Buscar

Anatomia do Telencéfalo - Sulcos, Giros, Núcleos da base, Substância branca

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 6 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 6 páginas

Prévia do material em texto

NEUROANATOMIA 
1 
 
Anatomia do Telencéfalo 
 O telencéfalo compreende os dois hemisférios 
cerebrais e a lâmina terminal situada na porção 
anterior do IIV ventrículo. 
 Os dois hemisférios cerebrais são unidos pelo 
corpo caloso. Entre os hemisférios apresenta-se os 
ventrículos laterais direito e esquerdo, que se 
comunicam com o III ventrículo pelos forames 
interventriculares. Cada hemisfério possui 3 polos: 
frontal, occipital e temporal. 
 
Sulcos e giros do cérebro 
 O cérebro humano apresenta diversos sulcos na 
sua superfície, que delimita os chamados giros. Essas 
estruturas servem para aumentar a superfície do 
cérebro sem aumentar o volume total. Existem alguns 
sulcos principais que delimitam os lobos e áreas 
cerebrais, como o sulco lateral (de Sylvius) e o sulco 
central (de Rolando): 
• Sulco lateral: inicia-se na base do cérebro 
separando o lobo frontal do temporal, dirige-se 
para a face dorsolateral do cérebro, onde termina 
dividindo-se em 3 ramos: ascendente, anterior e 
posterior (este é o mais longo e se dirige para a 
região dorsal, terminando no lobo parietal). 
• Sulco central: sulco profundo que percorre a face 
dorsolateral do hemisfério; separa os lobos frontal 
e parietal. É ladeado por dois giros paralelos, um 
anterior, giro pré-central. e outro posterior, giro 
pós-central. 
 
 Os lobos cerebrais recebem sua denominação 
de acordo com os ossos do crânio com que se 
relacionam. Assim, temos os lobos frontal, temporal, 
parietal e occipital. A exceção a esse é o lobo da 
ínsula, que está profundamente no cérebro e não 
tem nenhuma relação com o crânio. 
 
Morfologia das faces dos hemisférios cerebrais 
 Face dorsolateral 
 A face dorsolateral do cérebro (ou face convexa), 
é a que está em contato com os ossos da abóbada 
craniana; nela estão presentes 5 lobos cerebrais, o 
lobo frontal, temporal, parietal, occipital e a ínsula. 
Para analisar os giros e a localização dos lobos, 
verifique algumas vezes as duas imagens anteriores. 
 
 Lobo frontal 
Nesse lobo existem 3 sulcos principais: 
• Sulco pré-central: fica anteriormente ao sulco 
central; esse sulco delimita (junto com o sulco 
central) o giro pré-central, que tem característica 
motora. 
• Sulco frontal superior: inicia-se geralmente na 
porção superior do sulco pré-central e tem 
direção perpendicular a ele; acima desse sulco 
está o giro frontal superior 
• Sulco frontal inferior: partindo da porção inferior 
do sulco pré-central, dirige-se para frente e para 
baixo; entre os sulcos frontal superior e inferior 
está o giro frontal médio; abaixo do sulco frontal 
inferior está o giro frontal inferior (também 
chamado de giro de Broca), que é dividido em 3 
partes: orbital, triangular e opercular. 
 
 Lobo temporal 
 Está localizado na face dorsolateral do cérebro e 
apresenta dois sulcos principais: 
• Sulco temporal superior: inicia-se próximo ao polo 
temporal e segue posteriormente, paralelamente 
ao sulco lateral, terminando no lobo parietal; 
acima desse sulco está o giro temporal superior; 
• Sulco temporal inferior: paralelo ao sulco 
temporal superior só que mais inferiormente; 
entre o sulco temporal superior e o inferior está o 
giro temporal médio; abaixo do sulco temporal 
inferior está o giro temporal inferior. 
NEUROANATOMIA 
2 
 
 Afastando-se os lábios do sulco lateral, aparece 
seu assoalho, que é parte do giro temporal superior. 
A porção posterior deste assoalho é atravessada por 
pequenos giros transversais, os giros temporais 
transversos, dos quais o mais evidente é o giro 
temporal transverso anterior 
 
 
 Lobo parietal 
 O lobo parietal apresenta 2 sulco principais: 
• Sulco pós-central: paralelo ao sulco central; entre 
esses dois sulcos está o giro pós-central, que é a 
principal área sensitiva do córtex 
• Sulco intraparietal: muito variável, mas geralmente 
é perpendicular ao pós-central, com o qual pode 
estar unido, estende-se para trás para terminar no 
lobo occipital; esse sulco separa o lóbulo parietal 
superior do lóbulo parietal inferior; neste último, 
existem dois giros: o giro supramarginal (curvado 
em tomo da extremidade do ramo posterior do 
sulco lateral) e o giro angular (curvado em tomo 
da porção terminal e ascendente do sulco 
temporal superior) 
 
 Lobo occipital 
 Ocupa uma porção relativamente pequena da 
face dorsolateral do cérebro, onde apresenta 
pequenos sulcos e giros inconstantes e irregulares. 
 
