A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
178 pág.
Questões de Tributário

Pré-visualização | Página 29 de 50

ao final a opção correspondente.
Decreto que reduz o prazo de recolhimento de imposto é inconstitucional, porque o prazo integra as exigências do princípio da legalidade.
A competência tributária não exercida por um ente da Federação poderá ser delegada a outro.
O imposto sobre produtos industrializados – IPI e o imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação – ICMS estão sujeitos ao princípio da não-cumulatividade, em função da essencialidade do produto.
É vedado aos Estados instituírem contribuição de melhoria.
V, F, F, F
V, F, F, V
F, V, F, F
F, F, V, F
F, F, F, F
(AFRE MG/2005 – ESAF) Considerando os temas “vigência e aplicação da legislação tributária” e “interpretação e integração da legislação tributária”, marque com (V) a assertiva verdadeira e com (F) a falsa, assinalando ao final a opção correspondente.
A lei que disponha sobre suspensão e exclusão do crédito tributário deve ser interpretada, segundo o Código Tributário Nacional, em benefício do contribuinte.
A lei tributária aplica-se ao ato ou fato pretérito, quando for interpretativa, ressalvadas as hipóteses em que redundar na aplicação de penalidade.
Segundo o Código Tributário Nacional, o emprego da analogia não poderá resultar na exigência de tributo não previsto em lei.
A lei tributária é aplicada a fato anterior à sua vigência quando extinguir tributo, já que vem em benefício do contribuinte.
V, V, V, F
F, V, F, V
F, V, V, V
F, V, V, F
F, F, V, F
(AFRE MG/2005 – ESAF) Assinale a opção correta.
“A lei poderá atribuir a sujeito passivo da obrigação tributária a condição de responsável pelo pagamento de imposto ou contribuição, cujo fato gerador deva ocorrer posteriormente, assegurada a imediata restituição da quantia paga, caso não se realize o fato gerador presumido” – art. 150, § 7º da CRFB/88. O dispositivo referido veicula:
o instituto da substituição tributária para frente.
o lançamento por homologação.
um privilégio do crédito tributário.
hipótese de responsabilidade por sucessão.
sujeição passiva extraordinária.
(AFRE MG/2005 – ESAF) Considerando o tema “obrigação tributária”, marque com (V) a assertiva verdadeira e com (F) a falsa, assinalando ao final a opção correspondente.
A obrigação acessória nasce em razão da ocorrência de um fato gerador, contudo depende sempre de uma providência a ser tomada pela autoridade fiscal.
A definição legal do fato gerador deve ser verificada independentemente da validade jurídica dos atos praticados.
A pessoa interditada judicialmente pode ser considerada sujeito passivo da obrigação tributária.
Quando o fato gerador da obrigação tributária é um negócio jurídico sob condição suspensiva, considera-se nascida a obrigação desde o momento em que se verificar a condição.
F, V, F, F
F, V, F, V
F, V, V, V
V, F, V, F
V, V, V, V
(AFRE MG/2005 – ESAF) Considerando o tema “crédito tributário”, marque com (V) a assertiva verdadeira e com (F) a falsa, assinalando ao final a opção correspondente.
O lançamento reporta-se à data da ocorrência do fato gerador e se rege pela lei vigente à época dessa ocorrência.
A utilização de pauta fiscal pela administração tributária é uma forma de arbitramento da base de cálculo para o pagamento do tributo.
O lançamento pode ser revisto de ofício, mesmo se efetuado em qualquer modalidade.
A propositura de embargos à execução fiscal, mediante penhora regular, suspende a exigibilidade do tributo.
V, F, V, V
V, V, V, V
V, F, F, F
F, V, F, F
V, V, V, F
(AFRE MG/2005 – ESAF) Considerando o tema “administração tributária”, marque com (V) a assertiva verdadeira e com (F) a falsa, assinalando ao final a opção correspondente.
É legal o exame dos livros contábeis das pessoas imunes.
Mesmo os profissionais submetidos às regras do segredo profissional devem prestar, quando solicitadas, informações ao Fisco sobre seus clientes.
Fica automaticamente inscrito em Dívida Ativa o tributo lançado não pago e não objeto de impugnação ou recurso administrativo.
É ilegal a concessão de certidão positiva com efeito de negativa se existente crédito tributário ainda não vencido.
V, F, F, V
F, F, F, V
F, F, V, V
V, F, F, F
V, V, F, V
(TFE AM/2005 – NCE/UFRJ) O imposto que terá alíquotas mínimas fixadas pelo Senado Federal e poderá ter alíquotas diferenciadas em função do tipo e utilização é o:
IPVA;
ICMS;
ITCM;
IPTU;
ITIV.
(TFE AM/2005 – NCE/UFRJ) Considerando as regras do Código Tributário Nacional, é INCORRETO afirmar que:
a vigência, no espaço e no tempo da Legislação Tributária, rege-se pelas disposições legais aplicáveis às normas jurídicas em geral;
o emprego da eqüidade não poderá resultar na dispensa do pagamento de tributo devido;
a obrigação acessória é decorrente da legislação tributária e tem por objeto as prestações, positivas ou negativas, nela previstas no interesse da arrecadação ou da fiscalização dos tributos;
o fato gerador da obrigação principal é a situação definida em legislação tributária;
as convenções particulares, relativas à responsabilidade pelo pagamento de tributos, não podem ser opostas à Fazenda Pública, para modificar a definição legal do sujeito passivo das obrigações tributárias correspondentes.
(TFE AM/2005 – NCE/UFRJ) Considerando as regras do Código Tributário Nacional, é INCORRETO afirmar que:
nenhuma sentença de julgamento de partilha ou adjudicação será proferida sem prova da quitação de todos os tributos relativos aos bens do espólio, ou às suas rendas;
a concessão de recuperação judicial depende de apresentação da prova de quitação de todos os tributos;
salvo quando expressamente autorizado por lei, nenhum departamento da administração pública da União, dos Estados, do Distrito Federal, ou dos Municípios, ou sua autarquia, celebrará contrato ou aceitará proposta em concorrência pública sem que o contratante ou proponente faça prova da quitação de todos os tributos devidos à Fazenda Pública interessada, relativos à atividade em cujo exercício contrata ou concorre;
são pagos preferencialmente a quaisquer outros os créditos tributários vencidos ou vincendos, a cargo de pessoas jurídicas de direito privado em liquidação judicial ou voluntária, exigíveis no decurso da liquidação;
a extinção das obrigações do falido requer prova de quitação apenas dos impostos federais, estaduais e municipais.
(TFE AM/2005 – NCE/UFRJ) Considerando as regras do Código Tributário Nacional, é INCORRETO afirmar que:
a autoridade administrativa que proceder ou presidir a quaisquer diligências de fiscalização lavrará os termos necessários para que se documente o início do procedimento, na forma da legislação aplicável, que fixará prazo máximo para a conclusão daquelas;
a obrigação de prestar informações, mediante intimação escrita, à autoridade administrativa, com relação aos bens, negócios ou atividades de terceiros não abrange a prestação de informações quanto a fatos sobre os quais o informante esteja legalmente obrigado a observar segredo em razão da profissão;
o intercâmbio de informação sigilosa, no âmbito da Administração Pública, será realizado mediante processo regularmente instaurado, e a entrega será feita pessoalmente à autoridade solicitante, mediante recibo, que formalize a transferência e assegure a preservação do sigilo;
a Fazenda Pública da União, na forma estabelecida em tratados, acordos ou convênios, poderá permutar informações com Estados estrangeiros no interesse da arrecadação e da fiscalização de tributos;
é vedada a divulgação de informações relativas a representações fiscais para fins penais, inscrições na Dívida Ativa da Fazenda Pública e parcelamento ou moratória.
(AFTE AM/2005 – NCE/UFRJ) A Constituição da República Federativa do Brasil, atualizada pela emenda constitucional 48/2005, no Título VI, que trata da tributação e do orçamento, submete a reserva de lei diversos institutos. Essa lei pode ser complementar ou ordinária,