Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
35 pág.
Apresentação TCC

Pré-visualização | Página 1 de 3

AVALIAÇÃO DO RASTREIO DA SÍNDROME DE DOWN E 
ACONSELHAMENTO GENÉTICO POR TRIAGEM (NIPT - TESTE 
PRÉ-NATAL NÃO INVASIVO), POR MEIO DO SORO MATERNO: UMA 
REVISÃO SISTEMÁTICA 
Renata Marques de Souza
Orientadora: Profª Dra. Elisangela de Paula Silveira Lacerda
Introdução
Breve histórico da Síndrome de Down:
➔ 1866
John Langdon Down
Jérôme Lejeune
Patricia Jacobs
➔ 1959 ➔ 1960
Paul Emanuel Polani
Aneuploidia e trissomia do 21
Alteração cromossômica 
Numérica
Aneuploidia
Trissomia
Uma alteração cromossômica é considerada 
numérica, quando a mudança no número de 
cromossomo de uma célula, quer para + ou −. 
Alteração no numero de cromossomo, em 
parte do conjunto cromossômico da célula, 
havendo ganho ou perda de cromossomos 
específicos.
MECANISMOS GENÉTICOS DA 
SÍNDROME DE DOWN
A etiologia da SD é complexa, esta trissomia possui três variações:
❏ Não Disjunção Meiótica: ocorre em 95% dos casos resultando assim na 
trissomia do cromossomo 21 cariótipo: 47,XX,+21 para o sexo feminino e 
47,XY,+21 para o sexo masculino. 
❏ Translocação Robertsoniana: em cerca de 4% dos casos, cariótipo: 46,XX 
ou XY,rob(14;21) (q10;q10), + 21.
❏ Mosaicismo: 1% a 2% correspondem ao mosaicismo do cariótipo: 
(46,XY/47,XY + 21 ou 46,XX/47,XX + 21). Não diferindo quanto aos sinais 
clínicos e sendo identificada somente com teste de cariótipo. 
Não disjunção meiótica
Figura 2: Mecanismos da divisão meiótica ilustrados por exemplificação com uma 
célula germinativa e dois cromossomos por (Pereira, 2018).
Não disjunção meiótica
❖ Erros na meiose que levam à trissomia do 21 são predominantemente de origem materna 90%
❖ cerca de 10% ocorrem durante a espermatogênese.
❖ A maioria dos erros na meiose materna ocorre na meiose I e a idade materna.
❖ Isso é explicado pelo longo período em que os ovócitos imaturos permanecem suspensos em meiose I, 
desde sua produção durante o período fetal, até uma ovulação e posterior fertilização, quando a mulher 
atinge sua maturidade sexual. O grande intervalo de tempo, que pode levar de 10 a 50 anos, torna o 
ovócito predisposto ao acúmulo de efeitos danosos, os quais resultam em erros de separação 
cromossômica, seja em meiose I ou II.
Translocação Robertsoniana
● Perda de braços curtos de dois 
cromossomos acrocêntricos e a 
subsequente junção dos braços longos 
destes. 
● SD 14 ou 22
Translocação Robertsoniana
Figura 3:Uma menina com síndrome de Down com um cariótipo mostrando uma 
translocação robertsoniana 14; 21: 46, XX, t (14; 21) (q10; q10), + 21.
Mosaicismo
Figura 4: Mosaicismo
Células anormais (47 
cromossomos).
Células normais (46 
cromossomos).
CARACTERÍSTICAS FENOTÍPICAS 
DA SÍNDROME DE DOWN
● Hipotonia;
● Baixa estatura;
● Deficiência Intelectual;
● Orelhas de baixa 
implantação;
● Lingua protusa
● Pregas epicantricas 
● Manchas de Brushfield;
● Braquicefalia;
● Ponte nasal achatada;
● Quinto Dedo 
encurtado;
● Unica prega 
palmar (linha 
simiesca);
● Defeitos Cardíacos 
Congênitos ;
● Atresia duodenal;
CARACTERÍSTICAS FENOTÍPICAS 
DA SÍNDROME DE DOWN
Diagnóstico da Síndrome de 
Down
O Diagnóstico pré- natal é realizado pela triagem de primeiro e segundo trimestres padrão 
pela ultrassonografia e pelos analitos do soro materno. Teste pré natal não invasivos,pode 
detectar até 95% de todos os casos de SD com uma taxa de falso‐positivos aproximada de 
5%.
Diagnóstico da Síndrome de 
Down
❖ O isolamento de células fetais intactas e de DNA fetal livre no sangue materno tem 
sensibilidade e especificidade para a trissomia do 21 aumenta para mais de 99% com uma taxa 
de falso‐positivos menor que 1%. 