 Lobo insular 
 Afastando-se os lábios do sulco lateral, 
evidencia-se ampla fossa no fundo da qual está 
situada a ínsula, que tem forma cônica e apresenta 
alguns sulcos e giros. São descritos os seguintes 
sulcos: sulco circular da ínsula, sulco central da ínsula, 
giros curtos e giro longo da ínsula. 
 
 Face medial 
 A face medial aparece quando o cérebro é 
seccionado no plano sagital mediano, o que expõe o 
diencéfalo e algumas formações telencefálicas inter-
hemisféricas, como o corpo caloso, o fórnix e o septo 
pelúcido. 
 
 
 Corpo caloso 
 É a maior das comissuras inter-hemisféricas, 
formado por fibras mielínicas que cruzam o plano 
sagital mediano e penetram no outro hemisfério. No 
corte sagital, aparece como uma lâmina branca 
arqueada dorsalmente. As partes do corpo caloso 
são o tronco, o esplênio, o joelho e o rostro do corpo 
caloso; este último termina na comissura anterior, 
que é uma das comissura inter-hemisféricas. 
 Entre a comissura anterior e o quiasma óptico 
temos a lâmina terminal, delgada lâmina de 
substância branca que também une os hemisférios e 
constitui o limite anterior do III ventrículo. 
 
 Fórnix (ou fórnice) 
 Essa estrutura emerge abaixo do esplênio do 
corpo caloso e arqueia-se em direção à comissura 
anterior. É constituído por duas metades laterais e 
simétricas, afastadas nas extremidades e unidas entre 
si no trajeto abaixo do corpo caloso. As partes do 
fórnix são: 
NEUROANATOMIA 
3 
 
• Corpo do fórnix: região intermédia em que as 
duas metades se unem; as colunas terminam no 
corpo mamilar, cruzando a parede lateral do II 
ventrículo 
• Coluna do fórnix: extremidades que se afastam 
• Perna do fórnice: parte mais posterior; as pernas 
divergem e penetram de cada lado no corno 
inferior do ventrículo lateral, onde se ligam ao 
hipocampo. 
 Entre o corpo caloso e o fórnix estende-se o 
septo pelúcido, constituído por duas delgadas 
lâminas de tecido nervoso. 
 
 Agora, veremos os sulcos e giros que se 
encontram na face medial dos hemisférios cerebrais. 
 
 Lobo occipital 
 Apresenta os seguintes sulcos: 
• Sulco calcarino: inicia-se abaixo do esplênio do 
corpo caloso e segue em direção posterior; abaixo 
do sulco calcarino situa-se o giro occipito-
temporal medial, que continua anteriormente com 
o giro para-hipocampal, já no lobo temporal 
• Sulco parietoccipital: muito profundo, separa o 
lobo occipital do parietal e encontra, em ângulo 
agudo, o sulco calcarino; Entre o sulco 
parietoccipital e o sulco calcarino situa-se o 
cuneus, giro complexo, de forma triangular. 
 
 Lobos frontal e parietal 
 Na face medial do cérebro existem 3 sulcos que 
passam do lobo frontal para o parietal 
• Sulco do corpo caloso: circunda a parte externa 
do corpo caloso; no lobo temporal, continua com 
o sulco do hipocampo 
• Sulco do cíngulo: tem curso paralelo ao sulco do 
corpo caloso, do qual é separado pelo giro do 
cíngulo (fica acima do sulco do corpo caloso); esse 
sulco termina posteriormente, dividindo-se em 
dois ramos: o ramo marginal, que se curva em 
direção à margem superior do hemisfério, e o 
sulco subparietal, que continua posteriormente na 
direção do sulco do cíngulo. 
• Suco paracentral: sulco que sai do sulco do 
cíngulo para uma porção mais superior do 
cérebro; esse sulco delimita entre ele e o ramo 
marginal do sulco do cíngulo o lóbulo paracentral 
(Nas partes anterior e posterior do lóbulo 
paracentral localizam-se, respectivamente, as 
áreas motora e sensitiva, relacionadas com a perna 
e o pé). 
 
 Face inferior 
 A face inferior ou base do hemisfériocerebral 
pode ser dividida em duas partes: uma pertence ao 
lobo frontal e repousa sobre a fossa anterior do 
crânio; a outra, muito maior, pertence quase toda ao 
lobo temporal e repousa sobre a fossa média do 
crânio e a tenda do cerebelo. 
 
