A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
39 pág.
Hipófise PowerPoint

Pré-visualização | Página 1 de 1

Hipófise
Laira Isabela Botton 
Fogliarine
Características 
Hipófise
o Também chamada de glândula 
pituitária, possui tamanho variável de 1 
a 4 gramas;
o Faz parte do sistema nervoso e 
endócrino, sendo a mais importante do 
sistema endócrino;
o Está relacionada com o controle de 
emoções e funções orgânicas;
o Se encontra na base do crânio no 
acidente ósseo do esfenoide;
o Parte anterior, proveniente do palato e 
a posterior, proveniente do diencéfalo.
Anatomia Hipofisária
Neuro-Hipófise 
o A neuro-hipófise é a parte posterior, sendo uma 
extensão do hipotálamo;
o Responsável por apenas secretar hormônios 
produzidos no núcleo hipotalâmico;
o Os hormônios são produzidos pelos neurônios 
secretores dos núcleos PV e SO, encapsulados e 
conduzidos até a neuro-hipófise pelos axônios;
o Os dois hormônios secretados por essa glândula são 
ocitocina e ADH.
Ocitocina 
o Age na contração da musculatura lisa e é associada ao 
bem estar, relacionados a serotonina;
o Sintetizado pelos neurônios secretores nos núcleos PV 
e SO.
o É estimulado pela sucção do leite materno e distensão 
do colo do útero.
o Dentre os efeitos secundários estão: potencialização 
do ACTH, estimulação da prolactina e influência sobre 
o comportamento materno.
o Ela se liga aos receptores Cq/11 presentes nas 
mamas, útero e cérebro.
Mecanismos de 
Ativação da 
Ocitocina
Hormônio 
Antidiurético
o Também conhecido como ADH ou vasopressina (AVP).
o Esse hormônio age nos rins, aumentando a resistência vascular;
o As concentrações séricas variam de 1,5 a 6 ng/L;
o O ADH se liga aos receptores presentes na proteína G:
o Existem 3 receptores: V1R, V2R e V3R;
o A desidratação gera uma retração celular, sinalizando para o 
neurônio a necessidade da secreção;
o Queda da PA superior a 10% também sinaliza;
ADH
Diabetes Insípido
o Caracterizada pela poliúria hipotônica;
o A secreção de ADH está associada com a neurogênica 
ou central e a nefrogênica; 
o Neurogênico: ocorre devido à uma queda da liberação 
de ADH;
o Nefrogênico: ocorre devido a uma não responsividade 
do néfron distal ao hormônio.
Diagnóstico
Tratamento
o Administração de AVP para reposição, 
quando diabete insipido central.
Já para o diabete insipido nefrogênico, não 
existe tratamento. Quando secundário 
ao uso de medicamentos, deve-se 
suspender o uso dos mesmos.
Adeno-Hipófise 
o A adeno-hipófise é a parte anterior, possui maior 
volume;
o Células derivadas do revestimento ectodérmico do 
palato;
o Glândula produtora e secretora;
o Controlada pelo hipotálamo, existindo a 
comunicação através da porta hipofisária;
o Capaz de produzir e secretar 7 hormônios de 3 
classes diferentes.
Adeno-Hipófise 
o Classificação de acordo com localização: gonadotrofos e 
somatotrofos (posterolateral) e corticotrofos e tireotrofos 
(anteromedial).
o A produção é controlada pelos neuropeptídeos 
hipotalâmicos;
o Ocorrem de maneira cíclica e existem fatores que podem 
alterar sua secreção: níveis hormonais, inibição por 
retroalimentação negativa e ritmos circadianos;
o Regulador no núcleo supraquiasmatico: ACTH, cortisol e 
melatonina (24h) e PRL, GH, TSH (sono)
Hormônio do 
Crescimento
o Conhecido como GH;
o Associado ao crescimento tecidual, depois, passa a 
fazer papel na síntese de proteínas (músculos e 
ossos);
o Secreção é aumentada durante o período de 
descanso;
o Sua plena funcionalidade é alcançada quando 
associada aos mecanismos nutricionais e hormonais;
Regulação e efeitos sob 
órgãos-alvo
Hormônio Estimulante 
da Tireóide
o O TSH se liga ao receptor presente na 
membrana da proteína G alfa da tireóide, 
