A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Dor em animais silvestres

Pré-visualização | Página 1 de 1

@veterinariando_ 
 
Definição 
 “uma experiência sensitiva e 
emocional desagradável, associada, 
ou semelhante àquela associada, a 
uma lesão tecidual real ou potencial 
“– (IASP, 2020) 
 A dor não é apenas uma experiência 
unicamente física, mas ela também 
tem um aspecto emocional de 
vivenciar a dor 
 A dor é subjetiva 
 
Objetivo da dor 
 Mecanismo de proteção do organismo 
 Aprimoramento do reflexo de 
retirada (arco reflexo) 
 Educação fisiológica 
 Fuga de predadores 
 
Efeitos no organismo 
• Taquicardia 
• Aumento da pressão arterial 
 
• Aumento do catabolismo de 
proteínas – perda de massa 
muscular 
• Hiperglicemia 
• Aumento de cortisol que afeta o 
sistema imunológico 
• Aumento do risco de contrair 
infecções 
• Processos de hipercoagulabilidade 
• Retardo do esvaziamento gástrico e 
redução do peristaltismo 
• Alteração do sono-vigília 
• Pode acarretar ansiedade e 
depressão 
• Causa alterações afetivas como nas 
interações sociais e de 
comportamento 
• Causa alterações neurovegetativas 
como dos sinais vitais, presença de 
tremores 
• Causa alterações motoras com 
presenças de estereotipias e posição 
antálgica 
• Alterações comportamentais como 
agressividade, quietude entre outros 
comportamentos 
 
PARTE I 
Classificação da dor 
 Geralmente 
resultado de 
lesões em tecidos 
 Causada por 
irritação do 
nervo 
 Envolvimento da 
dor nociceptiva e 
neuropática 
 Sentida 
rapidamente em 
resposta à 
doença ou lesão 
 É uma dor que 
geralmente 
desaparece 
dentro de um 
curto período 
 Dor duradoura, 
que pode 
começar como 
dor aguda que se 
prolonga além do 
curso natural 
 
→ São terminações nervosas livres que 
detectam informações nocivas ao 
organismo 
→ Possui limiar de excitabilidade 
elevado e baixa sensibilidade 
→ Há 2 tipos de fibras: fibras A delta 
(dor rápida) e fibras C (dor lenta) 
 Fibras A delta – mielinizada, 
impulsos são mais rápidos 
 Fibras C – não mielinizada, 
impulsos são mais lentos 
 
I. Transdução – o impulso 
doloroso é recebido pelo 
nociceptores e é 
transformado em 
potencial de ação 
II. Transmissão – o impulso é conduzido até 
a coluna posterior (medula espinhal) 
III. Percepção – o impulso é integrado e 
percebido como dor 
IV. Modulação – na medula espinhal o 
impulso é modulado antes de chegar a 
níveis superiores do SNC 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Num estímulo doloroso há liberação 
de glutamato 
 Receptor AMPA – está relacionado 
com a recepção e condução da dor 
nociceptiva (dor de músculo, osso, 
pele e víscera) 
 Receptor NMDA – está relacionado 
com a dor neuropática, esse 
receptor está fechado pelo 
magnésio, porém numa dor 
persistente o magnésio é expelido e 
o receptor é aberto a receber o 
estímulo doloroso 
 
Dor nociceptiva 
• Há estímulo de receptores AMPA 
• Relacionado muitas vezes a danos 
teciduais 
 Dor de pele, músculo 
e osso 
 É uma dor bem 
localizada, se 
apresenta com 
pontadas é contínua 
e aumenta ao 
pressionar o local da 
dor 
 Dor nos órgãos 
internos 
 É uma dor difusa, 
mal localizada é 
inespecífica, tipo 
cólica ou espasmos 
 
Dor neuropática 
• Há estímulo de receptores NMDA 
• Relacionado a degeneração de nervos 
(inflamação, infecção, autoimune) 
• Pode ocorrer também pela 
compressão de nervos 
• Acontece com frequência em 
pacientes que realizam quimioterapia 
ou radioterapia 
• É uma dor de forte intensidade é 
descrita como: queimação, choque, 
formigamento 
• Ocorre a diminuição da sensibilidade 
ao frio e ao calor e há uma 
percepção exagerada de dor naquela 
região 
 
