A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
INTRODUÇÃO A PARASITOLOGIA VETERINÁRIA - RESUMO

Pré-visualização | Página 1 de 2

INTRODUÇÃO A PARASITOLOGIA
INDIVÍDUO x REBANHO
1. Fatores de riscos - Animais que saem na rua
2. Zoonoses - Passam para os seres humanos
3. Sinais clínicos - Anemia e imunodeficiência - Alguns parasitas ficam em
latência
4. Prevenção e controle - Aplicar vermífugos - Fazer EPF (exame
parasitológico de fezes)
5. Diagnóstico precoce - OPG ovos por grama de fezes (10% do rebanho)
6. Patogenia
7. Tratamento - Resistência parasitária (remédios - vermífugos)
8. Legislação - Zoonoses e inspeção de alimentos
OS PARASITAS SÃO CONSIDERADOS METAZOÁRIOS
● Se alimentam de restos de produtos (alimento) dos animais - Sangue
● São seres multicelulares
DIVIDIDOS EM:
ENDOPARASITAS: Vivem dentro do ser
● Helmintos = Vermes
ECTOPARASITAS: Vivem fora do ser
● Piolhos
● Pulgas
● Carrapatos
OBS: Pode ser considerado tanto endoparasita como ectoparasitas ácaros
(sarnas) ou moscas (fase larval)
DEFINIÇÃO DE PARASITOLOGIA
● Estudo das relações parasito-hospedeiro
● Área multidisciplinar que contempla bioquímica, fisiologia, biologia celular e
molecular imunologia, farmacologia e outros disciplinas
RELAÇÕES SIMBIÓTICAS - Vivendo em conjunto
Simbiose do grego: Sim- ‘’com’’ e biose ‘’vivendo’’
UM MEMBRO PODE SE BENEFICIAR DA RELAÇÃO DO OUTRO
INTERAÇÕES DE SIMBIONTES
COMENSALISMO: Não é afetado ‘’Comendo na mesma mesa’’
● Uma espécie (comensal) se beneficia nutricionalmente enquanto a outra
NÃO sofre qualquer alteração
● Pode ser facultativo - Conseguem sobreviver sozinha
EX: Rêmoras x peixes grandes
MUTUALISMO: Se beneficia ambos
● Associação permanente mutuamente benéfica e de dependência estrita
● Geralmente representa uma relação obrigatória
EX: Líquens (algas e fungos)
EX: Microbiota ruminal e os bovinos
EX: Cupins e flora microbiana
PROTOCOOPERAÇÃO - MUTUALISMO FACULTATIVO:
● Ambas espécies se beneficiam da associação, embora possam viver
independentes dela
EX: Garça carrapateira ou vaqueira e bovino - As aves se alimentam de
carrapatos e outros ectoparasitas
EX: Búfalos, antílopes e aves - As aves se alimentam de ectoparasitas dos
animais e esse se beneficia
OBS: Búfalos possuem menos carrapatos por causa da espessura da pele
OBS: Se existir 5 ou 10 carrapatos em um animal, no meio ambiente terá 90 a
95% de carrapatos.
PARASITISMO: Sofre dano
Uma espécie se beneficia da relação enquanto a outra sofre danos
PARASITA: Organismo que, com finalidade de alimentar-se, reproduzir-se ou
complementar o seu ciclo vital, se beneficia de um outro organismo, animal ou
vegetal, de modo PERMANENTE ou TEMPORÁRIO, produzindo efeitos
deletérios (prejudicam) esse hospedeiro.
● Helmintos gastrintestinais causam dificuldade de digestão ou absorção dos
alimentos, danificando a luz do intestino, causando a anemia (avaliar
hemograma - eritrócitos e hematócritos)
PARASITOSE: Condição na qual o parasita é patogênico causando danos ao
hospedeiro.
EX: Parasitas gastrointestinais - Se alimentam de sangue
PARASITÍASE: Condição na qual o parasita é potencialmente patogênico, mas
NÃO causa danos aparentes ao hospedeiro - Estado de portador
CLASSIFICAÇÃO DOS PARASITAS
SEGUNDO O TEMPO DE DURAÇÃO DO PARASITISMO
PERIÓDICOS OU PROVISÓRIOS:
● Somente são parasitas em UMA FASE do desenvolvimento, na qual
espoliam (causando danos) continuamente o hospedeiro.
EX: Pulgas
EX: Dermatobia hominis - Mosca do berne
PERMANENTES:
● PASSAM A VIDA TODA , em todos os seus estágios, espoliando (causando
danos) o hospedeiro
EX: Ácaro do gênero demodex - Sarna demodécica e sarcóptica
EX: Piolhos
TEMPORÁRIOS OU INTERMITENTES:
Realizam somente parte do seu desenvolvimento no hospedeiro ou se utilizam
dele PERIODICAMENTE para alimentação ou abrigo.
EX: Insetos hematófagos - São chamados de micro predadores - Mosquitos do
gênero Culex, Anopheles, Aedes. Fazem REPASTO SANGUÍNEO (se alimenta
de um indivíduo para o outro podendo passar algum parasita)
QUANTO AO REQUERIMENTO DE UMA VIDA PARASITÁRIA:
OBRIGATÓRIOS:
Parasitos cujo ciclo de vida SEMPRE requer UM hospedeiro a ser espoliado