 Lobo temporal 
 A face inferior do sulco temporal apresenta 3 
sulcos principais: 
• Sulco occipito-temporal: limita, junto ao sulco 
temporal inferior, o giro temporal inferior; 
medialmente, este sulco se limita com o sulco 
colateral, o giro occípito-temporal lateral (ou giro 
fusiforme) 
• Sulco colateral: inicia-se próximo ao polo occipital 
e se dirige para frente, fazendo delimitação com o 
sulco calcarino e o sulco do hipocampo, 
respectivamente, o giro occípito-temporal medial 
e o giro para-hipocampal, cuja porção anterior se 
curva em tomo do sulco do hipocampo para 
formar o uncus. O sulco colateral pode ser 
contínuo com o sulco rinal, que separa a parte 
mais anterior do giro para-hipocampal do resto do 
lobo temporal. 
• Sulco do hipocampo: origina-se na região do 
esplênio do corpo caloso, onde continua com o 
NEUROANATOMIA 
4 
 
sulco do corpo caloso e se dirige para o polo 
temporal, onde termina separando o giro para-
hipocampal do uncus 
 O giro para-hipocampal se liga posteriormente 
ao giro do cíngulo por meio de um giro estreito, o 
istmo do giro do cíngulo. Assim, úncus, giro para-
hipocampal, istmo do giro do cíngulo e giro do 
cíngulo constituem uma formação contínua que 
circunda as estruturas inter-hemisféricas e por muitos 
considerada como um lobo independente, o lobo 
límbico. 
 
 Lobo frontal 
 A face inferior do lobo frontal apresenta um 
único sulco importante, o sulco olfatório. 
Medialmente ao sulco olfatório, continuando 
dorsalmente como giro frontal superior, situa-se o 
giro reto. O resto da face inferior do lobo frontal é 
ocupado por sulcos e giros muito irregulares, os 
sulcos e giros orbitários. 
 Na face inferior do lobo frontal, existem algumas 
estruturas relacionadas ao olfato, como: 
• Bulbo olfatório: é uma dilatação ovoide e 
achatada de substância cinzenta que continua 
posteriormente com o trato olfatório, ambos 
alojados no sulco olfatório 
• Estrias olfatórias lateral e medial: são as 
continuações do trato olfatório, que forma uma 
área triangular, o trígono olfatório 
• Substância perfurada anterior: é uma área que se 
localiza atrás do trígono olfatório e adiante do 
trato óptico, contendo uma série de pequenos 
orifícios para a passagem de vasos 
 
Morfologia dos ventrículos laterais 
 Os ventrículos cerebrais direito e esquerdo são 
cavidades localizadas entre os hemisférios cerebrais; 
elas são revestidas de epêndima e contêm líquido 
cefalorraquidiano (LCR) no seu interior. Esses 
ventrículos se comunicam com o III ventrículo pelo 
forame interventricular. 
 Os ventrículos laterais apresentam 4 partes: 
parte central e cornos anteriores, posteriores e 
inferiores. Com exceção do como inferior, todas as 
partes do ventrículo lateral têm o teto formado pelo 
corpo caloso, cuja remoção expõe amplamente a 
cavidade ventricular. 
 
• Corno anterior: é a parte que está adiante do 
forame interventricular. A parede medial desse 
corno é formada pelo septo pelúcido, que separa 
os cornos anteriores dos ventrículos laterais. O 
assoalho, inclinado, forma também a parede 
lateral e é constituído pela cabeça do núcleo 
caudado, proeminente na cavidade ventricular 
• Parte central: estende-se do forame 
interventricular até a região que fica abaixo do 
esplênio do corpo caloso, onde o ventrículo lateral 
se bifurca em cornos inferior e posterior, na região 
denominada trígono colateral. O assoalho dessa 
região une-se ao teto no ângulo lateral, e 
apresenta as seguintes formações: fórnix, plexo 
corioide, parte lateral da face dorsal do tálamo, 
estria terminal e núcleo caudado. 
• Corno posterior: estende-se para dentro do lobo 
occipital; suas paredes. em quase toda a extensão, 
são formadas por fibras do corpo caloso 
• Corno inferior: curva-se inferiormente e a seguir 
anteriormente, em direção ao polo temporal, a 
partir do trígono colateral. O teto do como inferior 
é formado pela substância branca do hemisfério e 
apresenta, ao longo de sua margem medial, a 
cauda do núcleo caudado e a estria terminal. Na 
extremidade da cauda do núcleo caudado, 
NEUROANATOMIA 
5 
 
observa-se discreta eminência arredondada, às 
vezes pouco nítida, formada pelo corpo 
amigdaloide ou amígdala cerebral, que faz 
saliência na parte terminal do teto do como 
inferior do ventrículo. O assoalho do como inferior 
do ventrículo apresenta duas eminências 
alongadas, a eminência colateral, formada pelo 
sulco colateral, e o hipocampo, situado 
medialmente a ela. 
 