desencadeando a adenilato-ciclase, gerando 
uma cascata de ativação;
o Atua como fator de sobrevida para a glândula 
tireóide; 
Hormônio Folículo 
Estimulante e Luteinizante
o Atuam nos testículos (testosterona) e ovários 
(estrogênio e progesterona);
o A ativação ocorre por meio da ligação 
hormonal ao receptor presente na proteína G 
alfa S;
o Essa ativação gera uma síntese dos 
hormônios sexuais, espermatogênese, 
foliculogênese e ovulação.
Mecanismo de Feedback
Hormônio 
Adrenocorticotrófico
o Gerado através da clivagem da pro 
opiomelanocortina (POMC);
o Age no córtex adrenal na zona fasciculada;
o Sua secreção é mediada por estresse físico e 
psicológico;
o Desempenha o papel a função de produção e 
liberação de cortisol.
Hormônio Melanócito 
Estimulante
o Exerce atuação sobre as células endoteliais, 
monócitos, queratinócitos e sistema 
pigmentar da pele.
Prolactina
o Responsável pela produção e ejeção do leite 
materno;
o Secretado pelos lactotrofos; 
o Ela é liberada de acordo com a inibição da 
dopamina, somatostatina e GABA;
o Elevadas concentrações de dopamina 
suprimem a secreção da prolactina.
Mecanismo de Secreção Prolactina
Adenoma Hípofisário
o Raros na infância e maior incidência em mulheres;
o Classificados em micro (hormônios séricos elevados) ou 
macro (sintomas de compressão) e produtores de 
hormônio ou clinicamente não funcionantes;
o GH (acromegalia); cortisol (Cushing); gonadotrogos
(ineficientes na produção hormonal); gonadotrofos 
(diagnosticados grandes).
o Os clinicamente não funcionantes geralmente 
desencadeiam sintomas associados a compressão devido 
ao tamanho da massa.
Incidentaloma Hipofisário 
o Lesão previamente não suspeitada e descoberta 
acidentalmente;
o Diagnosticada através de RM e TC;
o Podem ser classificados de acordo com o tamanho; 
Hiperprolactinemia e Prolactinoma
o A hiperprolactinemia pode ser idiopática, desencadeada por lesões 
traumáticas na parede torácica, lesões irritativas e doenças do 
cordão medular;
o Apresentam galactorreia e infertilidade;
o Uso de agonistas de dopamina para reestabelecimento dos níveis 
séricos de prolactina.
o Em relação ao prolactinoma, os níveis de prolactina acompanham o 
tamanho do tumor.
o Pode ser classificado como micro (1cm – 100 e 200ng/L), macro 
(igual ou maior 1cm – 250 – 2000 ng/L) e gigantes (maior que 4cm 
– acima de 1000ng/L)
Acromegalia
o Doença crônica associada a hipersecreção de GH;
o Geralmente associado a presença de adenoma hipofisário secretor 
de GH, podendo ser de células puras de GH ou misto;
o O quadro clinico engloba: cefaleia, distúrbios visuais, 
hipopituitarismo, aumento de pés e mãos, alterações cutâneas, 
osteoartrite, síndrome do túnel do carpo, apneia do sono e 
complicações cardiovasculares, endócrinas, metabólicas e 
neoplasias;
o Dentre as manifestações fisionômicas vemos: alargamento do nariz, 
aumento dos lábios, aumento da mandíbula com prognatismo, 
macroglossia, fronte proeminente.
Diagnóstico
Hipopituitarismo
o Causada pela deficiência de hormônios adeno-hipofisários, 
podendo ser congênito ou adquirido;
o As mais comuns são as deficiências de GH e gonadotrofinas;
o O congênito está associado a mutações de genes específicos e 
síndromes;
o O adquirido é, geralmente, desencadeado por traumatismos, lesão 
penetrante e acidentes automobilísticos;
o As manifestações clínicas variam de acordo com o hormônio em 
deficiência.
Manifestações 
Clínicas 
Classificação de 
Acordo com a 
Mutação
Diagnóstico
Referências
MOLINA, P. E. Fisiologia Endócrina. 4 ed. Porto 
Alegre-RS: AMGH Editora, 2014. 
VILAR, Lucio. Endocrinologia clínica. 6 ed. Rio de 
Janeiro: Guanabara Koogan; 2016

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.