(prejudicado)
EX: Helmintos - Dirofilaria immitis (parasita do coração), pulgas e carrapatos
EX: Ácaro - Sarcoptes scabiei - Sarna humana ou escabiose
FACULTATIVOS:
Parasitas que PODEM ALTERNAR ciclos de vida LIVRE ou parasitária
EX: Larvas de moscas da família Sarcophagidae, Strongyloides stercoralis.
ACIDENTAL:
Organismo que pode se tornar um parasita de um hospedeiro (NÃO HABITUAL)
em condições especiais
EX: Dipylidium caninum - Parasitando crianças
PARASITOSES:
● Podem depender de vários fatores - Estágio de maturação no ambiente,
climáticos (chuva ou sol), sazonais (carrapatos e pulgas aparecem
menos no inverno), presença de vetores, hospedeiros intermediários
(peixes, grilos, moluscos, caracóis) que podem estar presentes em
determinadas regiões, vegetações ou condições climáticas
PARASITOSES PODEM SER:
INFECÇÕES AGUDAS:
● Início rápido e curta duração
● Exsudação de fluidos (proliferação de leucócitos) de proteínas plasmáticas
e migração de leucócitos
INFECÇÕES CRÔNICAS:
● Maior duração
● Proliferação de vasos sanguíneos e formação de tecido fibroso
● CLÍNICAS:
● Poucos animais podem apresentar sinais clínicos - Aumento da papeira
em ovelhas ou em bovinos - Edemas submandibular (acúmulo de
líquido extracelular)
● SUBCLÍNICAS: O animal está parasitado, mas continua comendo porém
animais de produção acabam diminuindo sua produção
SEGUNDO O LOCAL DE PARASITISMO
ENDOPARASITAS: Permanecem no interior do organismo do hospedeiro
EX: Toxocara canis - Intestino delgado de cão (pode causar estenose -
diminuição da luz do intestino)
ECTOPARASITAS: Permanecem na superfície corpórea do hospedeiro - Pele,
pelos e cavidades naturais
EX: Haematobia irritans (mosca do chifre) em bovino
ESPECIFICIDADE PARASITÁRIA
ESTENOXENOS:
● STENOS (estreito) - Afetam SOMENTE UMA espécie hospedeira ou um
GRUPO de espécies muito próxima
EX: Taenia saginata - Somente um hospedeiro
EX: Plasmodium em primatas
EX: Bunostomum (parasita apenas de bovinos ou ruminantes)
EURIXENOS:
● EURYS (largo, amplo) - Apresentam AMPLA variedade de hospedeiros
(não são hospedeiros próximos)
EX: Toxoplasma gondii (gatos, humanos)
EX: Fasciola hepatica (humanos, bovinos, equinos)
MONOXENOS:
● Parasitas exigem SOMENTE um HOSPEDEIRO, sem necessidade de
HOSPEDEIRO INTERMEDIÁRIO
EX: Toxocara canis - Parasita de canino
HETEROXENOS:
● As formas evolutivas são encontradas em MAIS DE UM hospedeiro
(Hospedeiro intermediário e hospedeiro definitivo)
EX: Trypanossoma cruzi
EX: Schistosoma
QUANTO AO HABITAT
NORMAL:
● O parasita se encontra em determinado segmento, órgão ou tecido de
hospedeiro e somente assim, completa seu ciclo biológico
EXTRAVIADO:
● Pode ocorrer em outro hospedeiro e fora do seu habitat natural
EX: Toxocara canis - Parasita do intestino delgado de cães MAS parasita
HUMANOS como larva migrans visceral (vai parar nas vísceras), podendo ser
encontrado no fígado, sistema nervoso central e globo ocular (pode causar
cegueira nos humanos)
CONCEITOS EPIDEMIOLÓGICOS
AGENTE INFECCIOSO:
● Parasita capaz de produzir infecção
SUSCETÍVEL:
● Hospedeiro passível de sofrer a infecção
DOENÇA:
● Qualquer manifestação clínica ou estado mórbido resultante de alteraçoes
dos mecanismos reguladores da homeostasia orgânica.
PERÍODO PRÉ-PATENTE (PPP):
● Tempo que decorre a PARTIR DA PENETRAÇÃO ou INGESTÃO do estágio
infectante do parasita no hospedeiro até o APARECIMENTO de OVOS
(ADULTO) LARVAS ou OOCISTO (forma jovens iniciais) da geração
seguinte.
EX: Ingerir a larva em algum estágio (L3 forma infectante)
PERÍODO DE INCUBAÇÃO:
● Tempo que transcorre desde o contágio (ingestão) até a aparição dos
primeiros sinais clínicos da doença.
QUARENTENA: É o dobro do período de incubação
INCIDÊNCIAS:
Frequência da doença num DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO (CASOS
NOVOS)
É calculada a partir do NÚMERO DE CASOS NOVOS em relação a população
NÃO INFECTADA
PREVALÊNCIA:
NÚMERO TOTAL DE CASOS na POPULAÇÃO em dado instantes
A prevalência reflete um retrato instantâneo da população.
FONTES DE INFECÇÃO

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.