Dor mista 
• É caracterizada pela junção da dor 
nociceptiva com a dor neuropática 
• Decorrente de lesão tecidual 
acompanhada de lesão de nervos 
adjacentes 
• É uma dor geralmente associada com 
a dor oncológica 
• A dor ciática é caracterizada como 
mista 
 
Dor aguda 
• Decorrência de lesões traumática, 
infecciosas ou inflamatórias 
• Tem como característica um início 
súbito ou recente e com duração 
limitada 
• É uma dor que tende a desaparecer 
com a resolução da lesão tecidual 
• Possui uma etiologia clara e bem 
definida 
• É fácil de manejar podendo ser 
resolvida com o uso de fármacos 
convencionais 
• Tem uma função biológica de alerta 
 
Dor crônica 
• Geralmente está associada a lesões 
persistentes e repetidas de origem 
inflamatória e/ou autoimune, que 
tem duração maior do que 3 
semanas 
• Tem como características ser mal 
referida e de diagnóstico difícil 
→ AINES + terapia não farmacológica 
→ AINES + opioide fraco + terapia não 
farmacológica 
→ AINES + opioide forte + terapia não 
farmacológica 
• Possui forte componente efetivo 
• É uma dor que está associada a 
diversas alterações, como: sono, 
apetite, libido e humor 
• Não possui função biológica de alerta, 
por isso é considerada doença – 
decorre em estresse físico, emocional, 
econômico e social 
 
Escada analgésica da 
oms 
 É o principal parâmetro na definição 
do tratamento medicamentoso 
 Ela é responsável por organizar e 
padronizar os esquemas analgésicos 
mais comuns 
 Indica as classes medicamentosas e 
não os fármacos específicos: há 
liberdade de ajustes de acordo com o 
critério clínico 
→ Intubação 
→ Esofagite 
→ Sutura de pele 
→ Tratamento periodontal 
→ Extração dentária 
→ Cistite 
→ Orquiectómica 
→ OSH 
→ Parto 
→ Úlceras de córnea 
→ Osteoartrite 
→ Ortopedia 
→ Toracotomia 
→ Laparotomia 
 
Tratamento da dor 
neuropática 
 Utilização de antidepressivos 
tricíclicos, como: amitriptilina, 
nortriptilina – atualmente não é 
recomendado como padrão ouro, 
devido aos seus efeitos adversos 
 Utilização de gabapentinóides são o 
padrão ouro de tratamento, como: 
gabapentina e pregabalina 
 Uso de quetamina 
 
Dor irruptiva/episódica 
 É caracterizada como um dor prevê, 
frequentemente um surto intenso 
que pode acontecer durante o 
tratamento de uma dor crônica 
 Pode durar 1h 
 É feita dose de regaste da analgesia, 
geralmente é feito 10% da dose 
diária já administrada de opioide 
 
 
 
Qual o melhor fármaco? 
 A escolha deve ser baseada na 
experiência do veterinário 
 Escolher com base no histórico e 
reações do paciente 
 Analisar as vias de acesso para 
administrar as medicações 
 Promover conforto ao paciente 
 
Terapias não 
farmacológicas 
 Laserterapia 
 Acupuntura 
 Ozônioterapia 
 
Desafios 
→ Diversas fisiologias, devido a 
diversidade de pacientes atendidos 
→ Diagnóstico difícil 
→ Ausência de evidência cientificas 
→ Medo no uso de opioides 
→ A cultura do sofrimento 
 
Desafios do diagnóstico 
→ Animais que são presas apresentam 
os parâmetros vitais alterados 
mesmo sem a presença de dor, o que 
acaba dificultando a avaliação clínica 
→ Paralização mesmo com estímulo 
doloroso 
→ Muitos animais mascaram os sinais 
clínicos 
Dor x nocicepção 
• Dor – experiência dolorosa que pode 
ser física ou emocional 
• Nocicepção – estímulo físico da dor, 
capacidade de sentir o quadro 
doloroso 
 
Répteis 
• Alguns estudos apontam que os 
répteis são capazes de produzir mais 
COX-1 que COX-2 em processos 
inflamatórios 
• Mito de que o único opioide que 
funciona nesses animais é o 
Butorfanol 
• Identificar dor: redução de 
comportamento normais, postura 
curvada, diminuição da ingestão de 
alimentos, letargia, alterações de 
coloração em pele, coceira em área 
afetada, aerofagia entre outros

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.