 Plexos corioides dos ventrículos laterais 
 O plexo corioide da parte central dos ventrículos 
laterais continua com o do III ventrículo através do 
forame interventricular e, acompanhando o trajeto 
curvo do fórnix, atinge o como inferior do ventrículo 
lateral. Os cornos anterior e posterior não possuem 
plexos corioides. 
 
Núcleos da base 
 Os núcleos da base são aglomerados de 
neurônios localizados na porção basal do cérebro. 
Os núcleos são: núcleos caudado, o putâmen e o 
globo pálido, em conjunto chamados de núcleo 
lentiforme, o claustrum, o corpo amigdaloide, o 
núcleo accumbens. Observe as próximas imagens 
enquanto faz a leitura das estruturas para uma melhor 
compreensão. 
 
 
 Núcleo caudado 
 É uma massa alongada relacionada em toda a 
sua extensão com os ventrículos laterais. Ele é 
dividido em 3 estruturas, a cabeça, o corpo e a cauda 
do núcleo caudado. 
• Cabeça do núcleo caudado: é a extremidade 
anterior do núcleo, situada anterior ao corno 
anterior do ventrículo lateral; essa parte do 
caudado se une à parte anterior do putâmen (os 
dois núcleos juntos são chamados de núcleo 
estriado) 
• Corpo do núcleo caudado: é a continuação que se 
eleva da cabeça do núcleo; fica situada como o 
assoalho da parte central do ventrículo lateral 
• Cauda do núcleo caudado: estrutura 
extremamente arqueada que se estende até a 
extremidade anterior do corno inferior do 
ventrículo lateral 
 
 Núcleo lentiforme 
 É uma estrutura que está lateralmente à cápsula 
interna, separando do tálamo e do núcleo caudado. 
Lateralmente ao núcleo lentiforme, está o córtex da 
ínsula, do qual é separado por substância branca e 
pelo claustrum. 
 O núcleo lentiforme é dividido em putâmen e 
globo pálido por uma fina lâmina de substância 
branca O putâmen situa-se lateralmente e é maior 
que o globo pálido, o qual se dispõe medialmente. 
Nas secções não coradas de cérebro, o globo pálido 
tem coloração mais clara que o putâmen (daí o 
nome), em virtude da presença de fibras mielínicas 
que o atravessam. O globo pálido é subdividido, por 
outra lâmina de substância branca, em uma porção 
lateral e outra medial. 
 
 Claustrum 
 Está separado do córtex da ínsula pela lâmina 
branca chamada de cápsula extrema; está separado 
da núcleo lentiforme pela cápsula externa. 
 
 Corpo amigdaloide 
 É uma massa esferoide de substância cinzenta de 
cerca de 2 cm de diâmetro, situada no polo temporal 
do hemisfério cerebral, em relação com a cauda do 
núcleo caudado. Faz uma discreta saliência no teto 
da parte terminal do como inferior do ventrículo 
lateral e pode ser vista em secções frontais do 
cérebro. 
 
 Núcleo accumbens 
NEUROANATOMIA 
6 
 
 Massa de substância cinzenta situada na zona de 
união entre o putâmen e a cabeça do núcleo 
caudado, integrando conjunto que alguns autores 
chamam de corpo estriado ventral. 
 
Centro branco medular do cérebro 
 É formado por fibras mielínicas, que se 
distinguem em dois grupos de fibras: de projeção e 
de associação. 
• Fibras de projeção: ligam o córtex cerebral a 
centros subcorticais. Essas fibras projeção se 
dispõem em dois feixes: o fórnix e a cápsula 
interna. 
o Fórnix: une o córtex do hipocampo ao corpo 
mamilar 
o Cápsula interna: contém a grande maioria das 
fibras que saem ou entramno córtex cerebral. 
Acima dos núcleos lentiforme, caudado e do 
tálamo, as fibras da cápsula interna passam a 
constituir a coroa radiada. Distinguem-se, na 
cápsula interna, uma perna anterior, situada 
entre a cabeça do núcleo caudado e o núcleo 
lentiforme, e uma perna posterior, bem maior, 
localizada entre o núcleo lentiforme e o tálamo. 
Estas duas porções da cápsula interna 
encontram-se formando um ângulo que 
constitui o joelho da cápsula interna 
• Fibras de associação: unem áreas corticais 
situadas em pontos diferentes do cérebro. Entre 
as fibras de associação, temos aquelas que 
atravessam o plano mediano para unir áreas 
simétricas dos dois hemisférios, que constituem as 
três comissuras telencefálicas: corpo caloso, 
comissura anterior e comissura do fórnix

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes