A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Língua Portuguesa Laboratório de Texto 1

Pré-visualização | Página 1 de 2

Laboratório de Texto Avaliação II
Leia o trecho a seguir. "Circuito Fechado", de Ricardo Ramos:  
Chinelo, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoadura, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio. Jornal. Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapo. Quadros. Pasta, carro. Mesa e poltrona, cadeira, papéis, telefone, agenda, copo com lápis, canetas, bloco de notas, espátula, pastas, caixas de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, telefone. Bandeja, xícara pequena. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vale, cheques, memorando, bilhetes, telefone, papéis. Relógio, mesa, cavalete, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, bloco de papel, caneta, projetor de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia, água. Táxi. Mesa, toalha, cadeira, copo, pratos, talheres, garrafa, guardanapo, xícara. Escova de dente, pasta, água. Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, telefone interno, externo, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, telefone, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta. Carro. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesas, cadeiras, prato, talheres, copos, guardanapos. Xícaras. Poltrona, livro. Televisor, poltrona. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, chinelos. Vaso, descarga, pia, água, escova, creme dental, espuma, água. Chinelos. Coberta, cama, travesseiro.
De acordo com os conceitos de coesão e coerência e a partir da leitura do texto do alagoano Ricardo Ramos, classifique V para as sentenças verdadeiras e F para as falsas:
( F  ) Não apresenta coerência, pois é construído por uma sequência desordenada de vocábulos.
( V  ) O texto apresenta coerência, sem elos coesivos.
( F  ) O texto apresenta coesão e coerência.
( F  ) O texto é incoerente e não apresenta recursos de coesão.
Agora, assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA:
FONTE: SAMPAIO, A. M. L. Circuito fechado, de Ricardo Ramos: a cidade como cenário de automação e incompletude do ser. Rev. de Letras, n. 26, v. 1/2, jan./dez., 2004. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2016.
A
F - F - V - F.
B
F - V - F - F.
C
F - V - V - F.
D
V - V - F - V.
2São muitos os tipos, "MAS" há dois que são especiais: o Veneno e o Vacina.
"E" se alguém me perguntar o que acho dos dois tipos, penso que já dei a resposta...
Nos fragmentos, os elementos de coesão destacados em maiúsculas e entre aspas (MAS e E) expressam, respectivamente, as relações de:
A
Conformidade e comparação.
B
Adição e conformidade.
C
Condição e conformidade.
D
Oposição e adição.
3A coesão textual está entre os principais tipos de coesão textual. Este tipo de coesão se divide em formas remissivas gramaticais presas, formas remissivas gramaticais livres e formas remissivas gramaticais lexicais. A partir do exposto, analise as sentenças a seguir:
I- Os artigos, os pronomes e os numerais são formas remissivas gramaticais presas.
II- Os pronomes pessoais de terceira pessoa, pronomes substantivos e expressões adverbiais são formas remissivas gramaticais livres.
III- As nominalizações e expressões sinônimas são formas remissivas gramaticais presas.
IV- As expressões ou grupos nominais definidos e os hiperônimos são formas remissivas gramaticais lexicais.
Assinale a alternativa CORRETA:
A
As sentenças I, II e III estão corretas.
B
Somente a sentença II está correta.
C
As sentenças I, II e IV estão corretas.
D
Somente a sentença I está correta.
4A coesão e a coerência são fundamentais na construção textual. Para que um texto seja eficaz na transmissão da sua mensagem, é essencial que faça sentido para o leitor e que também seja harmonioso, natural e agradável aos ouvidos. Dessa maneira, concluímos que é necessária a compreensão dos diversos mecanismos textuais para estruturar um bom texto. Quanto às normas gramaticais do português padrão, à coesão textual e à coerência, analise as afirmativas a seguir:
I- O Chico Oliveira foi o único namorado que tive; eu conheci ele através da internet e logo fiquei loucamente apaixonada.
II- A taxa de desemprego subiu para 9,4% em maio, a maior desde 1983, mas a perda de postos de trabalho ficou em 345 mil, bem inferior ao esperado, de 520 mil vagas.
III- Em Florianópolis, os salários são, em média, 50% menores do que os de Brasília, apesar do custo de vida ser menor.
IV- O MPE encaminhou um oficio à Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano solicitando informações sobre estágio que está o projeto e a execução do projeto, se foram feitos EIA/RIMA, EIV e GDU da obra e se esta possui Licença Ambiental de Operação e se foi realizada audiência pública para esclarecer à população sobre a obra.
Agora, assinale a alternativa CORRETA:
A
As afirmativas I e IV estão corretas.
B
Somente a afirmativa III está correta.
C
Somente a afirmativa II está correta.
D
As afirmativas II e IV estão corretas.
5Eu sei mas não devia (Marina Colassanti)
Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.
A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E, porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.
A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora. A tomar o café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.
A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E, aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E, aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E, não acreditando nas negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração.
A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.
A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita. E a lutar para ganhar o dinheiro com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagar mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra.
A partir da análise do texto, assinale a alternativa CORRETA:
FONTE: http://www.releituras.com/mcolasanti_eusei.asp. Acesso em: 3 dez. 2019.
A
A repetição da frase "a gente se acostuma" é um recurso que procura convencer o leitor de que é, de fato, melhor se acostumar com os fatos descritos.
B
A repetição de frases que iniciam com a conjunção "e" é uma estratégia para manter o leitor atento a todos os detalhes da vida interna do eu lírico.
C
Os verbos no infinitivo e no gerúndio são utilizados como recursos expressivos, demonstrando a rotina, a repetição na vida do eu lírico.
D
O trecho "a gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e de que necessita" trata-se do momento em que o autor apresenta sua conclusão.
6Aluísio Azevedo certamente se inspirou em L'Assommoir (A Taberna), de Émile Zola, para escrever O Cortiço (1890), e por muitos aspectos seu texto é um texto segundo, que tomou de empréstimo não apenas a ideia de descrever a vida do trabalhador pobre no quadro de um cortiço, mas um bom número de pormenores, mais ou menos importantes. Ao mesmo tempo, Aluísio quis reproduzir e interpretar a realidade

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.