da Constituição, à área limitada como pequena propriedade rural.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm
Bem de família legal (cont.)
Abrangência: Impenhorável e não responderá por qualquer tipo de dívida civil,
comercial, fiscal, previdenciária ou de outra natureza, contraída pelos cônjuges ou
pelos pais ou filhos que sejam seus proprietários e nele residam, salvo nas hipóteses
previstas nesta lei.
Proteção AMPLA: Súmula 364 STJ (nov.08) – pessoa solteira, viúva, separada
tem direito; O imóvel ALUGADO NÃO PERDE o CARÁTER de BEM DE FAMÍLIA
(Súmu. 486 STJ) – Imóvel de pessoa jurídica destinado à residência – “Bem de
residência da pessoa natural”;
FRAUDE Não se beneficiará do disposto nesta lei aquele que, sabendo-se insolvente,
adquire de má-fé imóvel mais valioso para transferir a residência familiar,
desfazendo-se ou não da moradia antiga (Art. 4º ). Poderá o juiz, na respectiva ação
do credor, transferir a impenhorabilidade para a moradia familiar anterior, ou anular-lhe a
venda, liberando a mais valiosa para execução ou concurso, conforme a hipótese. (§ 1º )
Principais vantagens em relação ao “bem de família” convencional: NÃO HÁ
necessidade de elaboração de escritura pública e de registro e NÃO HÁ limitação quanto ao
valor do bem em relação ao patrimônio
Bem de família legal (cont.)
Questão Polêmica
BEM de FAMÍLIA LEGAL – PENHORA de ÚNICO IMÓVEL (LUXUOSO e MUITO
VALIOSO!) – RESERVAR uma parte do valor auferido com a venda para aquisição de
outro imóvel (art.5º, §ún.)
Argumentos favoráveis à impenhorabilidade (art.1º, III):
- O PL 51/06 proposto para estabelecer um valor ao que seria bem de família, foi
rejeitado. Argumento: Quebra do dogma da impenhorabilidade absoluta do bem de família;
- Preservar os nobres propósitos da lei; Viola o princípio geral do “favor debitoris”
- Lei não impõe condicionantes quanto ao valor do bem - basta que o imóvel sirva de
residência para a família do devedor, sendo irrelevante o valor do bem. (3ªT. STJ – nov.10
RESP 1.178.469)
Argumento contrário:
- Necessária valoração no caso concreto – proteção do instituto, mas sem excessos;
- Imóvel de luxo x sustento da família – satisfação do interesse legítimo credores;
Exceções: Bem de família legal
Art. 3º
Art. 3º A impenhorabilidade é oponível em qualquer processo de execução civil,
fiscal, previdenciária, trabalhista ou de outra natureza, SALVO SE MOVIDO:
I - em razão dos créditos de trabalhadores da própria residência e das respectivas
contribuições previdenciárias;
INCISO Revogado: LC

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.