Hibridização Fluorescence in Situ 
(FISH)
Método de FISH - Mostrando os cromossomos 13 em verde e o 21 em 
vermelho, com a trissomia do 21. 
Técnica do bandeamento G
Uma técnica da qual os cromossomos são submetidos a ação de uma enzima proteolítica, como a 
tripsina e em seguida são corados com coloração Giemsa. Será obtido um padrão de bandas claras e 
escuras, sendo as escuras definidas como bandas G (STRACHAN; READ, 2013). 
Cariótipo por bandas GTG (banda G por tripsina e Giemsa) evidenciando 
trissomia livre do cromossomo 21, compatível com síndrome de Down.
Incidência/reincidência da SD 
● Estima-se que a prevalência mundial da 
síndrome no Brasil ocorra 1 em cada 700 
nascimentos, o que totaliza em torno de 270 
mil pessoas com SD; no mundo.
● A incidência estimada é de 1 em 1 mil 
nascidos vivos (Censo 2021).
Aconselhamento Genético
 Fluxograma das etapas do aconselhamento genético na Síndrome de Down.
JUSTIFICATIVA
Este trabalho buscou verificar por meio da revisão sistemática da literatura, a 
compreensão da natureza da Síndrome de Down e de suas implicações na vida dos 
portadores, demonstrando a importância dos teste pré-natal (NIPT), um método de 
rastreamento altamente eficiente e tem sido aplicado como uma abordagem de 
rastreamento de primeira linha ou contingente em todo o mundo desde 2012.
Análise do cariótipo para confirmação do diagnóstico em pacientes com suspeita de 
síndrome através da citogenética clínica que identifica essas alterações cromossômicas e 
importância do aconselhamento genético como uma abordagem da SD deve começar até 
mesmo antes da gestação, quando identificado o desejo de uma gestação tardia após os 35 
anos.
Objetivo
Realizar uma revisão sistemática sobre a SD e, dentro disso, 
considerar os aspectos genéticos, buscar a compreensão da relação entre 
os diferentes cariótipos e os sinais clínicos apresentados. Avaliar os 
trabalhos sobre informar aos casais sobre os riscos destes distúrbios 
genéticos e eficácia na detecção em NIPT para redução do número de 
exames invasivos. 
Metodologia
A literatura disponível consiste em uma revisão sistemática. Foram utilizados 
artigos publicados no período de 2016 a 2021, nos idiomas inglês, português ou 
espanhol com foco no rastreamento genético pré-natal da SD.Para a busca e seleção 
de artigos, realizada nos bancos de dados:(PubMed, SciELO e LILACS), com seguintes 
descritores: “Down Syndrome” and “Maternal Serum screening tests”.
Tendo como ponto principal, a validação clínica ou estudos de implementação 
da análise do soro materno e definição do desempenho da triagem para SD e 
detecção precoce para redução do número de exames invasivos.
Metodologia
● Critérios de exclusão: artigos que abordavam outras síndromes,não avaliavam 
os testes laboratoriais, artigos repetidos, estudos pré-clínico (estudos realizados 
com animais), coorte e caso-controle foram excluídos porque tendem a introduzir 
um viés otimista nas estimativas de desempenho diagnóstico, e análise.
● Critérios de inclusão: estudos de análise diagnóstica, ensaio 
clínico-randomizado e transversal. 
Metodologia
Fluxograma da metodologia utilizada para a realização da revisão sistemática da 
literatura. 
Resultados
Neste estudo de revisão sistemática foram selecionados 5 artigos científicos.Na tabela 1 é descrito a 
data de publicação, o tema abordado e o delineamento de cada estudo.
Autores Data de 
publicação
Tema Delineamento do estudo
1. GIL et al 2017 Análise de DNA livre de células no 
sangue materno na triagem de 
aneuploidias: meta-análise 
atualizada
Meta-análise
Desempenho dos testes de 
cfDNA na triagem de 
aneuploidias.
1. Alldred et al 2017 Testes de ultrassom de primeiro 
trimestre isoladamente ou em 
combinação com testes de soro de 
primeiro trimestre para rastreamento 
de síndrome de Down
Análise retrospectiva de dados 
clínicos em
teste que combinam 
marcadores de ultrassom com 
marcadores séricos, 
especialmente PAPP-A e 
ßhCG livre.
Resultados
1. HU et al 2017 Um ensaio clínico prospectivo para 
comparar o desempenho da triagem 
pré-natal de manchas de sangue 
secas para a síndrome de Down com 
a tecnologia de teste não invasivo 
convencional
Ensaio Clínico prospectivo 
aneuploidia pré-natal, 
resultados de testes de cfDNA 
falso-negativos e 
falso-positivos
1. Gray;Wilkins-Haug
Página123